F-E: Vandoorne comanda dobradinha da Mercedes em Berlim e fica com o vice-campeonato

compartilhar
comentários
F-E: Vandoorne comanda dobradinha da Mercedes em Berlim e fica com o vice-campeonato
Por:
, Repórter

Depois de seis corridas em Berlim, categoria entra em pausa até janeiro de 2021

A Fórmula E chegou para seu último dia em Berlim e a etapa final da temporada 2019-20 decidida para António Félix da Costa, mas com a disputa pelo vice em aberto. E com os problemas que os líderes tiveram na classificação, tudo ficou para os momentos finais da corrida. No final, a vitória e o vice-campeonato ficaram com Stoffel Vandoorne, que comandou uma dobradinha da Mercedes.

Na classificação, os seis pilotos que lideram a classificação acabaram se enrolando novamente na saída, abriram volta muito juntos e acabaram se prejudicando entre si, ocupando as últimas posições do grid.

Leia também:

Lá na frente, Stoffel Vandoorne colocou a Mercedes na pole position pela primeira vez na temporada de estreia da montadora alemã na categoria, tendo Buemi, Rast, de Vries e Frijns completando o Top 5. Já os brasileiros formaram um bloco próprio, com Sérgio Sette Câmara em nono, Lucas di Grassi em décimo e Felipe Massa em 11º.

Essa é a segunda corrida da última rodada dupla da F-E, usando uma versão estendida do traçado do aeroporto Tempelhof, com curvas a mais no segundo setor da pista.

Antes da prova, a classificação tinha o campeão Da Costa com 156 pontos, seguido de Rowland, 83, Vergne, 80, Evans e Lotterer com 71, Günther e Di Grassi com 69.

Da Costa recebeu os outros quatro campeões da Fórmula E, Lucas di Grassi, Nelsinho Piquet, Sébastien Buemi e Jean-Éric Vergne para uma foto oficial.

 

Antes do início da prova, a categoria fez um minuto de silêncio a todos afetados pela Covid-19 e uma homenagem a Helder Moreira, português que faleceu durante a montagem da estrutura do aeroporto Tempelhof. Da Costa pegou um colete com o nome de Helder e saiu pelo grid coletando assinatura de todos os pilotos.

Vandoorne conseguiu uma largada limpa e saiu tranquilamente na frente. Já Rast tentou ultrapassar Buemi, mas a trajetória deu a preferência ao suíço. Pouco depois, De Vries conseguiu tomar o terceiro lugar de Rast. Entre os brasileiros, Sette e Di Grassi chegaram a trocar de posições, mas o piloto mineiro logo retomou a nona posição.

 

Pressionado por Di Grassi, Sette Câmara acabou ultrapassando a Porsche de Neel Jani assumindo a oitava colocação. O campeão da temporada 2016-17 também conseguiu a posição em cima de Jani, mantendo a pressão em Sette. 

Com cinco minutos, Sette Câmara conseguiu fazer a melhor volta da prova naquele momento e começou a abrir um pouco para Di Grassi, partindo em busca da Mahindra de Alex Lynn.

De Vries foi o primeiro dos ponteiros a ativar o modo ataque com menos de dez minutos de prova. Isso permitiu que Rast recuperasse o terceiro lugar, mas o piloto da Mercedes logo retomou a posição. Pouco depois, foi a vez de Vandoorne ativar a potência extra.

O líder Vandoorne não conseguiu disparar com o modo ataque e viu o companheiro de Mercedes, De Vries se aproximar mesmo depois do fim da potência extra. Buemi acionou o modo ataque e por isso caiu para terceiro. Mas o piloto da Nissan quase não conseguiu capitalizar a vantagem, recuperando o segundo lugar apenas no final.

Enquanto isso, os líderes do campeonato continuavam atrás no grid. Vergne era o 15º com 15 minutos de prova. Da Costa era o 17º, Evans em 20º e Rowland em 21º. Nesse mesmo momento, Di Grassi finalmente conseguiu superar Sette Câmara, assumindo o oitavo lugar.

A dupla da Mercedes ativou o segundo modo ataque cedo, antes da metade da prova. Com isso, Buemi pulou rapidamente para a ponta, mas com dois carros bem mais rápidos em sua cola. O piloto da Nissan partiu para ativar seu segundo modo ataque mas não só perdeu lugar para as Mercedes como perdeu também para Rast, que estava com a potência extra. Buemi conseguiu retomar a segunda posição segundos antes de perder a vantagem.

Um pouco mais atrás, Di Grassi conseguiu capitalizar em cima das ativações do modo ataque de Lynn e Mortara, pulando para a sexta posição.  E o piloto da Audi conseguiu se manter na posição, sem ter ativado nenhum dos dois modo ataques. Sette Câmara perdeu a posição para Sam Bird, caindo para décimo e Massa ocupava a 12ª colocação.

Com Vandoorne em primeiro e Buemi em segundo, conquistando o ponto extra da volta mais rápida com 18 minutos para o fim da prova, o piloto da Nissan estaria conquistando o vice-campeonato, terminando um ponto a frente de Vandoorne. Com isso, a disputa de De Vries com o suíço ganhou uma importância ainda maior, porque poderia ser a diferença para garantir o vice a seu companheiro de Mercedes.

A 15 minutos do fim da prova, o trio Vandoorne - Buemi - De Vries seguia na ponta, com Rast, Frijns, Di Grassi, Lynn, Bird, Mortara e Günther completando o Top 10. Massa ocupava a 12ª posição e Sette Câmara, após uma queda de rendimento, passou a ser apenas o 17º.

A dez minutos do fim, Oliver Rowland abandonou a prova e deixou um pedaço de seu carro na pista. Mas a direção não acionou bandeira amarela ou safety car. Nesse momento, De Vries pressionava Buemi, enquanto Rast se aproximava da disputa. Já Vandoorne conseguia abrir uma vantagem mais confortável.

Com dois minutos para o fim, De Vries conseguiu passar Buemi, assumindo a segunda colocação e deixando o piloto da Nissan para ser pressionado por Rast.

No final, a vitória ficou com Stoffel Vandoorne que só não liderou de ponta a ponta por causa das ativações do modo ataque. Com isso, o belga conquistou não apenas a primeira vitória da Mercedes na Fórmula E como também garantiu o vice-campeonato. 

Em segundo, Nyck de Vries, terminando a temporada com uma dobradinha da Mercedes. Um ótimo final de temporada para a equipe alemã em seu ano de estreia na categoria. Completando o Top 5, Buemi, Rast e Bird. Di Grassi, Vergne, Lyn,, Da Costa e Mortara fecham o Top 10. Massa foi o 16º e Sette Câmara o 19º.

Com o fim, a Fórmula E entra em um momento de pausa. A sétima temporada está marcada para começar apenas em janeiro de 2021 com o eP de Santiago. Depois da prova no Chile, a categoria ainda terá outras 13 etapas, passando por dez países. Ainda há uma etapa a confirmar no início de junho.

Já o grid ainda está pouco definido. Apenas Jaguar e Virgin já divulgaram suas duplas. Enquanto a Jaguar manterá Mitch Evans, Sam Bird chega para substituir James Calado. Na Virgin, Robin Frijns fica e Nick Cassidy será o substituto de Bird. Além deles o bicampeão Jean-Éric Vergne já está fechado com a Techeetah.

Veja como ficou o calendário da próxima temporada da Fórmula E:

Data

País

Cidade

16 de janeiro

Chile

Santiago

13 de fevereiro

México

Cidade do México

26 de fevereiro

Arábia Saudita

Diriyah

27 de fevereiro

Arábia Saudita

Diriyah

13 de março

China

Sanya

10 de abril

Itália

Roma

24 de abril

França

Paris

08 de maio

Mônaco

Mônaco

23 de maio

Coréia do Sul

Seul

05 de junho

a confirmar

a confirmar

19 de junho

Alemanha

Berlim

10 de julho

Estados Unidos

Nova York

24 de julho

Inglaterra

Londres

25 de julho

Inglaterra

Londres

TELEMETRIA: Os bastidores quentes do GP da Espanha com participação de Rico Penteado

PODCAST: O que aconteceria em um duelo Hamilton X Verstappen em igualdade de condições?

 

Vandoorne coloca Mercedes na pole pela primeira vez na F-E; 9º, Sette Câmara é o melhor dos brasileiros

Artigo anterior

Vandoorne coloca Mercedes na pole pela primeira vez na F-E; 9º, Sette Câmara é o melhor dos brasileiros

Próximo artigo

F-E: Venturi anuncia saída de Massa da equipe; piloto tinha opção de renovação para 2021

F-E: Venturi anuncia saída de Massa da equipe; piloto tinha opção de renovação para 2021
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Autor Guilherme Longo