Fórmula E
22 nov
-
22 nov
Evento encerrado
R
ePrix de Santiago
17 jan
-
18 jan
Próximo evento em
32 dias
R
ePrix da Cidade do México
14 fev
-
15 fev
Próximo evento em
60 dias
R
ePrix de Marraquexe
27 fev
-
29 fev
Próximo evento em
73 dias
R
ePrix de Sanya
20 mar
-
21 mar
Próximo evento em
95 dias
R
ePrix de Roma
03 abr
-
04 abr
Próximo evento em
109 dias
R
ePrix de Paris
17 abr
-
18 abr
Próximo evento em
123 dias
R
ePrix de Seul
02 mai
-
03 mai
Próximo evento em
138 dias
R
ePrix de Jacarta
05 jun
-
06 jun
Próximo evento em
172 dias
R
ePrix de Berlim
20 jun
-
21 jun
Próximo evento em
187 dias
R
ePrix de Nova York
10 jul
-
11 jul
Próximo evento em
207 dias
R
ePrix de Londres
25 jul
-
25 jul
Próximo evento em
222 dias

Pilotos da Fórmula E pedem mudança "radical" no modo ataque

compartilhar
comentários
Pilotos da Fórmula E pedem mudança "radical" no modo ataque
Por:
19 de mar de 2019 16:06

Mitch Evans, da Jaguar, e José Maria López, da Dragon, acham que se perde muito tempo saindo do traçado para ativar o ganho de potência

Piloto neozelandês da Jaguar, Mitch Evans acredita que a Fórmula E deve mudar a forma como implanta o modo ataque nas corridas. Até agora, a F-E utilizou duas ativações com duração de quatro minutos cada, gerando potência extra de 25kW. "Seria bom fazer algo radical e ver se um período de oito minutos, ou dois de quatro minutos, enfim, funcionam".

As equipes são informadas sobre o local do modo ataque apenas uma hora antes das provas, a fim de evitar que simulem a forma mais rápida de usá-lo. Embora forneça outra camada de estratégia, as escuderias utilizam-no de maneira parecida. Além disso, a desvantagem de ter que sair do traçado para usar o recurso gerou resultados controversos.

A FIA e a F-E mantiveram a forma de utilização do modo ataque, mas Evans argumenta que ele poderia ser implementado de novas maneiras: "Acho que ainda estamos tentando encontrar esse equilíbrio de perda de tempo e posição. Ninguém sabe realmente se deve perder posições ou não perder tempo”.

Leia também:


A localização do ponto de ativação do recurso tem sido discutida antes de cada corrida nesta temporada. Até agora, somente a posição do ePrix da Arábia Saudita foi amplamente criticada. A escolha do posicionamento é restrita pelo fato de os circuitos serem de rua. Assim, é preciso sair muito do traçado para ganhar o aumento de potência.

José Maria López, da Dragon, concorda com a necessidade de mudanças: “Acho que a posição do modo de ataque não foi muito boa em Hong Kong. Você tinha que sair muito do traçado e arriscar perder posições, assim como no México. Estamos aprendendo, vamos ver nas próximas corridas”.

“Tivemos um pouco de sorte no início da temporada, em que as corridas foram muito agradáveis, mas acho que será mais parecido com Hong Kong em alguns lugares. Vamos ver o que acontece, cada pista é diferente e é a primeira temporada com o modo ataque. Tem sido boa em alguns lugares e não tão boa em outros", disse o argentino.

Jose Maria Lopez, Dragon Racing, Penske EV-3

Jose Maria Lopez, Dragon Racing, Penske EV-3

Photo by: Steven Tee / LAT Images

Próximo artigo
GALERIA: Após 50º ePrix, relembre momentos brasileiros na F-E

Artigo anterior

GALERIA: Após 50º ePrix, relembre momentos brasileiros na F-E

Próximo artigo

Confira os horários da Fórmula E na China

Confira os horários da Fórmula E na China
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula E
Pilotos Jose Maria Lopez , Mitch Evans
Autor Tom Errington