Análise F1: Como a FIA saiu de sete propostas para aceitar apenas a Andretti

Entidade levou oito meses para decidir quem seguiria para a etapa final de negociar um acordo comercial com a FOM para entrar, definitivamente, no grid

Michael Andretti, Andretti Autosport

O anúncio da FIA, nesta semana, de que a Andretti Formula Racing foi selecionada para integrar o grid da Fórmula 1, marcou o fim de um processo exaustivo de oito meses. E, embora ainda existam grandes desafios pela frente, pois a Andretti precisa fechar um acordo comercial com a FOM para poder correr, é o mais próximo que a F1 já teve de uma nova equipe por algum tempo.

Leia também:

Como o site irmão do Motorsport.com, o Motorsport-Total.com, revelou durante o fim de semana do GP do Japão, a Andretti era a última equipe em pé depois que apenas quatro candidatos passaram para a segunda etapa do processo de avaliação.

Três propostas - Hitech, LKYSUNZ e Rodin Carlin - foram devidamente informadas de que não eram boas o suficiente para serem levadas adiante. No entanto, o processo iniciado no início de fevereiro pela FIA para convidar as expressões de interesse dos candidatos, na verdade, recebeu respostas de sete equipes.

Além das quatro que passaram para a segunda fase, sabe-se que havia três outras - uma do empresário de Hong Kong Calvin Lo, a ideia de Fórmula Equal do ex-coproprietário da BAR Craig Pollock e o projeto sul-coreano Panthera.

Para essa primeira rodada de procedimentos, os sete projetos tiveram que apresentar o que foi chamado de "manifestação preliminar de interesse". Isso exigia uma taxa de inscrição no valor de 20.000 dólares, que foi paga por eles.

Nessa primeira rodada, os candidatos tiveram que apresentar, entre outras coisas, "a identidade de todos os acionistas e o proprietário beneficiário final de todas as ações" e o "curriculum vitae de cada diretor e executivo da entidade candidata". A FIA analisou os documentos enviados e retornou a todos os sete candidatos uma resposta formal solicitando mais informações na forma de um questionário detalhado.

Aqueles que quiseram permanecer no processo tiveram que transferir outros US$ 280.000 naquele momento. Foi então que Calvin Lo, Craig Pollock e Panthera se retiraram do processo.

Craig Pollock, PURE Engines on the grid

Craig Pollock, PURE Engines no grid

Foto de: Sutton Images

Restaram quatro concorrentes sérios que estavam dispostos a pagar o valor total de US$ 300.000 para a FIA. Na entidade, foi nesse momento que os esforços para analisar os projetos em detalhes tiveram que ser intensificados, pois exigiam uma análise profunda de documentos extensos. Não se tratava de dar uma olhada nos documentos e o presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, escolher os que mais lhe agradavam.

Em vez disso, as solicitações tiveram que ser examinadas de perto com base nos critérios definidos no procedimento de solicitação e o conteúdo das solicitações teve que ser verificado quanto à plausibilidade e veracidade.

Ao decidir que os pedidos da Hitech, da Carlin Rodin e da LKYSUNZ não seriam levados adiante, a FIA notificou devidamente as três partes sobre os motivos, embora eles não tenham sido divulgados publicamente.

Mas o que é certo é que a FIA não considerou as rejeições levianamente. Se até mesmo um dos motivos para a rejeição não fosse irrefutável, o candidato rejeitado poderia, em teoria, ter motivos para levar o órgão regulador ao tribunal e recorrer à justiça para garantir seu lugar no grid.

Fontes sugerem que a Hitech foi a que mais se aproximou da Andretti para avançar para a fase final. A equipe britânica tem um histórico de sucesso em monopostos e um plano de financiamento razoável.

No entanto, Vladimir Kim, um bilionário do Cazaquistão, estava por trás do financiamento, e pode ter havido algumas incertezas sobre o financiamento de longo prazo que acabaram sendo um fator importante. Mas isso é apenas especulação, pois não houve nenhuma palavra da FIA nem da própria equipe.

Outros candidatos também se mostraram fortes em diferentes áreas. Acredita-se que a LKYSUNZ tenha sido muito convincente quanto ao elemento diversidade. Seus planos de ter funcionários de um amplo espectro, além de sua sustentabilidade ecológica, estavam entre os critérios de avaliação mais importantes no procedimento de admissão da FIA que os incluiu como elementos pela primeira vez.

No entanto, o que o CEO da LKYSUNZ, Benjamin Durand, não conseguiu vender de forma convincente foi seu conceito de poder participar competitivamente da F1 em termos esportivos. Durand queria procurar um parceiro técnico que não apenas fornecesse as unidades de potência, mas também outros componentes, comparável à parceria entre a Haas e a Ferrari.

Start action

Ação de largada

Foto de: Alfa Romeo

A longo prazo, uma sede seria montada perto de Kuala Lumpur, com engenheiros asiáticos e africanos para os quais não há carreira na Fórmula 1 atualmente.

A LKYSUNZ também revelou um novo investidor da Flórida, o grupo de investimentos esportivos Legends Advocates, com sede na Flórida, que deu a Durand o compromisso de fornecer até US$ 1 bilhão em capital, caso o projeto ganhasse um lugar no grid.

O projeto também teve um impulso interessante quando, por meio de um comunicado à imprensa, ofereceu-se para pagar voluntariamente US$ 600 milhões em taxas anti-diluição às equipes existentes, em vez dos atuais US$ 200 milhões.

Essa foi uma medida que provavelmente foi bem recebida pelas equipes existentes, mas que não foi bem aceita pela FIA. Diz-se que a administração de Sulayem ficou ofendida com a impressão de que estava possivelmente cedendo as vagas para quem fizesse a melhor oferta. A LKYSUNZ pediu desculpas pela impressão em outro comunicado à imprensa, mas aí já era tarde demais. A FIA havia rejeitado o pedido muito antes e não havia possibilidade de reavaliá-lo.

Rodin Carlin foi o projeto que teve a maior tarefa de convencer a FIA sobre suas esperanças realistas de competir fortemente na F1. A Rodin é uma construtora de carros de corrida da Nova Zelândia, e a equipe planejava ter sua fábrica lá.

Esse é um enorme desafio logístico e financeiro, mesmo que seja apenas por causa das conexões aéreas, que teriam sido quase impossíveis de superar.

Enquanto isso, como foi confirmado posteriormente, a Rodin Carlin se comprometeu a colocar uma mulher em um de seus dois cockpits como parte de seu conceito de diversidade. Jamie Chadwick, tricampeão da W Series, chegou a fazer um teste em um monoposto da Rodin e foi mencionada como sua candidata preferida para ter uma chance na F1.

Carlin logo

Logotipo da Carlin

Foto de: GP2 Media Service

No final, a Andretti foi a única equipe que permaneceu de pé - e ela se destacou em todos os aspectos. Enquanto alguns candidatos não puderam apresentar um acordo técnico com uma equipe parceira, a Andretti tinha o compromisso oficial de um novo fabricante: Cadillac e General Motors (GM), respectivamente.

No entanto, é interessante que no comunicado de imprensa da FIA sobre a Andretti, a GM não é mencionada nenhuma vez. As razões para isso não são claras, mas um fator pode ser as atuais negociações salariais da empresa com o sindicato UAW (United Auto Workers).

O UAW está atualmente negociando aumentos salariais para os próximos quatro anos com as montadoras GM, Ford e Stellantis. O sindicato havia exigido mais de 40%, mas a GM está oferecendo atualmente 20% como compromisso. Essa é uma oferta emergencial, pois o UAW já havia ameaçado entrar em greve.

Nesse contexto, provavelmente não seria bem visto pelo público se a GM anunciasse sua entrada no negócio de bilhões de dólares da Fórmula 1 com um grande rufar de tambores. No entanto, embora a GM não estivesse presente na declaração da FIA, os logotipos da empresa ainda eram uma parte importante do comunicado de imprensa oficial da Andretti em resposta ao sucesso de sua candidatura.

Mas, apesar de a FIA ter dado à Andretti o sinal verde para competir, está longe de ser certo que a equipe chegará ao grid da F1. Por enquanto, a parte mais difícil do processo está por vir, pois antes que a Andretti possa realmente participar das corridas, é essencial um acordo com a FOM, detentora dos direitos comerciais da categoria.

Os relatos da mídia de que a Andretti poderia teoricamente competir sem esse acordo em vigor, sem receber nenhuma compensação em dinheiro no processo, estão longe de ser verdade. Uma exigência explícita do Pacto de Concórdia, que supervisiona o funcionamento do esporte, é que todas as equipes tenham um acordo comercial com a FOM.

O importante é que a FOM e seus proprietários, a Liberty Media, estão conduzindo as negociações com a Andretti sozinhos e devem, em última instância, decidir sobre a oferta unilateralmente. As 10 equipes existentes podem muito bem ter uma opinião sobre uma possível entrada, e essa opinião certamente será ouvida, mas as equipes não têm voz formal na decisão final.

O assunto das discussões entre as equipes e a Liberty certamente será em torno da "taxa anti-diluição", que visa compensar as perdas em prêmios em dinheiro para qualquer nova adição ao grid.

Michael Andretti, Team owner Andretti Autosport, Zak Brown, CEO McLaren Motorsport

Michael Andretti, proprietário da equipe Andretti Autosport, Zak Brown, CEO da McLaren Motorsport

Foto de: Andreas Beil

Com o pote de renda comercial tendo que ser potencialmente compartilhado de 11 maneiras em vez de 10, fica claro que cada competidor no grid tem um interesse financeiro no que está acontecendo.

Uma taxa anti-diluição de 200 milhões de dólares foi estabelecida desde 2021, mas agora acredita-se que esse valor foi muito baixo, considerando a expansão da renda da F1 nos últimos anos. Um valor em torno de 600 a 700 milhões foi sugerido como mais adequado à situação atual.

O fato é que um acordo com a FOM não é uma conclusão precipitada. E tampouco uma participação em 2025, como, em teoria, a FIA aprovou.

Em primeiro lugar, não há quase nenhum tempo restante até 2025, mesmo que um acordo com a FOM seja concluído nos próximos dias. As equipes existentes, com suas infraestruturas já instaladas, já estão trabalhando arduamente em seus projetos para 2025 - portanto, a Andretti estaria muito atrasada.

Há outro elemento em jogo aqui também. Como 2025 é o último ano do atual Pacto de Concórdia e do período de regras, isso significa que um novo Acordo precisa ser negociado para 2026, quando novas regras também serão implementadas. Não faz muito sentido para a Andretti apostar tudo em uma temporada e depois tudo ser rasgado e recomeçado no ano seguinte.

O resultado muito mais provável é que a Andretti tenha como meta 2026. Mas, nesse caso, muito dependerá de como a FOM e a equipe definirão as cláusulas do novo Pacto que tratam das novas equipes a partir dessa temporada, e isso é algo que está inteiramente nas mãos deles.

Reportagem adicional de Jonathan Noble

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #250 – Andretti é aprovada pela FIA para F1. E agora?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: O 'problema' entre Red Bull e Honda para os próximos anos
Próximo artigo F1: AlphaTauri nega que fará 'clone' do RB19 em 2024

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil