Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

ANÁLISE: Saiba como asas traseiras estão definindo a luta pelo título na F1

Equilíbrio entre protagonistas de 2021 Red Bull e Mercedes as fazem repensar configurações aerodinâmicas e usar acertos pouco confortáveis

ANÁLISE: Saiba como asas traseiras estão definindo a luta pelo título na F1

Mercedes e Red Bull estão em um jogo de "gato e rato" sobre abordagens de acerto dos carros na disputa pelo título da temporada de 2021 da Fórmula 1. Com os ganhos de velocidade em qualquer área agora sendo suficientes para balançar a rivalidade de uma forma ou outra.

O foco em particular tem sido os níveis de downforce, especialmente as configurações da asa traseira, já que ambos equilibram o nível certo de aerodinâmica necessária contra o arrasto e o impacto que isso terá nos pneus para a classificação e a corrida.

Leia também:

Obviamente, o drama em torno das asas flexíveis alimentou intriga sobre os designs de ambas as equipes, mas esse não foi o único desenvolvimento em uma luta incrivelmente acirrada.

Lewis Hamilton, Mercedes W12, passes Valtteri Bottas, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12, passes Valtteri Bottas, Mercedes W12

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

O GP de Portugal foi o primeiro sinal real de que os times estavam tão próximas a ponto de fazer concessões para ultrapassar o rival.

Nesse caso, o carro de Lewis Hamilton foi equipado com uma asa traseira de menos downforce, o que deu a ele o aumento de velocidade em linha reta necessário para superar não apenas Max Verstappen, mas também seu companheiro de equipe Valtteri Bottas.

O componente usado pelo britânico utilizou a configuração de coluna de asa dupla, mas você também notará o aerofólio principal e flap superior menores, com o último tendo uma ranhura em V muito mais rasa no centro também.

Red Bull Racing RB16B rear wing comparison

Red Bull Racing RB16B rear wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

Foi na Espanha que a ação realmente começou a aumentar, já que a Red Bull havia chegado com uma nova asa traseira que seria tradicional para o que é considerado um circuito de alta força aerodinâmica.

A peça apresentava a forma mais tradicional e o perfil mais profundo, a fim de fornecer o downforce e equilíbrio necessários para as curvas de baixa velocidade do Circuito de Barcelona.

No entanto, de olho no seu rival no pitlane e não querendo ser ultrapassado como em Portugal, a equipe austríaca mudou para sua asa traseira antiga para o TL3, classificação e corrida.

Isso, é claro, foi o catalisador para o discurso sobre as asas flexíveis, já que Hamilton e Toto Wolff fizeram comentários que colocaram o componente sob os holofotes mais uma vez.

Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B
Valtteri Bottas, Mercedes W12

A asa de maior downforce estava obviamente no menu de Red Bull e Mercedes quando a F1 retornou a Mônaco. Ao contrário das outras equipes, os austríacos optaram por correr sem uma asa em T. para ter estabilidade extra e força aerodinâmica normal.

Enquanto isso, a Mercedes optou pela peça de elemento duplo mais simplista, mas levemente mais eficaz, para tentar ajudar a estabilizar a traseira e dar aos pilotos um pouco mais de confiança em um circuito que nunca foi território dominante das flechas de prata.

A RBR estava pronta para assumir o centro das atenções no Azerbaijão, com a ameaça de protestos contra sua asa traseira se intensificando.

No entanto, chegaram à segunda pista de rua com um design inteiramente novo e a intenção explícita de reduzir downforce, arrasto e, essencialmente, anular a necessidade de uma asa que se flexionasse abertamente.

Red Bull Racing RB16B rear wing comparison

Red Bull Racing RB16B rear wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

O novo design apresentava uma curvatura mais suave para a parte inferior do aerofólio principal, enquanto os recursos de design normalmente adicionados ao endplate, como as aletas, recorte serrilhado e lâminas sinuosas, foram todos removidos.

Enquanto isso, a Mercedes estava lutando para tirar o melhor proveito do W12 durante as sessões de treinos livres de sexta-feira no Azerbaijão e então optou por dividir seus pilotos mais uma vez.

Bottas ficou com a configuração de coluna dupla que também foi definida com mais downforce em mente, enquanto Hamilton mudou para o arranjo de coluna única com uma configuração de força aerodinâmica mais baixa.

E, enquanto Valtteri continuava a ter dificuldades, mesmo que a o arrasto extra devesse ter ajudado a aumentar a temperatura dos pneus, o W12 de Lewis ganhou vida e o colocou de volta na disputa com os primeiros colocados.

As novas diretrizes técnicas em torno das asas flexíveis entraram em vigor para o GP da França, pondo de lado quaisquer dúvidas sobre a legalidade dos componentes usados pelas equipes.

No entanto, o jogo de gato e rato entre Mercedes e a Red Bull continuou em Paul Ricard, enquanto a Red Bull utilizava a peça com especificação pré-Baku durante as sessões de sexta-feira, ela mudou para a asa inferior de força aerodinâmica pelo resto do fim de semana.

Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W12 rear wing, Azerbaijan Grand Prix
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W12 rear wing, Azerbaijan Grand Prix

A Mercedes foi na direção oposta, enquanto testava ambas as versões de sua asa traseira na sexta-feira. A equipe optou por um arranjo de maior força aerodinâmica em ambos os carros para a qualificação e corrida, que mais uma vez foi usado com a coluna única central.

A escolha entre as duas configurações não tem apenas uma influência no desempenho da asa em condições normais. A força do DRS também deve ser levada em consideração.

No final, a solução de baixo downforce da Red Bull venceu, pois deu a Verstappen a vantagem de velocidade em linha reta que o ajudou a segurar Hamilton após as primeiras paradas, até ultrapassar o britânico no final.

Tem sido fascinante ver como a guerra pelas asas se desenrolou ao longo das primeiras sete corridas da temporada, já que é uma espécie de mini batalha tática entre a dupla, que força os dois a fazerem uma escolha com a qual ninguém se sente confortável.

URGENTE! VEJA primeiras fotos do NOVO CARRO da F1 2022 com ANÁLISE de Rico Penteado

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Sequência de corridas até férias da F1 será chave para campeonato?

 

compartilhar
comentários
F1: Entenda o que causou "pesadelo" da Ferrari no GP da França

Artigo anterior

F1: Entenda o que causou "pesadelo" da Ferrari no GP da França

Próximo artigo

ANÁLISE: Confira atualizações das equipes na França e Azerbaijão

ANÁLISE: Confira atualizações das equipes na França e Azerbaijão
Carregar comentários