Para Ferrari, Mercedes ainda é equipe a ser batida

Time não crê que vitória de Sebastian Vettel em Hungaroring indique que, a partir de agora, eles serão capazes de bater a equipe alemã regularmente

Para Ferrari, Mercedes ainda é equipe a ser batida
Kimi Raikkonen, Ferrari
Fernando Alonso, McLaren MP4-30
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W06
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Kimi Raikkonen, Ferrari
Largada
Carregar reprodutor de áudio

A vitória de Sebastian Vettel no GP da Hungria – a segunda do ano para a Ferrari – não é um sinal de que o time de Maranello será capaz de superar a Mercedes constantemente. É o que pensa Maurizio Arrivabene, chefe da equipe italiana.

Ainda que a vitória em Hungaroring comprove que a Ferrari conseguiu avanços significativos no carro, Arrivabene não tem dúvida de que a esquadra alemã ainda está à frente da equipe comandada por ele.

Mercedes ainda é superior

Embora a Mercedes não tenha demonstrado ritmo para bater a Ferrari na Hungria, Arrivabene crê que houve outros fatores que influenciaram no resultado, como os problemas enfrentados por Lewis Hamilton durante a corrida e Nico Rosberg com um carro cujo acerto não o agradava.

O dirigente, portanto, acredita que seria equivocado pensar que a Mercedes caiu de produção ou que a diferença entre a Ferrari e os germânicos desapareceu milagrosamente.

"No início da temporada, [a diferença para as Mercedes] era enorme, mas conseguimos nos aproximar um pouco. Seguimos desenvolvendo nosso carro, mas eles também fizeram o mesmo. Esse é o cenário, eles ainda são os mais fortes. Às vezes somos capazes de superá-los – como aconteceu na Malásia e na Hungria. Entretanto, na maior parte das vezes eles foram superiores. Depende de nós analisarmos nossos dados e reduzir essa diferença. Acredito que estamos no caminho certo", observou.

Batalha de desenvolvimento

Apesar de não acreditar que a Ferrari superará a Ferrari na maior parte das corridas restantes, Arrivabene diz que há possibilidade de sucesso em algumas etapas.

"Eu não cheguei à F1 ontem. Já vi esse cenário de uma equipe disparar no início do campeonato, então há a pausa e depois as disputas são retomadas. Olhando as Mercedes, é possível perceber que eles são fortes em todas as pistas. Como eu disse recentemente, esperávamos por desempenhos bons e ruins durante o decorrer da temporada”, ponderou.

"Isso não significa que não estamos avançando. É preciso considerar que os demais estão evoluindo também, então temos que fazer a nossa parte. Em linhas gerais, eu diria que nosso trabalho tem sido bom. Temos nove corridas pela frente e durante essas provas veremos desempenhos como o de Hungaroring e performances como as de Silverstone e Barcelona.

Por fim, Arrivabene disse que ninguém é infalível, mesmo aqueles que estão no topo: “Até a melhor equipe acaba enfrentando algum tipo de problema durante o ano, mas depois volta a dominar. Quando isso acontece, não quer dizer que os adversários deixaram de evoluir”, concluiu.

compartilhar
comentários
Por férias de verão, equipes pedem alteração no calendário de 2016
Artigo anterior

Por férias de verão, equipes pedem alteração no calendário de 2016

Próximo artigo

Wolff: Mercedes deve “tomar cuidado” com avanços da Ferrari

Wolff: Mercedes deve “tomar cuidado” com avanços da Ferrari