Para CEO da F1, novos fãs da categoria não se importam com domínio da Red Bull

Stefano Domenicali acredita que essa dominância pode decepcionar fãs de longo prazo

Max Verstappen, Red Bull Racing, 1st position, lifts his trophy

O CEO da Fórmula 1, Stefano Domenicali, insiste que os novos fãs do esporte não estão desanimados com o domínio da Red Bull nas primeiras corridas da temporada de 2023.

O italiano também diz que é muito cedo para fazer um julgamento sobre como o ano vai se desenrolar e espera ver uma competição mais forte e “grandes surpresas” acontecerem antes do ano terminar. Alguns observadores sugeriram que os torcedores atraídos pela era 'Drive to Survive' durante as últimas temporadas competitivas podem não gostar de ver uma equipe dominando os resultados.

Leia também:

No entanto, Domenicali sugere que a vitória de um time tem mais chances de ser decepcionante para os seguidores de longo prazo do esporte.

"Em primeiro lugar, se uma equipe é mais rápida que as outras, parabéns, eles fizeram um trabalho melhor que os outros", Domenicali disse em uma reunião de investidores da F1 quando questionado se a FIA deveria rever a situação. “É dever da FIA, como reguladora, garantir que eles verifiquem a conformidade do carro com os regulamentos."

“Se você olhar para os outros, eles estão muito próximos. Estou muito confiante de que com o teto orçamentário a situação vai evoluir da melhor forma para uma melhor competição. Mas, por outro lado, há uma coisa interessante de se ver, nos novos mercados, onde o novo público está chegando, que não é um fator muito importante."

“É mais, digamos, para os fãs ávidos que, se você vê um carro que é dominante, isso está criando um nível de menos interesse. Para os novos mercados, para os novos fãs que estão chegando ao negócio, isso não é muito importante. E para nós é importante porque queremos garantir que haja uma grande competição no ecossistema."

“Mas eu diria que se eu olhar hoje, nos mercados onde estamos crescendo, esse fator não é tão relevante quanto você pensa. E isso é, de certa forma, muito interessante de compartilhar. Mas essa é a verdade.”

Stefano Domenicali, CEO, Formula 1, and Mohammed bin Sulayem, President, FIA, on the grid

Stefano Domenicali, CEO, Formula 1, and Mohammed bin Sulayem, President, FIA, on the grid

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Domenicali sugeriu que há tempo para a hierarquia mudar, citando a penalidade de limite de custo que continuará atingindo o programa de testes aerodinâmicos da Red Bull até outubro.

“Com certeza, vemos nas três primeiras corridas que a Red Bull foi muito competitiva”, disse ele. “Estou esperando que os outros os alcancem. Precisamos esperar para ver o efeito da penalidade que eles tiveram no ano passado com a redução do túnel de vento. O campeonato é muito longo. E acho que teremos boas surpresas antes do final.”

O CEO da Liberty Media, Greg Maffei, insistiu que há uma forte concorrência em andamento em 2023.

“A história da F1 é que houve equipes que tiveram que correr, a Red Bull teve uma corrida, a Mercedes teve uma corrida longa”, disse ele. “Mas você olha para trás e vê mais ultrapassagens e mais competição do que nunca."

“Acho que podemos ver estatisticamente que houve mais ultrapassagens este ano do que nos anos anteriores. E acho que você verá mais disso. Portanto, há emoção na pista e como Stefano aponta com razão, são três corridas, vamos ver como o ano entrega."

Galvão Bueno tem projeto para voltar a narrar F1; saiba mais no vídeo:

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Domenicali indica aumento de taxa para novas equipes e volta a afinetar Andretti
Próximo artigo F1: Kvyat revela que Ferrari o procurou para substituir Raikkonen em 2016

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil