Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: como os carros dominantes de Schumacher e Hamilton se comparam

compartilhar
comentários
Análise técnica: como os carros dominantes de Schumacher e Hamilton se comparam
Por:
Co-autor: Giorgio Piola, Especialista

A comparação entre pilotos é muito comum entre as pessoas, mas como avaliar os carros mais dominantes do século? Matt Somerfield e Giorgio Piola dissecam o F2004 da Ferrari e o W11 da Mercedes

A Fórmula 1 retorna a Nurburgring neste fim de semana pela primeira vez desde 2013, com recordes que podem cair.

O editor recomenda:

Você tem que voltar a 2004, entretanto, para descobrir a volta mais rápida que vimos com a configuração atual do circuito alemão. Isso foi no Q1 daquele ano, quando Takuma Sato cravou 1min27s691 em sua BAR-Honda.

As previsões atuais, com base nas várias simulações que fizeram, variam de um tempo muito próximo ao recorde de Sato até dois segundos mais rápido.

BAR 006 side view

BAR 006 side view

Photo by: Giorgio Piola

As comparações entre os dois anos nos dão uma oportunidade fascinante de ver como, apesar de tempos de volta semelhantes, as máquinas mudaram completamente.

Então, como a combinação mais dominante de piloto e carro de 2020, que é Lewis Hamilton e Mercedes, se compara ao pacote principal de Michael Schumacher e Ferrari da época?

A Ferrari F2004 de Schumacher teve 15 vitórias no total, com 12 poles e 14 voltas mais rápidas em uma temporada de 20 corridas. O W11 já tem 8 vitórias, 10 poles e seis voltas mais rápidas, um pouco além da metade de um calendário de 17 corridas.

Ferrari F2004 side view
Mercedes F1 W11 livery

O F2004 foi projetado para ser um carro de qualificação que fazia corridas muito curtas com frequentes paradas nos boxes para reabastecimento, o que significava que precisava ser guiado perto do limite o tempo todo.

Isso significava que a Ferrari era extremamente compacta quando comparada com as máquinas de hoje. O F2004 é aproximadamente 700 mm mais curto em termos de distância entre eixos e mais de 1,2 metros mais curto no geral do que o W11.

Os carros agora também são mais largos, medindo dois metros, em vez de 1.80 m, como era o caso do F2004.

Mudanças nas regras ditaram algumas dessas dimensões, com os designers sendo obrigados a acomodar estruturas de segurança mais robustas e as dicas de estilo introduzidas em 2017.

Mas, mesmo levando em consideração que decisões como essas estão sendo tiradas das mãos dos projetistas, eles ainda preferem carros mais longos para melhorar o desempenho aerodinâmico.

Também há uma diferença significativa quando se trata de peso, já que o W11 está arrastando cerca de 745 kg enquanto o F2004 pesava 605 kg.

Parte desse peso é consequência das estruturas de segurança, como o halo, mas a maior parte pode ser explicada pela diferença de peso entre o motor V6 turboalimentado e seus componentes híbridos em relação ao motor V10.

Ferrari F2004 (655) 2004 radiator and engine packaging
Mercedes PU106 powerunit and Energy Store

No entanto, embora possa parecer estranho que o peso tenha subido tão drasticamente, devemos também lembrar que a geração atual da unidade de potência é capaz de fazer mais de 6.000 km e tem cerca de 1000 bhp, enquanto o V10 duraria cerca de 800 km e teria 100 bhp a menos também.

A eficiência também aumentou dramaticamente. O V6 turbo híbrido é extremamente econômico em seu consumo de combustível, com um máximo de 110kg permitido para uma corrida. Porém, na maioria das vezes, o limite não é usado, enquanto o F2004 precisou de cerca de 180 kg de combustível para completar uma distância de corrida.

Ferrari F2004 gearbox and rear wing assembly

Ferrari F2004 gearbox and rear wing assembly

Photo by: Giorgio Piola

O F2004 introduziu um conceito de caixa de câmbio que utilizava uma caixa de titânio com revestimento de carbono, um recurso que agora está quase que universalmente entrelaçado com o DNA dos designs vistos hoje.

As caixas de câmbio de agora oito velocidades geralmente apresentam um design em estilo cassete que permite que seja encaixado dentro da caixa, para que, se ocorrerem danos, eles ainda possam completar sete grandes prêmios sem medo de receber uma penalidade de grid por ter que mudar uma caixa de câmbio. No entanto, essas restrições não existiam em 2004 e a caixa, como o motor, apenas tinha que durar um fim de semana de corrida.

A FIA tinha acabado de banir as reduções de marcha pré-programadas controladas por um botão em 2004 também, um recurso que significava que os pilotos tinham que usar a alavanca de mudança no volante.

O controle de inicialização, que se tornou um recurso, também foi banido pela FIA, o que significa que o piloto tinha menos assistência de software. Porém, em 2004, os pilotos ainda tinham mais do que os atuais, que precisam encontrar manualmente o ponto de soltar a embreagem.

Ferrari F2004 (655) 2004 steering wheel
Mercedes AMG F1 W10, steering wheel Lewis Hamilton

O F2004 foi equipado com pneus Bridgestone ranhurados naquele ano, embora a Michelin não fosse a única no grid, o que forçou dois fabricantes a competir entre si pela superioridade.

A Bridgestone também forneceu à Ferrari seus próprios compostos específicos em cada pista, dando-lhes uma vantagem competitiva sobre as outras equipes fornecidas pelo fabricante japonês.

Em comparação, agora temos um único fornecedor que dá a todas as equipes os mesmos três compostos durante um fim de semana de corrida. Para 2020, a Pirelli também assumiu o controle das alocações, dando a cada equipe a mesma escolha de pneus, ao passo que anteriormente isso era decidido pelos próprios times.

Como você pode ver, os desenhos do F2004 e do W11 não poderiam ser mais diferentes um do outro, cada um levando a tecnologia e os regulamentos da época ao máximo.

Mas, com o recorde de Sato já gravado na história, será interessante ver se o lote atual de carros será mais rápido neste fim de semana, especialmente porque o clima ainda pode fazer sua parte também.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre F1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Neblina cancela TLs, Ferrari se frustra e Merc dá não à RBR; veja isso e anúncio especial

PODCAST: A F1 perde força com a saída da Honda?

 

.

F1 revela protocolos para garantir treinos de sábado na Alemanha

Artigo anterior

F1 revela protocolos para garantir treinos de sábado na Alemanha

Próximo artigo

FIA anuncia alterações nos pontos da superlicença para Fórmula 1

FIA anuncia alterações nos pontos da superlicença para Fórmula 1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes , Scuderia Ferrari
Autor Matt Somerfield