Para Vettel, divórcio entre Red Bull e Renault é “triste”

Tetracampeão pelo time austríaco com os motores franceses entre 2010 e 2013, Sebastian pede que não se esqueça de era vitoriosa

Para Vettel, divórcio entre Red Bull e Renault é “triste”
Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB10
Renault Sport F1 logo
Sebastian Vettel, Ferrari
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Sebastian Vettel, Ferrari
Daniil Kvyat, Red Bull Racing RB11

Com o relacionamento bastante ruim entre Red Bull e Renault, Sebastian Vettel se disse chateado nesta quinta-feira em Cingapura pela cada vez mais iminente separação das duas partes nas próximas semanas. Ele foi o piloto mais vitorioso da era Red Bull-Renault, que dura de 2007 até hoje.

"É triste ouvir porque fui parte desta parceria, e tivemos alguns anos de muito sucesso, que infelizmente foram esquecidos por causa desta situação", disse o alemão, que venceu quatro títulos e 38 corridas na Red Bull com os motores Renault antes de mudar para a Ferrari no início de 2015.

"A Renault fez um trabalho fantástico no passado fornecendo à Red Bull um motor forte e a grande técnica do difusor soprado no escape. Este foi um dos melhores avanços.

"Há um monte de coisas que as pessoas estão esquecendo que a Renault conseguiu, então espero que fiquem no esporte", concluiu ele, referindo-se à possibilidade de a Renault adquirir a equipe Lotus.

Pódio como alvo em Cingapura

Falando de suas chances de lutar pela vitória em Cingapura neste fim de semana, Vettel acrescentou: "olhando para este ano, até agora quando tem feito mais calor temos sido mais competitivos. Mas este circuito é único. Você precisa sentir o carro e ter confiança. É o que faz a maior diferença por aqui.”

"Nossa meta é estar no pódio. Mas isso é difícil, porque a Mercedes costuma ter dois carros no pódio em condições normais.”

"Mas temos sido muito bons em conseguir o máximo neste ano e conseguirmos pódios."

compartilhar
comentários
Alexander Rossi explica escolha do número 53 na Fórmula 1
Artigo anterior

Alexander Rossi explica escolha do número 53 na Fórmula 1

Próximo artigo

Raikkonen admite “dedo na posição errada” na largada em Monza

Raikkonen admite “dedo na posição errada” na largada em Monza
Carregar comentários