Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
59 dias
20 mai
Próximo evento em
73 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
87 dias
10 jun
Próximo evento em
94 dias
24 jun
Próximo evento em
108 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
115 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
129 dias
29 jul
Próximo evento em
143 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
171 dias
02 set
Próximo evento em
178 dias
09 set
Próximo evento em
185 dias
23 set
Próximo evento em
199 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
206 dias
07 out
Próximo evento em
213 dias
21 out
Próximo evento em
227 dias
28 out
Próximo evento em
234 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
270 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
279 dias

“Manor não estaria no grid não fosse Bianchi”, acredita Stevens

Para piloto britânico, pontos conquistados por Jules Bianchi em 2014 foram cruciais para que time não fechasse as portas

compartilhar
comentários
“Manor não estaria no grid não fosse Bianchi”, acredita Stevens
Will Stevens, Manor F1 Team
Jules Bianchi, Marussia F1 Team
Will Stevens, Manor F1 Team
Ciao Jules
Jules Bianchi, Marussia F1 Team
Will Stevens, Manor F1 Team

Graças ao prêmio em dinheiro extra oferecido pela FOM, o nono lugar de Bianchi no GP de Mônaco do ano passado permitiu que sua equipe continuasse na F1 em 2015. Quem ressaltou isso nesta quinta-feira em Budapeste foi o piloto britânico Will Stevens, que neste ano dirige para a Manor – time que usava o nome Marussia em 2014.

"Tem sido uma semana difícil, e como equipe temos de lidar com isso e avançar", disse Stevens. "Todos nós precisamos ficar juntos para nos consolar. Claramente o fim de semana vai ser difícil."

"A diferença que Jules fez no ano passado em Mônaco foi fundamental para nós ainda estarmos aqui. Não há um único membro da equipe que subestime o que ele fez por nós. Sem a sua contribuição, as coisas para nós seriam muito diferentes agora.”

"Eu o conhecia desde cedo no kart. Nunca ouvi uma má palavra dita sobre ele. Ele sempre foi um grande cara."

O risco de correr de monoposto

Sobre o tema da segurança na F1, Stevens acredita que muito já tenha sido feito para que lesões sejam cada vez mais raras.

"Nós nunca vamos conseguir tornar o esporte 100% seguro, mas com os avanços que fizemos ao longo dos últimos anos, temos uma categoria hoje em dia extremamente segura", disse ele.

"Obviamente o fator restante são os impactos na cabeça. Temos um cockpit aberto, isso sempre pode acontecer. Isso é uma coisa que precisa ser olhada, mas é muito difícil de escapar de coisas assim.”

Quando perguntado se era à favor de cockpits fechados, Stevens respondeu: "Para mim, pessoalmente, há outros elementos de perigo envolvidos nisso também. Você pode criar problemas diferentes, então há prós e contras.”

"A Fórmula 1 sempre teve cockpits abertos, e se tem sido assim desde sempre, então, pessoalmente, acredito que deva continuar. Mas a segurança é a prioridade número 1. Se novos sistemas vierem para melhorar as coisas, então temos de considerá-los."

Bottas acredita que a Williams pode ser forte na Hungria

Artigo anterior

Bottas acredita que a Williams pode ser forte na Hungria

Próximo artigo

Rosberg admite dificuldades com freios da Mercedes

Rosberg admite dificuldades com freios da Mercedes
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP da Hungria
Localização Hungaroring
Pilotos Will Stevens , Jules Bianchi
Autor Charles Bradley