Fórmula E
22 nov
-
22 nov
Evento encerrado
R
ePrix de Santiago
17 jan
-
18 jan
Próximo evento em
39 dias
R
ePrix da Cidade do México
14 fev
-
15 fev
Próximo evento em
67 dias
R
ePrix de Marraquexe
27 fev
-
29 fev
Próximo evento em
80 dias
R
ePrix de Sanya
20 mar
-
21 mar
Próximo evento em
102 dias
R
ePrix de Roma
03 abr
-
04 abr
Próximo evento em
116 dias
R
ePrix de Paris
17 abr
-
18 abr
Próximo evento em
130 dias
R
ePrix de Seul
02 mai
-
03 mai
Próximo evento em
145 dias
R
ePrix de Jacarta
05 jun
-
06 jun
Próximo evento em
179 dias
R
ePrix de Berlim
20 jun
-
21 jun
Próximo evento em
194 dias
R
ePrix de Nova York
10 jul
-
11 jul
Próximo evento em
214 dias
R
ePrix de Londres
25 jul
-
25 jul
Próximo evento em
229 dias

Di Grassi lamenta chicane em reta de Santiago: “não é necessária”

compartilhar
comentários
Di Grassi lamenta chicane em reta de Santiago: “não é necessária”
Por:
26 de jan de 2019 11:54

Em novo traçado na capital chilena, brasileiro acha que não teria problema se não houvesse chicane em ponto considerado perigoso

Campeão da temporada 2016-2017, Lucas di Grassi não gostou particularmente de uma parte do circuito feito pela Fórmula E no Parque O’Higgins, em Santiago.

Para ele, a chicane feita no ponto de maior aceleração da pista é desnecessária, apesar de entender as razões da FIA para querer coloca-la. Lá, foi pintada uma zebra no chão em vez de aparafusada, algo que ele diz não entender o motivo.

“Ter aquela zebra pintada ou nada dá na mesma”, disse ao Motorsport.com em Santiago.

“É só uma referência visual. Eu sou a favor de ter uma zebra mesmo, aparafusada ali. Inclusive isso foi conversado, eles disseram que iam tentar mas por algum motivo não deu. Mas aquele lugar você ganha muito tempo e passa muito perto da parede – é o tipo da curva que quanto mais perto do muro você passar, melhor.”

“A zebra daria mais margem para a parede, a curva ficaria mais técnica. Não precisaria arriscar tanto. Por que existe zebra em curvas? Para impedir que os pilotos ganhem tempo cortando as curvas.”

No entanto, Lucas lamenta que seja inviável uma corrida no traçado em Santiago sem a chicane segundo as normas da FIA.

“É uma pena a chicane”, falou.

“É o único ponto da pista... foi feito dentro do possível, porém não acho necessária. Eu preferia a reta sem chicane, ter um pouco mãos de risco, com o carro chegando a 240 km/h ou 250 km/h.”

“Só que todas as pistas da FIA – circuitos autorizados por eles – precisam passar por uma simulação de qual categoria vai correr. Existem circuitos classe 3, classe 2 e classe 1.”

“Eles precisam passar por uma simulação de velocidade e de uma aprovação do conselho que define isso. Não é uma pessoa que decide, há um processo. Se não houvesse a chicane, a velocidade no fim da reta seria bem alta para os carros que temos aqui.”

“Foi uma decisão tomada nas premissas que a F-E tem para circuitos de rua. Porém, acho quem não teria problema não ter a chicane. Isso teria que ser conversado para ver se poderíamos ou não tirar a chicane.”

Viagem a convite da Audi

Próximo artigo
Massa: Maior parte dos problemas que tivemos já foi solucionada

Artigo anterior

Massa: Maior parte dos problemas que tivemos já foi solucionada

Próximo artigo

Mesmo com começo ruim, Vandoorne diz que se diverte em ambiente da F-E

Mesmo com começo ruim, Vandoorne diz que se diverte em ambiente da F-E
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Autor Gabriel Lima