Fórmula 1 GP dos Estados Unidos

Ben Sulayem revela ameaças e "abusos" por parte da F1 por tentar expandir o grid: "Me atacaram no dia da morte do meu filho"

Presidente da FIA revelou que "passou por um inferno" como resultado de "ataques e abusos" da categoria no período das candidaturas para o 11º time

Christian Horner, chefe de equipe da Red Bull Racing, Mohammed bin Sulayem, presidente da FIA, Greg Maffei, CEO da Liberty Media Corporation, no grid

A FIA lançou uma convocação para manifestações de interesse em fevereiro deste ano para ver quem são os candidatos em potencial para entrar no grid da Fórmula 1. A decisão da entidade está de acordo com o Pacto de Concórdia, que rege a relação comercial e financeira do campeonato com o órgão e as equipes e atualmente permite a entrada de 12 times.

Leia também:

No entanto, a iniciativa atraiu imediatamente muitas críticas dos atuais esquadrões e da categoria, a maioria delas objetando que uma décima primeira equipe diluiria o prêmio em dinheiro a que têm direito. Embora a FIA tenha continuado com seu rigoroso processo de seleção, Stefano Domenicali, que dirige o campeonato, permaneceu aparentemente inflexível e não quer isso, em um confronto com Mohammed Ben Sulayem.

A entidade anunciou no início deste mês que havia aceitado a inscrição da Andretti Cadillac, abrindo caminho para que a equipe negociasse com a F1 sobre as finanças. Visivelmente agitado, Ben Sulayem falou em uma entrevista coletiva em Austin, no fim de semana, sobre os desafios que a direção da categoria lhe impôs desde o início do processo.

Ele também mencionou sua própria tragédia pessoal, com a morte de seu filho, Saif, em um acidente de carro em Dubai em março, que o presidente da FIA descreveu como um período em que ele "passou por um inferno".

"Eu me pergunto: o que eu fiz para merecer os ataques de fevereiro e março? Eles caíram sobre mim no dia em que iniciei o processo da carta de intenções. Até mesmo no dia da morte do meu filho, eles me atacaram, abusaram de mim, apenas para me atingir, porque eu facilitei a entrada das equipes", cita ao Speedcafe.

"Foi desnecessário, contraproducente e não foi bom para os negócios. Digam o que quiserem. Eu fui eleito para cuidar do esporte. Nada vai para o meu bolso. Não temos acionistas, não temos um conselho de administração para dividir o dinheiro, portanto não sou movido pelo que eles são, isso está claro."

Ben Sulaym acrescentou que não entende por que está sendo atacado com tanta veemência por todos os participantes da F1: "Não sei, realmente não sei. É que uma declaração de intenções pode ser feita, o contrato diz que pode haver doze [equipes]. Então, dizer a alguém que ele não pode vir... Estou aqui pelo espírito do automobilismo. Eles veem o dinheiro apenas como um bolo a ser dividido entre eles".

Embora a categoria tenha de fato levantado uma série de preocupações financeiras contra uma décima primeira equipe, a posição de Ben Sulaym também leva em conta a sustentabilidade da F1: "Não quero entrar nesse jargão financeiro de que precisamos ganhar mais dinheiro".

"Quero falar sobre a sustentabilidade do esporte e do negócio. Pode haver doze equipes. Vou repetir, se houver uma equipe confiável que mereça, abrirei o processo de carta de intenção para ela novamente. Isso vai acontecer".

Ben Sulaym deixou claro que não há "nenhuma guerra" entre ele e a Fórmula 1, mas que há um mal-entendido fundamental entre eles, especialmente porque, do seu ponto de vista, suas crenças sobre o desenvolvimento do esporte estão sendo questionadas pelas equipes.

"É preciso entender que estou muito feliz, sempre estive com as equipes. Eu me sentei com elas no ano passado, passei um ano as conhecendo. Estou sempre à disposição delas. As equipes são muito importantes, os pilotos são muito importantes, mas todos nós fazemos esse show juntos."

"Temos o nosso papel, o papel da FOM, o papel das equipes, o papel dos pilotos e depois temos as finanças. Mas, cada vez mais, vejo que sempre que se trata de mim, é só para me prejudicar, só porque iniciei o processo da carta de intenções. Eu estava apenas fazendo meu trabalho. Meu dever. Essas são as regras, temos que ser transparentes e justos. Portanto, fizemos nosso trabalho. Não apenas eu, mas o presidente e toda a FIA".

Ben Sulayem continua a defender a decisão da FIA de apoiar a entrada de Andretti na F1: "A FIA fez seu trabalho, passou por um processo rigoroso, fizemos tudo. Esperamos, mantivemos a calma e fizemos as perguntas certas. Fizemos nosso trabalho, fizemos as perguntas certas, fizemos as coisas certas. Apoiamos a Andretti porque era a coisa certa a fazer, isso está claro, e parabenizo minha equipe por isso."

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #253 – Desclassificação de Hamilton nos EUA 'salva pele' de Pérez na Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 teria sondado General Motors para uma possível entrada na categoria sem a Andretti
Próximo artigo F1: Mercedes promete rever procedimentos de pit stops após trocas lentas em Austin

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil