Fórmula E assume controle da venda de licença da Audi

Como detentora de uma franquia, a Audi tinha a opção de vender sua entrada, porém não fechou as negociações a tempo

Fórmula E assume controle da venda de licença da Audi

A Fórmula E Operations assumiu o controle da venda da licença da equipe da Audi após ter dado o prazo limite um em acordo com uma compra anterior. As partes interessadas já estavam em negociações com a fabricante, mas não conseguiram finalizar o contrato a tempo.

Durante os testes de pré-temporada em Valência, a Audi tornou pública sua decisão de abandonar o campeonato no final da atual temporada de 2021.

Leia também:

Como detentora de uma franquia, ela tinha a opção de vender sua entrada, porém não ganhará dinheiro uma vez que não fechou as negociações a tempo.

Várias partes se apresentaram, mas o contrato formal não pôde ser finalizado.

Uma declaração da Audi dizia: "Conforme planejado, esta temporada marcará o fim do envolvimento bem-sucedido com nossa equipe de fábrica Audi Sport ABT Schaeffler e a licença será revertida para a FEO (Fórmula E Operations) no final da temporada, conforme acordado nos regulamentos.”

"Houve conversas com várias partes interessadas, mas por vários motivos nenhum contrato pôde ser fechado."

O chefe da equipe, Allan McNish, disse ao Motorsport.com: "Existem alguns prazos naturais. Você tem prazos técnicos e alguns contratuais também.

“Tivemos muitas reuniões em dezembro, quando ficou claro que estávamos saindo.”

“Tentamos muito fazer com que a equipe existisse por mais tempo, mas infelizmente não foi possível alcançá-lo dentro do prazo.”

A fabricante alemã assumiu o controle total da entrada da ABT Schaeffler antes da campanha de 2017-18, tendo fornecido suporte técnico ao time durante as três primeiras temporadas.

Embora impossibilitada de emitir um comunicado, a ABT foi um dos compradores interessados.

Um porta-voz da Audi confirmou ao Motorsport.com que a ABT teria permissão para formar uma nova parceria na F-E com uma companhia não pertencente ao Grupo Volkswagen.

A Audi desenvolveu seu novo trem de força internamente para esta temporada pela primeira vez durante sua presença na categoria, uma mudança que levou dois anos para ser feita.

Ela continuará a fornecer essa potência ao time cliente Envision Virgin para o restante dos regulamentos da Gen2, que serão concluídos no final da próxima temporada de 2021-22.

Os pilotos da Audi, Rene Rast e Lucas di Grassi, são contratados pelo fabricante e não especificamente pela equipe, embora tenham diferentes programas de distribuição.

Di Grassi quer permanecer na F-E e disse em entrevista ao Motorsport.com que manteve algumas conversas com "duas ou três equipes".

"Sou livre para fazer o que eu quiser. Minha prioridade é permanecer em um ambiente competitivo, isso está claro”, disse o brasileiro.

“Já estou conversando com duas ou três equipes, elas têm muito interesse que eu trabalhe com a minha experiência e que eu continue com elas.”

"Agora preciso decidir qual é a melhor opção, como posso fazer isso, como me vejo no futuro."

"A oitava temporada começa em seis meses com testes, então preciso tomar uma decisão e seguir em frente."

Até o momento dessa publicação, a F-E não havia respondido o Motorsport.com.

CONHEÇA o homem INFLUENTE que esteve por trás da chegada da F1 na BAND

Podcast #090 – Corridas aos sábados e tetos: revolução imposta pela Liberty pode tirar DNA da F1?

 

 

compartilhar
comentários
Ataque com míssil durante etapa da F-E na Arábia Saudita preocupa F1; entenda

Artigo anterior

Ataque com míssil durante etapa da F-E na Arábia Saudita preocupa F1; entenda

Próximo artigo

Fórmula E busca manter ePrix em Roma apesar de lockdown na Itália

Fórmula E busca manter ePrix em Roma apesar de lockdown na Itália
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Autor Matt Kew