Por que a F1 não faz parte das Olimpíadas?

Pouca gente sabe, mas provas de rally já fizeram parte dos Jogos Olímpicos; Motorsport mostra quais seriam as opções para o automobilismo voltar a fazer parte da Olimpíada

Por que a F1 não faz parte das Olimpíadas?

A última vez que um esporte a motor teve um papel em uma Olimpíada foi em Paris-1900, assim como críquete e balonismo! Os Jogos aconteceram em conjunto com a Feira Mundial, duraram seis meses, e houve inclusive uma disputa de carros elétricos (quem diria, Fórmula E...).  

Desde então, o rally foi a categoria que chegou mais próximo de uma Olimpíada, ambas as vezes na Alemanha. Em 1933, Betty Haig recebeu uma medalha de ouro pela vitória no Rally Olímpico, numa prova de 2 mil milhas. O resultado acabou sendo embaraçoso para o regime nazista pré-Segunda Guerra Mundial já que a chegada era em Berlim (e esperava-se a vitória de um alemão, claro).  

O evento foi reprisado nos Jogos de Munique-1972, com a largada acontecendo na cidade de Kiel, local das disputas das regatas, e chegada seis dias depois no Estádio Olímpico em Munique, porém, com pouco significado já que a prova aconteceu antes mesmo de os Jogos Olímpicos começarem. E adivinhem quem era o navegador do carro vencedor? Ninguém menos do que Jean Todt, atual presidente da Federação Internacional de Automobilismo.

 

F1, a FIA e o COI

Jacques Rogge, IOC President with Bernie Ecclestone, CEO Formula One Group
Jacques Rogge, ex-presidente do COI, e Bernie Ecclestone, chefão da Fórmula 1

Photo by: XPB Images

Em 2012, a FIA, sob administração de Todt, foi reconhecida pelo COI, o Comitê Olímpico Internacional, como uma federação esportiva. Cinco anos antes, o COI havia retirado de suas regras uma cláusula que dizia que esportes com motores a propulsão mecânica "não eram aceitáveis". 

Basicamente, a FIA conseguiu um lugar entre as federações que fazem parte do COI. A chave para isso foi que a FIA assinou a Carta Olímpica, também as regras antidoping e, mais importante, criou uma Comissão de Pilotos. Afinal, o COI "tem a obrigação de proteger nossos atletas". 

Durante uma visita ao GP da Grã-Bretanha de 2012, o então presidente do COI, Jacques Rogge, jogou um balde água fria na ideia de a F1 fazer parte da Olimpíada. 

“Compartilhamos a mesma busca pela excelência", disse Rogge, dando esperanças. "Existe muita coisa que podemos aprender com a F1. Temos muitas similaridades. É um esporte com grandes competidores que se preparam de forma dura".  

“Mas francamente falando, o conceito que temos é que os Jogos são competições entre atletas e não equipamentos. Portanto, apesar de haver um enorme respeito, (as corridas de carro) não serão incluídas no programa olímpico".  

Porém, sugerir que os Jogos Olímpicos não sofrem influência externa de equipamentos é relativo. Existem diversos esportes que utilizam maquinário e equipamento como bicicletas super aerodinâmicas, tacos de golfe, arco e flexa, raquetes de tênis etc.., isso sem mencionar os cavalos para as provas equestres.

Portanto, o conceito "atleta x atleta" não é bem assim. E não me venham com a frase "as Olimpíadas são para atletas não-profissionais" pois certamente elas recebem os melhores e maiores esportistas do mundo. 

Haveria diversos benefícios para o automobilismo se ele fizesse parte da família olímpica, fora a massiva audiência global da TV. Mas a F1 poderia fazer fazer parte disso? Acho que não. A F1 não precisa das Olimpíadas, mas esportes a motor em geral seriam recompensados.

Como poderia funcionar?

Presentation at The Birds Nest Stadium
Pista montada no Ninho do Pássaro, estádio dos Jogos de Pequim-2008

Photo by: Race of Champions

A melhor opção para algum esporte a motor fazer parte das Olimpíadas seria através de uma única categoria. Para começar, as Olimpíadas adotaram o "carro oficial" décadas atrás, portanto não se preocupem em achar alguma montadora disponível a pagar por isso.

Por exemplo, o Nissan Kick é o veículo oficial do Rio-16 e a montadora japonesa disponibilizou 4.000 carros para uso neste mês nos Jogos. O Nissan Lavinas foi o veículo de apoio oficial das provas de ciclismo de estrada. E a próxima edição dos Jogos de Verão é em Tóquio em 2020...  

O conceito mais adequado seria o mesmo usado na Fórmula Palmer, criada pelo ex-piloto de F1 Jonathan Palmer.  Carros e motores idênticos sorteados para todos os pilotos. Engenheiros e mecânicos imparciais. Não seria a F1, claro. Mas antigos carros da F2 eram bem rápidos, por exemplo. 

A próxima questão é quem deveria pilotá-los? Certamente seria o melhor piloto que cada país tivesse. Quem seria o representante da Grã-Bretanha, Lewis Hamilton ou Jenson Button? Pela Alemanha iria Nico Rosberg ou Vettel? 

O conceito já foi testado e aprovado, precisaria apenas ser executado em conjunto com o COI. 

Não creio que o circuito seja um grande problema. Já testemunhei corridas de rally dentro de um estádio olímpico durante um X-Games. A Formula E já correu no estádio Ninho do Pássaro, em Pequim, e o V8 Supercars em Sydney – ou seja, há muitas opções de circuitos de rua. E circuitos permanentes se encaixariam bem na situação, como Fuji sendo perfeito para os Jogos de Tóquio. E pensar que ergueram o Parque Olímpico onde era o circuito de Jacarepaguá... 

Finalmente Bernie poderia ter a sua medalha…

Olympic snowboarder medalist Kaitlyn Farrington
Medalhista olímpico de snowboarder, Kaitlyn Farrington

Alexander Trienitz

Para finalizar, em 2008, o chefão da F1, Bernie Ecclestone, aventou a ideia de adotar um sistema de medalhas – em vez de pontos – para decidir o Campeonato Mundial da F1. 

Me recordo de perguntar a ele sobre isso numa coletiva em Londres.  

“A ideia disso é porque eu estava cansado das pessoas falarem que não há tantas ultrapassagens nas corridas. A razão disso não tem nada a ver com o circuito ou as pessoas envolvidas. Tem a ver com os pilotos não precisarem ultrapassar.  Se você está na liderança e eu estou em segundo, não vou arriscar tudo. Mas se você precisar fazer isso para ganhar uma medalha de ouro, pois quem tiver mais ouros ganha o campeonato, você vai fazer isso. Vai querer ultrapassar".  

Esqueça o Mundial. Que tal ser o ganhador da primeira medalha de ouro numa prova a motor? 

Falando em corrida do século, qual piloto iria recusar tal oportunidade? 

Kurt Busch, Stewart-Haas Racing Chevrolet, Olympic-themed racing shoes
Sapatilhas com motivos olímpicos de Kurt Busch

Photo by: Action Sports Photography

compartilhar
comentários
Chefe da Mercedes diz que Manor é “ambiente certo” para Ocon

Artigo anterior

Chefe da Mercedes diz que Manor é “ambiente certo” para Ocon

Próximo artigo

Sainz Jr.: Toro Rosso é "mais como um time" sem Verstappen

Sainz Jr.: Toro Rosso é "mais como um time" sem Verstappen
Carregar comentários