Análise F1: Hamilton realmente tinha ritmo para vencer GP da Espanha?

Velocidade mostrada por heptacampeão em Barcelona mostra cenário diferente de corridas anteriores

Análise F1: Hamilton realmente tinha ritmo para vencer GP da Espanha?
Carregar reprodutor de áudio

A recuperação de Lewis Hamilton durante o GP da Espanha de Fórmula 1, terminando na quinta colocação deixou a Mercedes extremamente encorajada. Mas ele tinha o ritmo para vencer a corrida caso não acontecesse o contato com Kevin Magnussen na primeira volta?

Em uma temporada em que um top 5 seria algo para ficar feliz, mesmo com sorte, chegar lá depois de estar em 19º disse muito sobre o progresso feito com o W13.

Leia também:

Como disse o chefe da equipe, Toto Wolff, na noite de domingo: “Com Lewis, provavelmente tivemos o carro mais rápido hoje. Ele ficou 50 segundos atrás no final. E em etapas da corrida ele era o mais rápido. Isso mostra o potencial que o carro tem.”

O tom de Wolff é otimista o suficiente para levar alguns pensamentos sobre o que teria sido possível se Hamilton não tivesse tido problemas na curva 4 na primeira volta quando colidiu com Kevin Magnussen.

Por ter terminado a corrida com aproximadamente 50 segundos de diferença que ele tinha no final da primeira volta, existe algum argumento para sugerir que Hamilton poderia ter vencido?

Vamos mergulhar nos dados.

O problema de Hamilton com Magnussen e o furo de pneu subsequente significaram que ele perdeu o contato com o pelotão principal no final da primeira volta, uma vez que estava nos boxes.

Ele retomou em 19º lugar, cerca de 38,6 segundos atrás de Nicholas Latifi à frente dele e 53,908 segundos atrás do então líder Charles Leclerc no final da segunda volta.

Tendo largado com pneus médios e usando o composto macio usado (com Leclerc sendo o único líder com um conjunto novo), Hamilton não causou muita impressão no início. Na verdade, claramente com o objetivo de ir o máximo que pudesse no set, ele se afastou da frente em vez de se aproximar.

Ele estava a mais de um minuto no final da oitava volta e, quando chegou para sua segunda parada no final da volta 22, estava 1min 07s atrás de Leclerc.

Lewis Hamilton passes Carlos Sainz on lap 60

Lewis Hamilton passes Carlos Sainz on lap 60

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Após a mudança para os médios, a diferença de Hamilton para Leclerc se estabilizou em 1m16s antes que a falha na unidade de potência de seu rival da Ferrari mudasse o jogo na frente do pelotão.

Quando o companheiro de equipe da Mercedes, George Russell, assumiu a liderança na volta 27, Hamilton estava 1m02s atrás, e foi nessa fase que – enquanto os líderes brigavam – ele conseguiu reduzir seu déficit.

Estando com pneus médios mais frescos - ele parou nove voltas depois de Russell e Verstappen e cinco depois de Pérez - a diferença para o trio na frente diminuiu em mais de um segundo por volta às vezes.

Na volta 29 estava de volta em menos de um minuto e nos giros seguintes Hamilton foi rápido. Quando Pérez ficou à frente de Russell na volta 31, Hamilton estava 56,2 segundos atrás. Nas voltas seguintes fez a sequência: 54.3, 52.8, 51.4, 50.5, 49.0.

Como a liderança da corrida mudou devido aos pitstops, Hamilton manteve um progresso sólido, então quando ele parou pela terceira vez na volta 48, ele estava apenas 31.2 segundos atrás.

Ele mudou para macios, um pouco antes de Pérez e Russell, e completou sua primeira volta fora dos boxes 51.6 segundos atrás do líder da corrida Verstappen, que estava com médios.

Hamilton fez bom uso de sua borracha a partir de então para reduzir drasticamente a diferença. Suas voltas seguintes viram sua diferença cair assim: 50.2, 47.8, 46.8, 45.4, 43.8, 42.0, 40.8 – antes de ele estar próximo a Carlos Sainz e lutar pelo quarto lugar.

Ele logo passou por Sainz na volta 60 e começou a seguir em frente – reduzindo a diferença para Verstappen para 39.331 segundos no final da volta 62.

Mas, com os alarmes soando no pitwall da Mercedes sobre as temperaturas do motor como resultado de um vazamento de água, Hamilton teve que diminuir para garantir que ele chegasse.

Com uma queda de cerca de dois segundos por volta, a vantagem do líder aumentou para 54.534 segundos na bandeira quadriculada – apenas meio segundo a mais do que no final da segunda volta.

Os números – especialmente Hamilton ficando a 31 segundos de Verstappen naquele stint final – apontam para ele ter estado no meio da briga com a Red Bull se as coisas tivessem acontecido sem o drama na primeira volta.

Hamilton's pace was helped by being forced off sequence, which saw him run in clear air and look after his tyres. A much longer early stint on the softs allowed him to claw back time to the leaders on his medium stint.

Hamilton's pace was helped by being forced off sequence, which saw him run in clear air and look after his tyres. A much longer early stint on the softs allowed him to claw back time to the leaders on his medium stint.

Photo by: Pirelli

Mas o que é sempre difícil de estimar é como o ritmo teria sido diferente se Hamilton estivesse correndo em um grupo em vez de fazer suas próprias coisas sozinho, quando ele não está se preocupando com os rivais passando por ele e ele pode se concentrar apenas em prolongar a vida útil dos pneus.

Ele definitivamente estaria na frente – antes que o eventual vazamento de água acabasse com qualquer esperança de uma vitória contra Verstappen.

Também haveria decisões a serem tomadas no pitwall da Mercedes sobre potencialmente tirar Russell da frente por razões de estratégia; e poderia ter havido consequências para a Red Bull, não recebendo tanto ar livre para colocar Verstappen em uma estratégia de três paradas.

No entanto, apesar de ainda ser bastante teórico, há todas as razões para acreditar que o segundo lugar estava nas cartas para Hamilton com o ritmo que tinha.

O que talvez seja mais significativo é que a forma como as coisas se desenrolou contrastou com a Arábia Saudita e Ímola, onde ele ficou preso no pelotão e não conseguiu fazer nenhum progresso.

E, para um homem que teve uma vida difícil desde que perdeu o título mundial em Abu Dhabi no ano passado, foi finalmente o vislumbre de esperança que ele perseguia há algum tempo.

“Uma corrida como essa é como uma vitória”, disse ele. “E, na verdade, muitas vezes parece melhor do que uma vitória, quando você vem de tão longe e passou por tanta coisa.”

VÍDEO: Qual é o melhor piloto da temporada 2022 da F1 até agora?

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST #178: Será o fim da linha para Vettel e Alonso na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

compartilhar
comentários
Rubinho relembra narração de Galvão em primeira vitória na F1: "Era para coroar meu momento maior"
Artigo anterior

Rubinho relembra narração de Galvão em primeira vitória na F1: "Era para coroar meu momento maior"

Próximo artigo

GP de Mônaco de F1: Horários e como assistir a etapa de Monte Carlo, com F2

GP de Mônaco de F1: Horários e como assistir a etapa de Monte Carlo, com F2