Últimas notícias

F1: Mercedes promete rever procedimentos de pit stops após trocas lentas em Austin

Toto Wolff e Lewis Hamilton admitiram que paradas prejudicaram reação da equipe na luta contra Max Verstappen

George Russell, Mercedes F1 W14, comes into the pit lane for a pit stop

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, prometeu uma nova mentalidade de pit stops após as lentas trocas de pneus que custaram caro no GP dos Estados Unidos de Fórmula 1.

Lewis Hamilton terminou apenas 2,2 segundos atrás do vencedor da corrida, Max Verstappen, naquela que foi sem dúvida a sua corrida mais competitiva do ano, antes de ser desclassificado por uma violação de prancha.

Leia também:

No entanto, Hamilton e sua equipe não passaram despercebidos que a corrida poderia ter tido um resultado inicial diferente se menos tempo tivesse sido perdido em seus dois pit stops, de 3,6 e 3,4 segundos.

Isso se compara ao pit stop mais rápido do dia da Alpine com 2,2 segundos, e as paradas mais rápidas da Red Bull foram de 2,4 e 2,5 segundos.

A diferença entre a Mercedes e as outras equipes parece ser um padrão consistente nos últimos anos, raramente sendo uma das melhores equipes quando se trata de tempos de pit stop.

Wolff disse que os problemas que a Mercedes enfrenta estão relacionados ao equipamento e não ao erro humano, mas ele disse que pode ter chegado o momento em que ela precisa mudar sua abordagem porque outros estão melhorando muito.

“Nossa mentalidade nos últimos 12 anos é que não precisamos ser campeões mundiais em pit stops”, disse ele.

“Precisamos evitar pit stops muito lentos. E agora estamos chegando a uma situação em que percebemos que ficou muito competitivo e só precisamos melhorar nosso jogo.

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes-AMG, in the Team Principals Press Conference

Photo by: Motorsport Images

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes-AMG, in the Team Principals Press Conference

“Isso se trata de equipamento e ciência em torno disso, e da forma como estamos configurados, para evitar pit stops de 3 ou 3,5 segundos, porque tudo isso desempenhou um papel”.

O próprio Hamilton admitiu que os pit stops foram uma das áreas que custaram caro na corrida dos Estados Unidos.

“Acho que estaríamos em posição de luta com Max”, disse ele. “Acho que tornamos nossa vida muito mais difícil do que provavelmente precisava ser.

“Creio que provavelmente seria difícil de qualquer maneira. Acho que, no geral, nossas largadas neste fim de semana, normalmente temos ótimas largadas, mas tivemos dificuldades com nossas largadas neste fim de semana, então perdemos terreno com mais frequência.

“E acho que em um dos pit stops, posso ter demorado um pouco, o que tornou as coisas mais difíceis para os rapazes e a parada não foi tão boa no geral.”

“Portanto, há muitas áreas em que poderíamos ter sido melhores, mas o lado positivo é que estávamos, em alguns pontos, igualando o ritmo deles [Red Bull], e estar apenas dois segundos atrás depois, no final do ritmo, eu acho que é um bom sinal."

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #253 – Desclassificação de Hamilton nos EUA 'salva pele' de Pérez na Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Artigo anterior Ben Sulayem revela ameaças e "abusos" por parte da F1 por tentar expandir o grid: "Me atacaram no dia da morte do meu filho"
Próximo artigo TELEMETRIA: Rico Penteado comenta crescimento da Mercedes e chances de Pérez em casa
Assinar