ANÁLISE: Por que mudança para Red Bull é como "nova categoria" para Pérez

Piloto mexicano recebeu a dura missão de ser companheiro de Max Verstappen e, apesar de alguns bons resultados, ainda não se adaptou completamente ao carro

ANÁLISE: Por que mudança para Red Bull é como "nova categoria" para Pérez
Carregar reprodutor de áudio

Sergio Pérez não esconde o fato de que sua adaptação ao carro de Fórmula 1 da Red Bull foi mais difícil do que ele esperava. Tendo chegado ao time de Milton Keynes cheio de confiança e declarando ambições de superar o carro que recebeu, a temporada de 2021 não está sendo tão simples quanto gostaria.

A falta de testes de pré-temporada e a redução nas corridas de sexta-feira nos grandes prêmios deixaram o mexicano, junto aos outros pilotos que trocam de equipe, em desvantagem. Embora tenha havido alguns destaques óbvios - incluindo uma largada na primeira fila em Ímola e a vitória em Baku - também houve uma boa dose de frustração.

Leia também:

Para Pérez, o problema central não é que não esteja à altura do trabalho ou que não tenha a experiência de disputar com uma equipe da linha de frente. É que a filosofia do carro da Red Bull é tão estranha para ele que é quase como se estivesse tendo que aprender a correr em uma nova categoria.

"A maneira como você extrai o tempo de volta neste carro e como você luta quando está no ar sujo e como pilota nas corridas é muito diferente em comparação com o que eu estava acostumado a fazer”, disse o mexicano ao Motorsport.com. "Além disso, tem o jeito de cuidar dos pneus: cada carro tem requisitos diferentes de aquecimento e resfriamento do aro, com detalhes muito específicos, pois tudo está relacionado aos compostos."

“Portanto, é apenas um mundo diferente, para ser honesto. É como se eu tivesse mudado de categoria para ser muito sincero", acrescentou.

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

Não é estranho para Sergio trabalhar com uma grande equipe, pois o piloto teve aquela temporada de construção de caráter com a McLaren em 2013, onde aprendeu muito sobre o que pode dar errado.

No entanto, o que tornou essa mudança para a Red Bull potencialmente mais difícil para ele é o duplo golpe de um carro que precisava de uma abordagem completamente diferente daquela que usava anteriormente, além da equipe estar em posição de lutar pelo título. Isso significa que a pressão e os holofotes estão presentes de uma forma incrível.

"É uma grande oportunidade, mas sim, também estou ciente de que mudei muito a filosofia", explicou Pérez. "Passei de uma escuderia para outra muito diferente em termos de como o carro alcançava o tempo de volta, e tem sido mais difícil do que o esperado, principalmente vindo para uma que já está lutando pelo campeonato."

"É muito bom estar nessa posição, mas, ao mesmo tempo, é difícil porque você não tem aquela adaptação para ficar totalmente engajado com o carro. Eu não tive chance de fazer isso. Só estou aprendendo muito. Cheguei a uma filosofia, motor e veículo muito diferentes, então apenas sigo em frente e, com o tempo, as coisas estão melhorando."

"Não é um processo fácil e ainda é contínuo. Entrar em uma nova estrutura, como a da Red Bull, é muito grande e não é fácil encontrar os pés, mas estou está chegando lá."

Sergio Perez took his first Red Bull win in Azerbaijan.

Sergio Perez took his first Red Bull win in Azerbaijan.

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Talvez a única coisa que tenha faltado a Pérez nesta temporada tenha sido o tempo. Ele disse em algumas ocasiões que começa os fins de semana massivamente tentando se recuperar e descobrir o que precisa fazer para tornar seu carro mais rápido.

Apesar disso, sua taxa de progresso no entendimento da afinação e dos pneus é tão grande durante o fim de semana que ele gostaria de começar de novo depois da bandeira quadriculada no domingo.

"Ainda estou precisando de muito tempo quando formos para um novo circuito", comentou. "Eu aproveito a sexta-feira inteira para estar lá na qualificação. Então é tarde demais quando você tem esse déficit. Eventualmente eu chego lá, mas só me leva muito tempo para superar isso."

Da mesma forma, o que o mexicano descobriu é que, para fazer o RB16B operar da melhor forma, ele precisa ser apressado de uma forma em que a vida não seja confortável para o piloto. Para Max Verstappen, sua força em equilibrar um carro à beira da adesão o levou a fazer coisas com os veículos da Red Bull que seus colegas anteriores lutaram para igualar.

Pérez acrescentou: "Diria que é um carro mais rápido, mas a forma como extrai o tempo da volta é muito diferente. No final do dia, todos os F1 ficam muito próximos, mas é apenas a maneira como você maximiza que é muito diferente."

"Acho que com a Red Bull, você tem uma janela muito estreita, onde o veículo opera. É muito importante ficar ali porque, se você sair, pode se sentir um pouco mais confortável, mas não é necessariamente mais rápido. Então eu acho que é muito minha adaptação."

Apesar das claras dificuldades que teve e a tarefa ser mais difícil do que pensava inicialmente, o que não falta a Sergio é a convicção de que pode resolver as coisas. A largada da primeira fila em Ímola e a vitória no GP do Azerbaijão mostraram o que pode fazer quando está no momento certo.

Os resultados lhe deram a confiança de saber que, quando essa sensação de estar em sintonia com o carro finalmente vier, os frutos certamente virão.

"É apenas construir esse conhecimento juntos, e isso se tornará muito natural", disse Pérez. "No momento ainda não é, mas vai chegar lá. Presumo que já este ano, na segunda metade da temporada, estarei lá e estaremos bem fortes."

EXCLUSIVO: BURTI rompe silêncio sobre F1: Hamilton é MAIS LIMPO que campeões como SENNA e SCHUMACHER

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual piloto merece uma segunda chance na F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Ferrari diz que gastos com acidentes indicam déficit de teto orçamentário
Artigo anterior

F1: Ferrari diz que gastos com acidentes indicam déficit de teto orçamentário

Próximo artigo

F1: Schumacher avalia início de temporada e disputa com Verstappen na Hungria

F1: Schumacher avalia início de temporada e disputa com Verstappen na Hungria
Carregar comentários