Análise técnica: atualizações da Ferrari em Mônaco

Giorgio Piola e Matt Somerfield analisam as novidades que a Ferrari levou para o GP de Mônaco, mas que não deram o resultado esperado; dupla também avalia atualizações de equipes clientes dos italianos

Análise técnica: atualizações da Ferrari em Mônaco
Carregar reprodutor de áudio

Ferrari

As mudanças da Ferrari para Mônaco foram relativamente específicas para as ruas do principado, com pequenas modificações em cima da configuração utilizada no GP da Espanha.

1200 holes disc brake of the Ferrari SF16-H
Disco com 1200 furos instalado no SF16-H

Foto: Giorgio Piola

As características de baixa em Monte Carlo não exigem tanto dos freios em si, mas as temperaturas do sistema são fator determinante. Por isso, a Brembo, que fornece material de freios para o time, disponibilizou discos com 1200 furos.

O objetivo foi dissipar o máximo possível o calor gerado nas freadas. Além disso, a equipe adicionou mais um buraco no tambor do freio - por onde o disco pode ser visto.

Além disso, uma peça de metal foi utilizada (vista na ilustração abaixo, com o tambor removido) para dar mais apoio físico ao disco, além de funcionar como um dissipador de calor.

Ferrari SF16H brake duct, Monaco GP
Duto de freio do SF16H para o GP de Mônaco

Foto : Giorgio Piola

O tambor do freio e as estruturas internas foram desenvolvidas para ajudar no gerenciamento das temperaturas, com o fluxo de ar direcionado das mais variadas maneiras - não somente para dissipar o calor, mas também para melhorar a performance dos pneus e da aerodinâmica.

Anti-roll bar on the car of Kimi Raikkonen, Ferrari SF16-H
Barra anti-rolagem no carro de Kimi Räikkönen

Foto: Giorgio Piola

A Ferrari concentrou os esforços no acerto mecânico durante os treinos livres, com Kimi Räikkönen focado em buscar o melhor caminho para o SF16-H nas onduladas ruas de Mônaco.

Ferrari SF16-H detail
Detalhe do SF16-H

Photo by: Giorgio Piola

Mônaco apresenta algumas das curvas mais acentuadas do calendário. Por isso, a suspensão dianteira foi modificada (ver seta na imagem acima) para acomodar o esterçamento necessário na Loews, a curva mais fechada da temporada.

As entradas de ar menores nos sidepods, introduzidas na Catalunha, foram mantidas para Mônaco. A animação acima mostra um comparativo com a versão anterior e o impacto que a modificação exerce no fluxo de ar que passa pela região.

Toro Rosso

A Toro Rosso segue mantendo o ritmo no pelotão intermediário, um feito admirável quando se leva em consideração o orçamento limitado do time em comparação com a Red Bull.

Toro Rosso STR11 brake duct, Monaco GP
Duto de freio do STR11 para o GP de Mônaco

Foto: Giorgio Piola

Uma pequena aleta no braço inferior da suspensão (indicada pela seta na imagem acima) chamou a atenção das rivais. O artigo 11.4 (c) do regulamento técnico nenhum parte do duto de freios pode ficar a mais de 120mm do cubo da roda. A aleta, entretanto, está dentro da distância regulamentar e não é considerada parte da suspensão.

O time não utiliza um duto de freio convencional para direcionar o fluxo de ar. Com isso, há espaço para acomodar apêndices aerodinâmicos como o destacado acima.

A aleta, sem dúvida, modifica o fluxo de ar que passa pelo pneu dianteiro e vai em direção aos sidepods. A aleta oferece uma performance mais dinâmica por estar no braço da suspensão do que ofereceria se estivesse atada ao duto de freio.

T Tray strength test
Teste de resistência da porção frontal do assoalho

Foto: Giorgio Piola

Após a classificação, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) descobriu uma falha no assoalho do carro de Daniil Kvyat, que não passou no teste de rigidez do assoalho. O teste consiste em uma carga de 200kg imposta à peça, para verificar o quanto ela se move - a tolerância é de 5mm.

Carlos Sainz Jr., Scuderia Toro Rosso STR11 T-Tray detail
Detalhe do assoalho do STR11 de Carlos Sainz Jr.

Foto: Giorgio Piola

Como o carro não passou no teste, o russo esteve próximo de levar uma punição. A Toro Rosso, no entanto, conseguiu convencer os comissários - através de dados da telemetria - que um forte impacto em uma das zebras do traçado monegasco danificou a porção dianteira do assoalho, comprometendo o desempenho da peça.

Scuderia Toro Rosso STR11 detail
Detalhe do assoalho do STR11

Foto: Giorgio Piola

A área do assoalho à frente dos pneus traseiros é alvo de estudo de todas as equipes e a Toro Rosso também trabalhou para desenvolver novidades na região especificamente para o GP de Mônaco.

Como a Force India, o time de Faenza utilizou 16 cavidades na lateral, levando em conta como as baixas velocidades no principado afetam o fluxo de ar na dianteira e, consequentemente, como isso chega até a traseira do carro.

As cavidades ajudam a reduzir os efeitos do desequilíbrio no fluxo de ar gerado pelos pneus, direcionando-o para dentro do difusor traseiro.

Toro Rosso STR11 monkey seat
'Monkey Seat' do STR11

Foto: Giorgio Piola

A Toro Rosso adotou um desenho singular para as laterais da asa traseira nesta temporada, com extremidades bastante encurvadas. Nos testes de pré-temporada, o time utilizou um 'Monkey Seat' nos mesmos padrões - peça que finalmente estreou no GP de Mônaco.

Entretanto, devido ao tamanho da peça comparada à asa traseira, cavidades nas laterais foram acrescentadas, melhorando a estabilidade e a eficiência do fluxo de ar.

Haas

O calendário de atualizações da Haas para o ano de estreia é bem reduzido, levando-se em consideração que as mudanças radicais nos carros para 2017 tem consumido boa parte dos recursos da equipe. Com isso, é bastante improvável que vejamos mudanças nos carros do time em todas as corridas.

Haas F1 Team VF-16 monkey seat detail
Detalhe do 'Monkey Seat' do VF-16

Foto: Giorgio Piola

O 'Monkey Seat' mais largo (visto na imagem acima) foi testado pela equipe em Barcelona, visando o GP de Mônaco. Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez testaram a peça novamente nos treinos livres em Monte Carlo, mas descartaram a peça por sentir que ela oferecia poucos benefícios em termos de desempenho.

Sauber

Sauber C35 brake duct detail
Detalhe do duto de freio do C35

Foto: Giorgio Piola

Os problemas financeiros da Sauber têm impactado nos resultados de pista e no desenvolvimento do carro. O C35 tem recebido poucas atualizações até o momento e Mônaco não foi uma exceção.

Os avanços no desempenho têm sido encontrados no acerto do carro. Uma área em que é possível ganhar performance é nos pneus e nos freios. Em Mônaco, vimos o time utilizar um painel de metal na parte inferior do tambor de freio em vez da usual capa de fibra de carbono.

O painel possui cavidades em forma de gota d'água, que dispersam o calor gerado pelos freios em direção às rodas, modificando a performance dos pneus.

compartilhar
comentários
Ricciardo sente que deveria ter sido mais recompensado na F1
Artigo anterior

Ricciardo sente que deveria ter sido mais recompensado na F1

Próximo artigo

“Pneus são um grande problema para McLaren”, diz Alonso

“Pneus são um grande problema para McLaren”, diz Alonso