Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
59 dias
20 mai
Próximo evento em
73 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
87 dias
10 jun
Próximo evento em
94 dias
24 jun
Próximo evento em
108 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
115 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
129 dias
29 jul
Próximo evento em
143 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
171 dias
02 set
Próximo evento em
178 dias
09 set
Próximo evento em
185 dias
23 set
Próximo evento em
199 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
206 dias
07 out
Próximo evento em
213 dias
21 out
Próximo evento em
227 dias
28 out
Próximo evento em
234 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
270 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
279 dias

Mansell relata choque em morte de Villeneuve, mas critica segurança da F1 atual; entenda

Em entrevista a jornal britânico, o campeão de 1992 comparou a segurança na F1 em sua época com o momento atual

compartilhar
comentários
Mansell relata choque em morte de Villeneuve, mas critica segurança da F1 atual; entenda

Autor de uma longa carreira na Fórmula 1, com 187 GPs disputados entre 1980 e 1995 e 31 vitórias, além do título mundial de 1992, Nigel Mansell é um dos pilotos que marcaram a história da categoria. Além disso, o inglês presenciou momentos de crueldade deste esporte.

Mansell fez sua estreia na elite do esporte em agosto de 1980, apenas duas semanas após a morte de Patrick Depailler em um teste em Hockenheim. Em 1982, quando disputava apenas sua segunda temporada como titular, viu de perto a morte de dois colegas da categoria.

Leia também:

O primeiro foi Gilles Villeneuve, que perdeu a vida durante o treino classificatório para o GP da Bélgica. Já o segundo foi Riccardo Paletti, que morreu logo após a largada do GP do Canadá, em sua segunda prova na categoria. Em entrevista ao jornal britânico Daily Mail, Mansell falou sobre seu período na F1 e, principalmente, sobre como a morte do lendário piloto canadense o afetou como piloto.

"Naquela época, os pilotos morriam com certa regularidade, o que poderia causar sérias repercussões no psicológico", disse o britânico. "Gilles era meu amigo, nos tornamos amigos próximos. Ele me deu bons conselhos. Jamais esquecerei a tragédia que o atingiu em Zolder".

"Eu vinha logo atrás dele e vi tudo. Vi o carro subindo no ar e caindo. Vi ele sendo jogado para fora do carro, batendo na cerca. Passei ao lado e lembro de dizer a mim mesmo que suas chances de sobreviver eram quase nulas. Nunca testemunhei algo tão chocante. Fiquei chateado e ainda fico chateado".

La voiture de Gilles Villeneuve, Ferrari 126C2, après l'accident

Mansell falou sobre um contraste marcante - e crítico - entre o tempo que ele correu na F1, marcado por diversas mortes, incluindo a de Senna em Ímola em 1994, e o atual, em que houve um grande progresso em termos de segurança, atenuando bastante os riscos de um resultado trágico.

"A F1, nas décadas de 80 e 90, era uma profissão muito séria", insistiu. "Se não nos matamos, corremos o risco de sermos feridos com os trilhos na beira das pistas. Nunca sabíamos o que poderia acontecer".

"A morte de Ayrton foi um dia catastrófico para o automobilismo, e isso o mudou para sempre. O esporte evoluiu em várias maneiras, boas e ruins, porque os circuitos ao redor do mundo foram esterilizados".

"Isso foi um erro terrível. A F1 era um esporte incrível, onde você seria recompensado se dirigia bem e era punido se ia mal. Você não poderia entrar em uma curva a 320 km/h se não tinha talento. Agora, tudo mudou de maneira inconcebível".

"Lewis [Hamilton] teria um bom desempenho nessas circunstâncias, mas é muito, muito difícil comparar épocas. Muitos pilotos brilhantes quebraram suas pernas ou braços em acidentes, e alguns não conseguiram continuar suas carreiras".

"Agora, os bons pilotos cometem erros excruciantes e não se machucam. Mal suam no carro. No final da corrida, é como se tivessem acabado de sair do cabeleireiro. Algo maravilhoso do meu tempo é que se tivéssemos completado 180 GPs e ainda estivéssemos vivos, nos parabenizaríamos e diríamos a nós mesmos que tivemos uma boa carreira", completou Mansell, que ainda foi campeão da Indy após deixar a F1.

VÍDEO: Live com Reginaldo Leme: histórias com Senna, Fittipaldi, Piquet e ex-Beatle

PODCAST: Massa revela 'causos' hilários com Schumi, Kimi, Leclerc e cia

 

VÍDEO: Renault mostra Ricciardo acelerando em teste na Áustria

Artigo anterior

VÍDEO: Renault mostra Ricciardo acelerando em teste na Áustria

Próximo artigo

Brawn diz que F1 não procura novas equipes, apesar de “criar ambiente econômico viável”

Brawn diz que F1 não procura novas equipes, apesar de “criar ambiente econômico viável”
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Nigel Mansell , Gilles Villeneuve
Autor Benjamin Vinel