Como Mercedes poderá se beneficiar do limite de orçamento da F1

Medida que já está em vigor pode, na verdade, ajudar equipe que domina a era híbrida da F1, segundo seu chefe. confira a análise de Adam Cooper e as palavras dos principais envolvidos

Como Mercedes poderá se beneficiar do limite de orçamento da F1

O limite de orçamento da Fórmula 1 foi introduzido para tornar o esporte mais sustentável e manter as grandes equipes sob controle, mas a Mercedes acredita que as restrições financeiras do esporte podem na verdade ajudá-la a melhorar.

Junto com a sustentabilidade, um dos principais objetivos do limite orçamentário da F1 é controlar o desempenho das equipes de topo nivelando o campo de jogo.

E, no entanto, no estilo típico da Mercedes, o chefe Toto Wolff vê o limite não como um obstáculo para a equipe de Brackley, mas uma oportunidade de se tornar ainda mais forte.

Leia também:

Há muito que esse esporte envolve poder de compra. Não é por acaso que as equipes que dominaram tiveram os maiores orçamentos e, até agora, não houve nenhum limite oficial para o que eles puderam injetar.

Os regulamentos financeiros da FIA para 2021, com um orçamento máximo de US$ 145 milhões, mudaram tudo isso. Muitas áreas foram excluídas desse número, mas ainda representa uma grande mudança de abordagem para Mercedes, Red Bull e Ferrari.

Todos os três têm estado ocupados embaralhando funcionários em projetos não pertencentes à F1, o que explica por que a Ferrari se comprometeu com um programa de carros esportivos e por que a Mercedes está ocupada procurando clientes para sua divisão de Ciências Aplicadas.

Dado que o dinheiro extra é um benefício em todas as áreas, é óbvio que reduzir os gastos afetará a competitividade. No entanto, há outro resultado importante - a interrupção causada pela reorganização e redução necessárias.

As antigas equipes de meio de grid esperam poder se beneficiar dos problemas para as equipes que gastam muito na F1. Antes, a Aston Martin fez questão de ser enxuta, mesquinha e eficiente, e o limite do orçamento caiu na medida certa e, portanto, a equipe não teve que ajustar drasticamente sua maneira de trabalhar. É uma situação semelhante na Alpine.

“É tudo uma questão de fazer o carro andar mais rápido, mas também de eficiência”, disse o diretor executivo da Alpine, Marcin Budkowski. “Estamos trabalhando muito na eficiência da equipe, trabalhando melhor, trabalhando de forma mais inteligente com os recursos que temos.”

“Felizmente, nunca fomos a equipe com melhor financiamento. Sempre fomos conhecidos como uma equipe eficiente e provavelmente estamos em uma posição melhor do que as equipes principais quanto ao limite de custos, então, obviamente, queremos capitalizar isso no futuro.”

O regulamento mostra em que nível de detalhamento as discussões se estenderam no momento de sua finalização - há menção a assuntos como distribuição de licença-maternidade, auxílio-doença e salário de mecânicos cuja função principal é preparar carros históricos. As equipes agora precisam cavar cada libra, euro ou dólar que gastam abaixo do limite.

O processo de voltar ao básico, rastrear e justificar do zero todos os gastos em cada departamento de uma empresa, é conhecido como orçamento zero.

“Minha experiência na minha vida pessoal de negócios foi que às vezes passar por uma abordagem de orçamento zero mostra quanto você realmente deixou sobre a mesa”, disse Wolff.

“E quanto você transportou de ano para ano, esse foi o custo do que poderia ter sido evitado simplesmente simplificando os processos e a organização em geral.”

“Atuar no mundo da F1 não é apenas uma questão de dinheiro. Você pode ter mais dinheiro, mas não agir como deveria. E vimos exemplos disso no passado.”

Uma das principais vantagens do poder de compra está no desenvolvimento e na capacidade de colocar grupos de pessoas em projetos especiais que podem não pagar dividendos por um ou dois anos.

As restrições dos testes aerodinâmicos até certo ponto já nivelaram o campo de jogo, já que as equipes não podem mais correr 24 horas por dia, 7 dias por semana em mais de um túnel de vento, como acontecia há alguns anos.

No entanto, as equipes mais ricas ainda podiam trazer mais iterações de carroceria para a pista com mais frequência, porque tinham os recursos de produção. Enquanto isso, do lado mecânico, não houve restrições, permitindo que as grandes equipes buscassem inovações.

Agora, todas as equipes precisam ter disciplina para gastar onde acreditam que será importante - elas não podem mais se dar ao luxo de buscar várias soluções para o mesmo problema e, em seguida, descartar aquelas que não funcionam. Eles têm que ser mais espertos e decidir que direção tomar antes que muito tempo e esforço tenham sido gastos.

“Nunca perdemos [recursos]”, diz Wolff. “Porque para nós priorizar sempre foi a chave de como funcionamos, ao invés de tentar fazer A, ou A e B. Sempre abordamos A e / ou B, porque você simplesmente coloca mais ênfase no que você acha que trará você mais desempenho.”

“Mas o limite de custo levou isso a um novo nível, porque não estávamos operando antes dentro de uma restrição de custo regulatória. E isso significa que você precisa entender seus processos.”

Mercedes AMG F1 W12 with Lewis Hamilton, Toto Wolff and Valtteri Bottas

Mercedes AMG F1 W12 with Lewis Hamilton, Toto Wolff and Valtteri Bottas

Photo by: Daimler AG

“Cada item tem seu custo reduzido ou avaliado. E você precisa ajustar a forma como opera. Mas acreditamos que é uma vantagem de desempenho, porque nos obriga a repensar o que fazemos e como o fazemos.”

“E isso significará que haverá ainda mais ênfase e foco nas áreas que, acreditamos, trazem o melhor desempenho.”

Crucial para tudo isso é que o limite de orçamento atingiu o mesmo ano em que as equipes têm que competir e desenvolver seus carros de 2021 enquanto aperfeiçoam novos conceitos para 2022.

Até 31 de dezembro, eles podiam trabalhar sem restrição financeira em ambos, pelo menos no lado mecânico, já que a pesquisa aerodinâmica foi proibida até 1º de janeiro. Isso ajudou as equipes maiores a começarem em 2022, simplesmente porque tinham mais gente disponível para olhar a longo prazo.

Essa janela de oportunidade se fechou e as equipes agora precisam dividir fundos preciosos entre competir nesta temporada e o desenvolvimento para 2022, da mesma forma que precisam tomar decisões sobre como dividir o tempo do túnel de vento e o uso de CFD.

“Esta é uma questão que você precisa encontrar soluções para cada ano”, disse Wolff. “Como você equilibra o carro atual e o tempo de desenvolvimento que deseja dar a ele em relação ao carro do próximo ano?”

“E para 2022 torna-se um tema ainda mais crítico, pelo alcance das mudanças. E haverá equipes que se concentrarão muito em 2022 desde o início, e outras equipes que verão grandes oportunidades para o Campeonato Mundial de 2021.”

“E para nós, será crucial ter a visão certa sobre como queremos equilibrar o desenvolvimento para o próximo ano. Está sujeito a discussões todas as semanas.”

Um limite de gastos não se trata apenas de desenvolvimento - ele afeta todas as áreas das corridas. O diretor técnico da Mercedes, James Allison, revelou no lançamento do W12 que a equipe está cortando custos simplesmente reduzindo o número de peças que precisa produzir.

“Existem desenvolvimentos para tentar fazer com que as peças durem mais tempo”, disse ele. “Para que não tenhamos que substituí-los com tanta frequência, para que, com um limite de orçamento, possamos operar com mais eficiência.”

Com os projetos duplos em andamento, 2021 é claramente uma temporada difícil para as equipes de topo. No entanto, eles também terão que se ajustar a uma queda no limite de orçamento de US$ 145 milhões para US$ 140 milhões em 2022, e então para US$ 135 milhões em 2023, o que certamente significará mais cortes no número de funcionários.

Os líderes de sempre podem se ajustar ao novo mundo de gastos limitados e permanecer um passo à frente dos demais? Wolff está confiante de que sua equipe pelo menos está no caminho certo.

“O limite do orçamento é extremamente importante na minha opinião”, disse ele. “Porque os custos aumentaram nos últimos 10-15 anos e isso se tornou insustentável.”

“E, dessa forma, estamos agora operando no mesmo arcabouço financeiro. E fica empolgante, pois não haverá muitas diferenças em termos de gastos entre as equipes.

“Amamos o desafio. Nós o aceitamos e às vezes é muito doloroso porque todos os seus processos precisam ser adaptados no final para obter mais eficiência.”

“Descobrimos durante o processo que na verdade eficiência significa desempenho. O grupo que trabalhou em torno do projeto fez um trabalho fantástico. E acredito que estamos em uma boa posição para extrair o máximo dos recursos limitados que estão disponíveis.”

Parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

MERCEDES 2021: Veja carro que pode render OCTA e RECORDES a HAMILTON e manter sua HEGEMONIA na F1

PODCAST: Como seria a transmissão dos sonhos da F1 no Brasil?

 

compartilhar
comentários
Veja sete fatos que marcaram os lançamentos dos carros da F1 na semana

Artigo anterior

Veja sete fatos que marcaram os lançamentos dos carros da F1 na semana

Próximo artigo

Mercedes "não tem dúvidas" sobre comprometimento de Hamilton com F1

Mercedes "não tem dúvidas" sobre comprometimento de Hamilton com F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Adam Cooper