DragonSpeed negocia entrada na Indy em 2019

A equipe privada do WEC DragonSpeed está em negociações com a IndyCar planejando entrar com um carro na temporada de 2019 da Indy

DragonSpeed negocia entrada na Indy em 2019
Will Power, Team Penske Chevrolet, Josef Newgarden, Team Penske Chevrolet, Simon Pagenaud, Team Penske Chevrolet, Ryan Hunter-Reay, Andretti Autosport Honda lead at the start
#10 Dragonspeed BR Engineering BR1: Ben Hanley
#10 Dragonspeed BR Engineering BR1: Henrik Hedman, Ben Hanley, Renger Van der Zande
#10 Dragonspeed BR Engineering BR1: Henrik Hedman, Ben Hanley, Renger Van der Zande pit gantry
#31 Dragonspeed Oreca 07: Roberto Gonzalez, Pastor Maldonado, Nathanael Berthon

A DragonSpeed pretende colocar Ben Hanley na IndyCar, já tendo começado a trabalhar no potencial programa no mês passado e, continuando a tendência crescente de equipes menores se afiliando a uma equipe maior, a DragonSpeed está analisando um arranjo similar. A equipe está planejando um programa de meio período, incluindo as 500 milhas de Indianápolis do próximo ano.

O chefe da equipe, Elton Julian, disse que a viabilidade do programa foi ajudada pelo calendário de inverno revisado do WEC após sua "supertemporada", e que ele pretende formar o staff de um carro na IndyCar com o pessoal da equipe já existente.

"Estamos focados em corridas de GT e corridas de protótipos, tendo algum sucesso lá", disse ao Motorsport.com. "Mas estamos ficando sem lugares na escada de corridas, então para onde vamos agora? A Fórmula 1 obviamente não é uma opção realista, mas a IndyCar é. Os orçamentos que estamos gastando agora, a performance e as pessoas na engenharia e equipe já são caras com experiência.”

“[IndyCar é] um ajuste natural e, da forma como estamos indo com a temporada de inverno do WEC após a supertemporada, significa que podemos fazer as duas coisas. Todo esse tipo de coisa trouxe o momento junto, onde precisávamos olhar.”

Leia também:

"A IndyCar está em condições de capitalizar em suas últimas decisões com o visual [do novo carro] e as corridas na pista e o novo pacote de transmissão. Isso é muito importante nos EUA quando vou a agências de publicidade, essa estabilidade é realmente acreditada.”

A DragonSpeed acredita que um programa na IndyCar terá custos similares aos da categoria LMP2 do WEC, que é financiada por pilotos pagantes em vez de patrocínio. Julian acrescenta que garantir um contrato de motor será o fator-chave que determinará a da equipe entrada na IndyCar, e essa afiliação poderá ajudar ainda mais no programa.

"Essa é a maior coisa [um fornecimento de motores], todo mundo sabe disso", disse. "[Com] certas coisas do lado do desempenho da IndyCar, você pode economizar dinheiro e cortar em alguns cantos, filiando-se a uma equipe e aprendendo com eles. Então, você pode gastar um pouco mais de antecedência, mas economiza mais no longo prazo por não perseguir o rabo tentando aprender.”

“Meu objetivo e intenção é promover nossas capacidades em equipe, buscando resultados e criando um cenário de longo prazo na IndyCar. Estamos definitivamente considerando [a afiliação] por essas duas razões mencionadas, e mais ainda pelo desempenho.”

A DragonSpeed não avaliará o mercado de pilotos com Hanley fortemente considerado na equipe.

"Ele agora é apenas mais uma ferramenta no sorteio", disse Julian. "Não há diferença entre o engenheiro-chefe, chefe de mecânica, mecânico número um, estrategista ou Ben. Eles são tudo o que nos faz fortes e ele faz parte da família."

compartilhar
comentários
Radar verde-amarelo: Piquet leva 1ª vitória do Brasil na GP3
Artigo anterior

Radar verde-amarelo: Piquet leva 1ª vitória do Brasil na GP3

Próximo artigo

Newgarden toma pole de Dixon no fim em Toronto; Leist é 12º

Newgarden toma pole de Dixon no fim em Toronto; Leist é 12º
Carregar comentários