Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

CEO da Indy fala sobre futuro da categoria nas pistas, nos eSports e de responsabilidade social

compartilhar
comentários
CEO da Indy fala sobre futuro da categoria nas pistas, nos eSports e de responsabilidade social
Por:

Na última entrevista da série #ThinkingForward, o CEO da Indy, Mark Miles, falou sobre esforço para colocar novo fabricante e como o esporte moldará seu futuro digital além da TV

A IndyCar foi notícia recentemente com uma emocionante nova corrida de rua para 2021 anunciada em Nashville. Sob a propriedade da lenda do automobilismo americano Roger Penske, tanto a categoria quanto o icônico Indianapolis Motor Speedway têm as bases para um futuro forte. Então, como será esse futuro e quais são as ameaças, além da atual pandemia?

Na última de nossas entrevistas da série #ThinkingForward, o CEO da Indy, Mark Miles, falou sobre o esforço para colocar um terceiro fabricante na categoria e como o esporte moldará seu futuro digital além da televisão linear, entre outros tópicos.

Leia também:

Mark Miles

Mark Miles

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

Mark, para começar, você pode resumir o apelo de hoje da IndyCar para o público?

As corridas da Indy são rápidas. Amamos a diversidade; corremos em ovais e superspeedways, bem como em ovais curtos, em circuitos de rua permanentes e temporários. E eu acho que a diversidade é realmente interessante e um grande atrativo para nossos fãs. Somos muito competitivos; literalmente, um piloto pode começar no final do grid e vencer a corrida e isso acontece. Qualquer piloto pode competir no campeonato e se candidatar ao título. Pequenas equipes podem competir contra as grandes. Durante uma corrida é roda a roda, há ultrapassagens e eu só acho que nem sempre é algo que podemos esperar hoje nas corridas e, portanto, são grandes atributos das corridas da Indy. A outra coisa são nossos pilotos. Temos o mesmo tipo de mistura de jovens pilotos realmente notáveis ​​e veteranos estabelecidos e cerca de metade dos pilotos são de fora dos Estados Unidos. Acho que temos algo para todos que têm interesse no automobilismo.

Josef Newgarden, Team Penske Chevrolet, Patricio O'Ward, Arrow McLaren SP Chevrolet

Josef Newgarden, Team Penske Chevrolet, Patricio O'Ward, Arrow McLaren SP Chevrolet

Photo by: Barry Cantrell / Motorsport Images

Essa série de entrevistas é chamada de #ThinkingForward. E quando pensamos no futuro sobre a Indy, estamos nos estágios iniciais da propriedade da Penske, está envolvida há muito tempo na cena do automobilismo americano. Eu me pergunto, qual é a visão para moldar o esporte para o futuro?

Por enquanto, ainda estamos muito focados, francamente, na América do Norte. Tivemos oportunidades de considerar competir no exterior. Por enquanto, a resposta a essas perguntas é ‘Não, vamos nos concentrar nos EUA '. Então, vamos realizar tudo o que podemos no mercado dos EUA. Com todo o respeito à Fórmula 1, acho que nos Estados Unidos a Indy é a série de monopostos dominante e o que mais podemos fazer com isso? Isso significa que, a curto prazo, não estamos olhando para ver quantas corridas podemos ter. Acredito que o anúncio de Nashville prenuncia grandes coisas para a série no próximo ano. A diversidade é importante para nós. Queremos dar as boas-vindas e estender o convite para fazer parte da série a pessoas de todas as origens e não apenas como fãs, mas também em termos de nossas práticas de contratação, nossas próprias compras e, em última instância, a composição de equipes e pilotos. Haverá algum progresso e algumas evidências tangíveis disso, espero que no próximo ano. O carro vai evoluir. Também examinaremos a possibilidade de pelo menos um terceiro fabricante. É um desafio. Mas é algo em que Roger Penske talvez seja o único no mundo capaz de ter sucesso.

Mark Miles

Mark Miles

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

Temos ouvido os líderes desta categoria sobre a participação dos fabricantes no automobilismo de alto nível no futuro. Esta pandemia tem sido extremamente difícil para os fabricantes. Está muito clara qual é a razão para os fabricantes se envolverem no automobilismo, tanto do ponto de vista do desenvolvimento tecnológico quanto do marketing. Mas você vê esse raciocínio mudando de alguma forma e está preocupado com o nível de investimento dos fabricantes daqui para frente em função da crise?

Sim, obviamente é difícil imaginar um momento mais difícil para ter essa conversa. Felizmente, estamos trabalhando nisso há algum tempo. Portanto, há vários fabricantes que conhecem nossa história e têm sido capazes de acompanhar nosso progresso. Não acho que a premissa básica vá mudar. Acho que é o que você disse que é uma oportunidade de desenvolvimento. E, principalmente no mercado americano, é uma oportunidade de marketing. E, finalmente, acho que a proposta de valor da IndyCar é incrível. Portanto, se você olhar para os custos, estar na Fórmula 1 ou até mesmo na NASCAR, da minha perspectiva, quantos olhares você recebe pelo custo de ser um fabricante. Acho que é uma .

Zach Veach, Andretti Autosport Honda

Zach Veach, Andretti Autosport Honda

Photo by: Barry Cantrell / Motorsport Images

A influência digital foi muito importante para a Fórmula 1 e seu crescimento. Desde que a Liberty Media assumiu, e particularmente para encontrar novos públicos, ela realmente tem um ponto de dados de que 52% dos novos fãs desde que a Liberty assumiu têm menos de 35 anos. Eu me pergunto como a IndyCar está definindo sua estratégia quando se trata de encontrar públicos novos e mais jovens?

Bem, devo dizer que acho que a Liberty Media e a Fórmula 1 fizeram um ótimo trabalho nesse sentido. Eles investiram e estão mostrando que pode funcionar e estão tendo sucesso. Não sei se vamos inventar um novo modelo. Seguiremos esse caminho em geral. Estamos em dívida com a mídia linear neste país durante a maior parte de nossa exposição de corrida ao vivo. Acho que nos próximos dois anos toda a arquitetura mudará. E, particularmente com tantos assinantes deixando o cabo, o streaming vai assumir uma importância muito maior. Você sabe, em nosso mercado primário a cobertura linear dos EUA irá - por não sei por quanto tempo - entregar as maiores audiências, mas o streaming terá um papel cada vez mais importante e internacionalmente, como você deve saber, acreditamos que isso será verdade até certo ponto em vários de nossos principais mercados. Mas, para grande parte do mundo, o streaming é realmente nossa melhor oportunidade e acho que você nos verá fazendo muito mais a esse respeito.

Jay Frye and Mark Miles

Jay Frye and Mark Miles

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

O automobilismo recomeçou nos Estados Unidos mais cedo do que em outras partes do mundo após o confinamento, a NASCAR primeiro e depois IndyCar. Quais são as perspectivas para o resto de 2020?

Temos mais três corridas, duas delas em Indianápolis. Para a nossa rodada dupla aqui em Indianápolis haverá fãs, eles não se aproximarão da capacidade deste local, mas, mesmo assim, será mais do que provavelmente tivemos nos esportes da cidade até o momento. E então a final será em St. Petersburg, na Flórida, e ainda não sabemos até que ponto os fãs poderão participar. Psicologicamente, é um tipo de processo e ambiente estranho e desagradável. Mas para os pilotos é corrida e eles se mantêm seguros. Claro, preferimos ter fãs. Um dos grandes atributos da Indy é o quão acessíveis somos. Quando temos fãs, eles estão ali mesmo na garagem e área do paddock e nossos pilotos ficam muito felizes em dar autógrafos e ser bastante próximos deles. Então, realmente sentimos falta disso.

Takuma Sato, Rahal Letterman Lanigan Racing Honda leads the field to the green flag

Takuma Sato, Rahal Letterman Lanigan Racing Honda leads the field to the green flag

Photo by: Barry Cantrell / Motorsport Images

Falando em acessibilidade, obviamente o eSports fez sucesso nesse período. O que você acha dos esportes eletrônicos neste ano e no futuro?

Bem, isso criou a oportunidade de lançar eSports. Tivemos seis eventos e cinco na televisão nos Estados Unidos e eles se saíram muito bem em termos de público. Acho que há um futuro com certeza. Espero que cresça. Francamente, é um investimento para o esporte, que gostaríamos de fazer, mas onde está na hierarquia do nosso crescimento ainda está para ser visto. Gostaríamos de chegar ao ponto em que existe um título IndyCar, um grande game, um game atraente. E então podemos realmente ver qual é a compreensão. Mas a primeira coisa é o título. Esse é um obstáculo significativo por si só. Nossos rapazes realmente gostam de estar lá. Eles gostam de competir com o público. E então eu acho que há uma oportunidade com certeza.

Rinus VeeKay, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Rinus VeeKay, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Photo by: Phillip Abbott / Motorsport Images

Você tem este novo evento emocionante em Nashville. E você estava dizendo que uma das principais atrações da Indy é a variedade entre as pistas. Como você determina esse equilíbrio?

Não temos cota. Mas achamos que o equilíbrio é importante para nós, não é preciso, mas já foi mais ou menos um terço, um terço, um terço. Os ovais nunca estão no meio de uma cidade. Indianápolis é talvez a exceção. Eles são mais difíceis em alguns aspectos. Os fãs da Indy amam as corridas em ovais, é a mais rápida e a que atrai fãs para ir a talvez 30 ou 60 minutos de uma cidade para outra. É cada vez mais um desafio, porque há muita competição em esportes e entretenimento. Portanto, temos que trabalhar muito nisso. Pistas de rua adoro porque, para mim, como no caso de Nashville, quando colocamos bem no meio da cidade, como fazemos em St. Petersburg, Long Beach, em Detroit e Toronto, isso toma conta da cidade, para aquele evento, cativa toda a comunidade. Não pode faltar. Essa é a natureza das corridas de rua, mas elas são difíceis de fazer, você tem que encontrar a combinação certa de elementos que aceitará alguma interrupção e realmente a abraçará. Mas nós amamos. E então os percursos mistos são mais fáceis; alguém já fez o investimento. E sabemos onde estão essas pistas. E é realmente uma questão de abraçá-los de uma forma que se equilibre com os outros dois formatos.

Santino Ferrucci, Dale Coyne Racing with Vasser Sullivan Honda, Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, start, crash

Santino Ferrucci, Dale Coyne Racing with Vasser Sullivan Honda, Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, start, crash

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

Outra coisa que vimos este ano foi a ideia de que o esporte em geral precisa ter um propósito, apenas ser um entretenimento não é realmente suficiente. E, obviamente, em todo o espectro da Fórmula 1, ao futebol e à NFL, vimos todos os tipos de mensagens de justiça social e também tópicos como sustentabilidade e diversidade. Qual é a sua opinião sobre isso e o esporte como plataforma para boas causas?

Eu sinto que a primeira coisa é fazer coisas que são mais do que simbólicas e que são mais do que declarações. Portanto, estamos comprometidos em trazer diversidade para o nosso esporte. E acho que temos muito trabalho a fazer para chegar perto de onde deveríamos estar nesse aspecto. É trabalhar com as equipes e nossos promotores para que afetemos nosso ecossistema dessa forma. E nossas categorias de acesso são uma parte importante disso. Nosso pipeline não parece bom agora nesse sentido, mas estamos fazendo algumas coisas para ver quais são as possibilidades de fazer a diferença o mais rápido possível. Sentimos responsabilidade. E o esporte, como plataforma visível, tem uma grande oportunidade de manter as questões na frente do público. Mas, além disso, do jeito que acho que temos de colocar nossa própria casa em ordem e ser mais um modelo do que um símbolo. E espero que possamos fazer um progresso real de forma consistente ao longo do tempo.

Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda

Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda

Photo by: Michael L. Levitt / Motorsport Images

E, por fim, você acha que o ar puro de que todos desfrutaram durante a pandemia e a forma como todos estão mais conscientes de sua vulnerabilidade tornará o tema da sustentabilidade e a mudança para a descarbonização e a eletricidade mais potentes agora?

Bem, o ar não é tão limpo aqui, estamos recebendo ar de incêndio florestal da Califórnia. E é realmente agora de costa a costa. Portanto, não é apenas um desastre natural, mas também uma evidência do aquecimento global, assim como furacões na parte sul do país. Acho que isso aumenta o senso de urgência de fazer todas as coisas que podemos fazer sobre o aquecimento global em nosso meio ambiente. Dizendo isso, agora nosso lema é ‘mais rápido e mais alto’. Isso é o que nossa marca é agora. Não esquecemos as questões de sustentabilidade. Há muitas maneiras de atacarmos com nossos promotores e a forma como operamos nossos eventos. Outras ligas fizeram um trabalho muito bom. No caminho, você viu alguma discussão sobre tipos de motores híbridos. Isso não é para substituir o motor básico, mas sim para complementar. E eu acho que é uma conversa contínua na qual você verá alguma implementação nos próximos anos. E veremos para onde vai a partir daí. Mas devo dizer agora, nossos fabricantes, Chevy e Honda, eles querem cavalos de força. Eles acham que somos uma grande plataforma para essa parte do mercado. E continuaremos atendendo a essa expectativa.

Téo José revela papo com Silvio Santos que causou redução da cobertura da Indy

PODCAST: Qual é o limite de Max Verstappen na Red Bull?

 

Indy: Castroneves substitui Oliver Askew em misto de Indianápolis

Artigo anterior

Indy: Castroneves substitui Oliver Askew em misto de Indianápolis

Próximo artigo

NASCAR anuncia calendário de 2021 com seis circuitos mistos e prova na terra após 50 anos

NASCAR anuncia calendário de 2021 com seis circuitos mistos e prova na terra após 50 anos
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria IndyCar
Autor James Allen