Análise

ANÁLSE: O que vem a seguir para F1 após ataque da FOM a Ben Sulayem

A Fórmula 1 adora uma boa tempestade em copo d'água, mas a carta desta semana da FOM ao presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, é algo muito maior do que isso

Stefano Domenicali, CEO, Formula 1, and Mohammed bin Sulayem, President, FIA, on the grid

Em vez de ser uma história secundário da novela Drive To Survive da Netflix sobre a Fórmula 1, a carta desta semana, enviada pela FOM ao presidente da FIA, Mohammed Ben Sualyem, marca o início de uma mudança de dinâmica na forma como o campeonato é executado.

Leia também:

Embora em público haja uma frente unida entre o presidente Ben Sulayem, e o CEO da F1, Stefano Domenicali, os frequentadores do paddock sabem que as coisas têm sido diferentes nos bastidores. Longe dos holofotes das câmeras de televisão, microfones e cadernos de jornalistas, as tensões estão fervendo há meses.

Embora muitos dos choques de opinião entre o principal homem da FIA e os chefes dos proprietários da F1, Liberty Media, tenham sido tratados amigavelmente a portas fechadas, sem a necessidade de lavar a roupa suja em público, as coisas mudaram muito esta semana.

De fato, a carta ameaçadora da categoria a Ben Sulayem sobre suas observações de um preço 'exagerado' de US$ 20 bilhões para uma possível comprar da série efetivamente se tornou, o que uma fonte sênior do paddock diz, uma 'guerra aberta' entre o regulador da F1 e seu detentor dos direitos comerciais.

A huge FIA flag flies on the grid

A huge FIA flag flies on the grid

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Batalha pelo poder

Este confronto está a um mundo de distância das décadas em que a FIA e a FOM se entendiam melhor. Na verdade, é o oposto da época em que o então presidente da FIA, Max Mosley, e a era de Bernie Ecclestone conspiravam para dividir e conquistar as equipes.

Agora parece que estamos de volta ao tipo de cenário do início dos anos 1980, onde havia uma guerra 'fria' – com Ecclestone de um lado da cerca e o chefe do órgão, Jean-Marie Balestre, do outro, com pouco terreno comum entre eles.

Embora a gota que derramou a água do copo tenha sido a maneira como Ben Sulayem falou sobre as preocupações sobre a oferta de US$ 20 bilhões para a F1 do fundo soberano da Arábia Saudita, as tensões entre ele e a FOM têm borbulhado constantemente nos últimos 12 meses. Houve uma sequência de eventos e respostas que serviram para aumentar a situação. Parte disso está relacionado ao corpo diretivo e à maneira como ele administra os assuntos regulatórios da F1.

Isso inclui o que foi considerado uma resposta insatisfatória aos erros que a FIA cometeu no GP de Abu Dhabi de 2021, o bloqueio inicial de Ben Sulayem de mais corridas sprint no cronograma para 2023 e o desconforto sobre algumas das decisões de controle de corrida e aplicação das regras no ano passado (como o carro de segurança Monza e a confusão de pontos no GP do Japão).

Também tem havido angústia em alguns setores sobre a maneira como Ben Sulayem prefere lidar com os assuntos pessoalmente, em vez de usar os canais presidenciais mais típicos.

Embora se possa argumentar que este foco pessoal pode ser uma força - como a forma como ele falou a todos os motoristas e equipes sobre o problema do porpoising no ano passado para formular uma resposta - houve momentos em que tal abordagem incomodou aqueles dentro da F1, especialmente quando ele não passou por todos os detalhes de assuntos incrivelmente complexos à sua frente.

Christian Horner, Max Verstappen, FIA F1 Champion, Mohammed Ben Sulayem, FIA President, Stefano Domenicali

Christian Horner, Max Verstappen, FIA F1 Champion, Mohammed Ben Sulayem, FIA President, Stefano Domenicali

Photo by: FIA

A emissão pela FIA do comunicado de imprensa do calendário 2023 com sua citação antes que a F1 soubesse que ia sair, e aquele momento embaraçoso no palco com o chefe da Red Bull, Christian Horner, na premiação de Gala da entidade sobre a confusão em Suzuka, provocou algumas figuras dentro da categoria.

Mas as coisas aumentaram dramaticamente nas últimas semanas, graças às postagens feitas na mídia social pessoal de Ben Sulayem. O primeiro foi criticar a resistência à nova oferta por parte da Andretti, embora os concorrentes atuais tenham mantido suas opiniões privadas sobre o assunto. Agora, porém, seus comentários sobre o interesse saudita e um preço de US$ 20 bilhões provaram ser um passo longe demais.

A situação saudita talvez tipifique tudo o que as fontes do paddock estão preocupadas: a necessidade de Ben Sulayem de dar uma forte resposta pessoal a uma história que os insiders sugerem que estava longe do alvo e poderia ser ignorada com segurança. Em vez de os sauditas terem pensado em comprar a F1, o gatilho para a história foram as negociações envolvendo os sauditas na época do GP da Itália de 2021 para se envolver no patrocínio de corridas, o que não deu certo.

Given that story has resurfaced now has all the hallmarks of a deliberate leak to try to get the $20 billion price tag figure out there. Who stands to benefit the most from it being talked about, and why now, is unclear...

Os acionistas da F1 ganharam, porém, com o preço das ações da FWONA saltando 7,8% de menos de $59 (R$300) na sexta-feira antes da história da Bloomberg aparecer, para atingir um pico de $ 63,60 (R$320) no final do dia antes de cair constantemente. O aumento do preço das ações também significou, em última análise, que um preço de US$ 20 bilhões não parece excessivo, com o valor de mercado da FWONA atualmente em torno do nível de US$ 16 bilhões (R$81 bilhões).

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, Lando Norris, McLaren MCL36, Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Carlos Sainz, Ferrari F1-75, the remainder of the field at the start

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, Lando Norris, McLaren MCL36, Charles Leclerc, Ferrari F1-75, Carlos Sainz, Ferrari F1-75, the remainder of the field at the start

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

O impacto das equipes

Enquanto as equipes estão atualmente sentadas à margem como observadoras da batalha entre a F1 e a FIA, elas estão atentas sobre como as coisas se desenvolvem a partir daqui. Em um momento em que a F1 está indo de vento em popa com recordes de público e ganhos, uma batalha pelo poder pode servir como uma distração desnecessária.

Várias fontes com as quais o Motorsport.com falou sugerem que os acontecimentos no topo não são algo que tenha disparado o alarme sobre possíveis danos às equipes ou à imagem global da F1 para patrocinadores e fãs.

A força vital da receita de direitos comerciais das equipes não deve ser afetada por isso e, mesmo que as relações entre Ben Sulayem e a FOM se desintegrem completamente, as estruturas de governança da FIA ainda devem permitir os processos de que a FOM precisa (como a realização de fins de semana, aprovação do calendário da F1 e classificação das mudanças de regras pelo Conselho Mundial de Esporte A Motor) para continuar.

Onde eles apontam para a maior mudança talvez seja dentro dos corredores da FIA, dependendo de como a ação de Ben Sulayem é vista por aqueles dentro do órgão regulador. O aviso da FOM de que a FIA poderia ser "responsável" por danos causados pelo presidente falando sobre questões comerciais não será perdido pelos membros - pois os reguladores do governo não aceitam nada que afete indevidamente as avaliações da empresa.

Não vamos esquecer que Elon Musk foi multado em um total de US$ 40 milhões em 2018 pela Comissão de Valores Mobiliários (SEC), quando foi acusado de ter enganado investidores por meio de um tweet que sugeria que ele estava pensando em tornar sua empresa Tesla privada.

Além disso, a carta do FOM serviu como um lembrete de que a FIA havia concordado há muito tempo em não se envolver com nenhum assunto comercial relacionado à F1. Como parte de um acordo das autoridades anticartel da UE em 2001, ficou claro onde terminava o controle da FIA.

No comunicado à imprensa emitido na época pela Comissão Européia, ela afirmou: "O papel da FIA será limitado ao de um regulador esportivo, sem conflitos de interesses comerciais". E acrescentou: "A FIA não terá, portanto, nenhuma influência sobre a exploração comercial do Campeonato de Fórmula 1".

Mohammed Ben Sulayem, President FIA

Mohammed Ben Sulayem, President FIA

Photo by: A.S.O.

Seguindo em frente

Então, o que vem a seguir? A curto prazo, será interessante ver se Ben Sulayem se mantém firme no que disse ou se desculpa e muda de tato daqui para frente. A longo prazo, seria errado sugerir que a F1 se contentará com nada menos que um golpe da FIA e outra pessoa contratada para chefiar o órgão regulador.

No entanto, o que ele mais provavelmente quer é algumas definições mais claras de esferas de responsabilidade por parte do órgão dirigente. Em particular, na forma como as coisas são tratadas, para que Ben Sulayem não aja como um espinho no lado da F1 ao evoluir a categoria da maneira que ela quer.

Mas, quase definitivamente, a Fórmula 1 quer garantias de que a FIA se atenha ao que concordou com a UE décadas atrás: não se envolver ou tentar influenciar quaisquer assuntos comerciais. O próprio Ben Sulayem insiste há muito tempo que não vê grandes problemas entre ele e Domenicali. No GP de Abu Dhabi do ano passado, ele disse que eles falam sobre o assunto dia sim, dia não.

No fim de semana passado, no Rally de Monte Carlo, Ben Sulayem novamente ressaltou que as coisas estavam bem no topo - mesmo sabendo que havia momentos em que o promotor da F1 tinha que agir da melhor maneira possível.

"Sim, mas a FIA também tem que fazer seu trabalho", disse ele. "O bom é que eu tenho um bom relacionamento com Stefano. Ele vem do automobilismo e da indústria automobilística, o que facilita o avanço de ambos os lados. Não é algo em que se traga alguém que tem total conhecimento comercial e [conhece] zero sobre o esporte, não".

Mais especificamente, Ben Sulayem sugeriu que a conversa sobre o atrito entre a FIA e a FOM tinha sido a criação da mídia.

"Foi também a mídia que criou [isto]", disse ele. "Quando dizem: 'toda vez que vocês fazem algo para corrigir [uns aos outros], oh, há uma divisão'".

O que a carta da F1 para a FIA mostrou é que a cisão no topo não é um produto da imaginação dos jornalistas. Ao invés disso, é uma verdadeira luta pelo controle da direção futura da F1, e algo que parece estar pronto para dominar a agenda do paddock nos próximos meses.

Stefano Domenicali, Mohammed Ben Sulayem, FIA President

Stefano Domenicali, Mohammed Ben Sulayem, FIA President

Photo by: FIA

VÍDEO - HAMILTON: TRETA com Verstappen é “CONTO DE FADAS” / FIA pede CUIDADO com VENDA da F1

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #214 – Quem pode surpreender na temporada 2023 da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Mercedes: Schumacher pode voltar ao grid, mesmo em outra equipe
Próximo artigo F1: Haas 'ultrapassa' Red Bull e anuncia lançamento da pintura do carro para fim de janeiro

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil