Fórmula 1
07 ago
Treino Livre 3 em
08 Horas
:
48 Minutos
:
22 Segundos
04 set
Próximo evento em
26 dias
R
GP da Toscana
11 set
Próximo evento em
33 dias
R
GP de Singapura
17 set
Canceled
R
GP da Rússia
25 set
Próximo evento em
47 dias
R
GP do Japão
08 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
23 out
Canceled
R
GP do México
30 out
Canceled
R
GP do Brasil
13 nov
Canceled
R
GP de Abu Dhabi
27 nov
Próximo evento em
110 dias

Das pioneiras no século XIX ao futuro: a trajetória das mulheres no esporte a motor

compartilhar
comentários
Das pioneiras no século XIX ao futuro: a trajetória das mulheres no esporte a motor
Por:
, Repórter
8 de mar de 2020 12:03

Em um esporte ainda muito marcado pela predominância masculina, as mulheres tentam buscar seu espaço no esporte a motor há décadas; relembre as pioneiras e as que estão hoje fazendo seu nome e o que esperar para o futuro

Neste dia 08 de março, é celebrado o Dia Internacional da Mulher. A data foi instituída em 1975 pela Organização das Nações Unidas, mas desde o início do século XX há celebrações similares ao redor do mundo. O dia marca não apenas uma celebração da mulher, mas também um protesto por direitos e pela igualdade de tratamento.

No mundo do esporte a motor, ainda há uma predominância masculina, mas, pouco a pouco, as mulheres estão conquistando espaço em todas as áreas. De pilotos a engenheiras e chefes de equipe, passando pelas fãs, a presença feminina no automobilismo cresce ano a ano, mas ainda com um longo caminho a ser percorrido.

Leia também:

Na celebração desta data, organizamos uma reportagem especial recontando um pouco da trajetória das mulheres no esporte a motor, dividido em três partes: primeiro, as pioneiras do grid, contando a história de cinco mulheres que abriram o caminho. Segundo, as mulheres que estão deixando sua marca no automobilismo nos últimos anos. E, para finalizar, uma perspectiva sobre o futuro.

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)

Photo by: LAT Photographic

Parte 1: As pioneiras do grid

As corridas de automóveis datam de 1867, mas a primeira participação de mulheres nesses eventos foi acontecer somente 30 anos depois. Em 11 de junho de 1897, em Paris, oito mulheres resolveram realizar uma corrida entre elas, a bordo de triciclos motorizados. O evento ficou conhecido como "Campeonato das Cadeiras Motorizadas".

Na edição de 1987, e nas outras duas vezes que a prova foi realizada, a vencedora foi a mesma: Léa Lemoine, que ganhava como prêmio uma pulseira. O campeonato fazia parte de um evento específico para pessoas da área cultural de Paris, como atores, músicos e figurinistas.

Mas a participação dessas mulheres não ficou restrita ao "Campeonato de Cadeiras Motorizadas". Nos anos seguintes, elas passaram a competir em outros eventos automobilísticos ao redor da Europa, incentivando outras a participar.

A própria Léa Lemoine terminou em quinto lugar na edição de 1897 da Copa das Motos, enquanto Madame Laumaillé, outra participante do Campeonato, foi a 27ª na prova feita entre as cidades de Marselha e Nice. Já fora da França, a belga Madame Labrousse foi a quinta colocada na classe de carros de três lugares na corrida Bruxelas - Spa - Namur, realizada em 1899, a bordo de um carro da Panhard.

Galeria
Lista

Léa Lemoine em seu triciclo motorizado

Léa Lemoine em seu triciclo motorizado
1/4

Foto de: Acervo pessoal

Odette Siko e Marguerite Mareuse nas 24 Horas de 1930

Odette Siko e Marguerite Mareuse nas 24 Horas de 1930
2/4

Foto de: ACO

Michèle Mouton durante etapa do WRC em 2011

Michèle Mouton durante etapa do WRC em 2011
3/4

Foto de: XPB Images

Michèle Mouton e Hans-Joachim Stuck na Corrida dos Campeões

Michèle Mouton e Hans-Joachim Stuck na Corrida dos Campeões
4/4

Foto de: Race of Champions

Na década de 30, uma francesa se destacou na maior prova do automobilismo mundial: as 24 Horas de Le Mans. Na edição de 1930, Odette Siko e Marguerite Mareuse fizeram história como a primeira equipe totalmente feminina a entrar na corrida e já em seu primeiro ano tiveram uma boa performance, terminando em sétimo lugar no geral.

Dois anos depois, Odette fazia sua terceira participação e chegava ao seu melhor resultado: quarto lugar geral e a vitória na categoria 2 Litros. Odette foi a primeira de dez mulheres a vencer na história de Le Mans, sendo a mais recente em 1975 com as francesas Marianne Hoepfner e Michèle Mouton.

Mouton pode ser uma vencedora de Le Mans, mas sua carreira foi construída no mundo do rali. Correndo com a Audi, ela terminou a temporada de 1982 do Campeonato Mundial de Rali com o vice-campeonato, após vencer três etapas daquele ano. Até o momento, esse continua sendo o melhor resultado de uma piloto em mundiais.

Na Fórmula 1, foram necessários apenas oito anos para que a primeira mulher se juntasse ao grid, um curto espaço de tempo considerando que a última vez que uma participou de uma corrida foi há mais de 40 anos.

Em 15 de junho de 1958, a italiana Maria Teresa de Filippis fazia história ao se alinhar no grid da F1 para o GP da Bélgica. Maria se classificou em 19º das 20 vagas possíveis para o grid, a bordo de uma Maserati, o carro mais lento do grid. Para uma contextualização, dos 7 carros da Maserati naquela prova, 5 deles foram os últimos.

Foi nesse GP mesmo que ela conseguiu sua melhor performance nas cinco corridas que esteve envolvidas na categoria: décimo lugar. Das outras provas, ela não terminou em duas enquanto nas demais não conseguiu se classificar para a etapa.

Em uma entrevista ao jornal britânico The Guardian em 2006, de Filippis falou que sua entrada no automobilismo se deu após uma aposta entre dois de seus irmãos. O tema? Se ela era capaz de pilotar rápido. Ela levou a aposta a sério e começou a treinar, vencendo a primeira prova que participou, na corrida entre Salerno e Caverna di Tirreni em um Fiat 500.

Galeria
Lista

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)
1/7

Foto de: LAT Images

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)
2/7

Foto de: LAT Photographic

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)

Maria Teresa de Filippis (Maserati 250F)
3/7

Foto de: LAT Photographic

Lella Lombardi, Vittorio Brambilla, Robin Herd, com o March 761

Lella Lombardi, Vittorio Brambilla, Robin Herd, com o March 761
4/7

Foto de: LAT Images

Lella Lombardi, Lavazza March

Lella Lombardi, Lavazza March
5/7

Foto de: LAT Images

John Nicholson a frente de Lella Lombardi (carro 10) e Tony Trimmer

John Nicholson a frente de Lella Lombardi (carro 10) e Tony Trimmer
6/7

Foto de: David Phipps

Lella Lombardi (Lavazza March 751 Ford), 6th position, leads Bob Evans (Stanley BRM P201), retired

Lella Lombardi (Lavazza March 751 Ford), 6th position, leads Bob Evans (Stanley BRM P201), retired
7/7

Foto de: LAT Photographic

Segundo de Filippis, seus pais eram céticos no início, por serem mais interessados em cavalos, mas que nunca foram contra os sonhos dela, devido ao fato dela já ter ganho a primeira prova que participou. Sobre o tratamento dos homens, ela acredita que o seu sucesso imediato ajudou a sofrer menos preconceito.

O único momento de preconceito que ela recorda foi quando tentou disputar o GP da França, mas ouviu a seguinte frase do organizador da prova: "O único capacete que uma mulher deve usar é o do cabeleireiro". Quanto aos pilotos, ela recorda das interações com o pentacampeão Juan Manuel Fangio, porque ela correu em 1958 com o carro que Fangio havia conquistado seu penta no ano anterior.

"Ele costumava me dizer: 'Você vai muito rápido, corre muitos riscos'. Eu não tinha medo da velocidade, e isso nem sempre era algo bom naquela época. Ele tinha medo de que eu sofresse um acidente".

Depois de de Filippis, outras quatro pilotos tentaram a sorte no mundo da Fórmula 1, mas apenas uma delas conseguiu se qualificar para GPs. E sua passagem deixou uma marca.

Lella Lombardi iniciou sua trajetória muito antes da F1. Antes de pilotar um carro na principal categoria do automobilismo mundial, a italiana já havia competido e ganhado em campeonatos como a F3 Italiana e F-Ford México. Após uma tentativa frustrada de se classificar para o GP da Grã-Bretanha em 1974, ela recebeu um convite para se juntar à equipe March como piloto titular para o ano seguinte.

Sua primeira corrida na F1 foi o GP da África do Sul, quebrando um período de 16 anos sem uma mulher no grid. Ficou na pista por poucas voltas, precisando se retirar devido a um problema com o carro. E na prova seguinte, na Espanha, terminou em sexto e pontuando, única vez em sua trajetória na categoria. Até hoje, ela é a única mulher a pontuar no mundial.

Indo para os Estados Unidos, Janet Guthrie fez história como a primeira mulher a se classificar para as 500 Milhas de Indianápolis na edição de 1977.

A participação de Janet levou a uma pequena mudança em uma das tradições da prova. Ao invés do clássico "Senhores, liguem seus motores", Tony Hulman, dono do Indianápolis Motor Speedway falou: "Acompanhados da primeira mulher a se classificar para as 500 Milhas de Indianápolis, senhores, liguem seus motores".

Galeria
Lista

Janet Guthrie

Janet Guthrie
1/6

Foto de: IMS LLC

Janet Guthrie

Janet Guthrie
2/6

Foto de: IMS LLC

Jim Philippe e Janet Guthrie

Jim Philippe e Janet Guthrie
3/6

Foto de: indyracing.com photo by Ron McQueeney

Janet Guthrie e Sarah Fisher

Janet Guthrie e Sarah Fisher
4/6

Foto de: indyracing.com photo by Ron McQueeney

Janet Guthrie, Rolla Vollstedt e a equipe

Janet Guthrie, Rolla Vollstedt e a equipe
5/6

Foto de: Indianapolis Motor Speedway

Janet Guthrie e Tom Carnegie

Janet Guthrie e Tom Carnegie
6/6

Foto de: indyracing.com photo by Ron McQueeney

Mas a melhor participação de Janet foi na edição seguinte, em 1978. Naquela ocasião, ela se classificou em 15º para a prova e terminou em um impressionante nono lugar, que ficou como a melhor posição de chegada de uma mulher nas 500 Milhas até os anos 2000.

Janet surpreendeu a todos após a corrida, com um detalhe que ela explicou em uma entrevista à televisão: que ela havia corrido com o pulso fraturado, algo que ela tinha escondido de todos, inclusive de sua equipe.

Na festa que marcou sua entrada no Hall da Fama do Automobilismo Americano, Janet falou do desafio que foi colocar o carro na pista em 78: "Eu montei e gerenciei a equipe sozinha, com um orçamento cerca de 5% do total de uma equipe grande que disputava a temporada inteira. Comprei o carro e os motores, contratei a equipe, aluguei os apartamentos e mesmo com alguns problemas, ainda terminei entre os dez melhores".

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Photo by: Geoffrey M. Miller / Motorsport Images

Parte 2: Buscando o espaço no automobilismo nos dias atuais

A partir dos anos 2000, uma nova leva de pilotos surgiu, obtendo grandes resultados em diversas categorias do automobilismo mundial.

Um dos grandes nomes entre as mulheres do automobilismo mundial é, sem dúvidas, Danica Patrick. A americana, que se aposentou das pistas em 2018, conseguiu marcas importantes nas duas principais categorias do país: a Indy e a NASCAR.

Na Indy, Danica obteve uma vitória ao longo das sete temporadas que disputou na categoria. Na Indy Japão 300 de 2008, Danica saiu da sexta posição para ser a primeira a cruzar a linha de chegada, quase seis segundos a frente de Helinho Castroneves. Para isso, ela apostou na economia de combustível. Após a corrida, visivelmente emocionada, ela falou sobre como foi sua prova.

"Era algo que eu esperava há muito tempo. Não posso dizer que a última parte da prova foi difícil para mim, porque nós estamos sempre cuidando do carro. No final, eu senti que o carro estava rápido e eu consegui conservar o combustível mesmo acelerando. O meu engenheiro falou que só tinha o Hélio na minha frente e eu fui atrás", disse Danica.

Galeria
Lista

Danica Patrick, Premium Motorsports Chevrolet Camaro

Danica Patrick, Premium Motorsports Chevrolet Camaro
1/13

Foto de: Alexander Trienitz

Danica Patrick, Premium Motorsports Chevrolet Camaro

Danica Patrick, Premium Motorsports Chevrolet Camaro
2/13

Foto de: Matthew T. Thacker / Motorsport Images

Danica Patrick, Premium Motorsports Chevrolet Camaro

Danica Patrick, Premium Motorsports Chevrolet Camaro
3/13

Foto de: Alexander Trienitz

Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Helio Castroneves, Team Penske Chevrolet, Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Helio Castroneves, Team Penske Chevrolet, Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
4/13

Foto de: Michael L. Levitt LAT Photo USA

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet, pit stop

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet, pit stop
5/13

Foto de: Scott R LePage / Motorsport Images

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
6/13

Foto de: Scott R LePage / Motorsport Images

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
7/13

Foto de: Scott R LePage / Motorsport Images

Danica Patrick

Danica Patrick
8/13

Foto de: Earl Ma

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
9/13

Foto de: Michael L. Levitt LAT Photo USA

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
10/13

Foto de: Geoffrey M. Miller / Motorsport Images

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
11/13

Foto de: Scott R LePage / Motorsport Images

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
12/13

Foto de: Michael L. Levitt LAT Photo USA

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet

Danica Patrick, Ed Carpenter Racing Chevrolet
13/13

Foto de: Scott R LePage / Motorsport Images

Sua história na Indy não ficou restrita a essa prova. Entre os pódios conquistados por Danica, está o terceiro lugar nas 500 Milhas de Indianápolis de 2009, terminando a pouco mais de dois segundos de Castroneves, o vencedor. Essa é a melhor posição de chegada de uma mulher na história da prova.

Após sua saída da Indy, Danica foi para a NASCAR, e em 2013 fez sua primeira temporada regular na Cup Series, a categoria principal. E já chegou deixando seu nome na etapa mais importante do campeonato: a Daytona 500. Na prova, que abre o calendário da NASCAR, Danica fez a pole position, sendo a primeira mulher a conseguir a pole em Daytona. A americana continuou correndo até 2018, quando anunciou sua aposentadoria das pistas, mas continua fazendo aparições esporádicas como comentarista.

GALERIA: Relembre mulheres que triunfaram na Fórmula 1

Galeria
Lista

Gill Jones, chefe de eletrônica da Red Bull Racing

Gill Jones, chefe de eletrônica da Red Bull Racing
1/13

Foto de: Sutton Motorsport Images

Kim Stevens engenheira de aerodinâmica da Mercedes

Kim Stevens engenheira de aerodinâmica da Mercedes
2/13

Foto de: XPB Images

Victoria Vowles, diretora de serviços de sócios da Mercedes

Victoria Vowles, diretora de serviços de sócios da Mercedes
3/13

Foto de: Pirelli

Marga Torres Díez, engenheira de motores da Mercedes

Marga Torres Díez, engenheira de motores da Mercedes
4/13

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Hanna Schmitz, estrategista senior da Red Bull

Hanna Schmitz, estrategista senior da Red Bull
5/13

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Britta Seeger, membro da junta diretiva da Daimler AG, Mercedes-Benz Cars

Britta Seeger, membro da junta diretiva da Daimler AG, Mercedes-Benz Cars
6/13

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Bernie Collins, engenheira da Racing Point

Bernie Collins, engenheira da Racing Point
7/13

Foto de: Sutton Motorsport Images

Bernardette "Bernie" Collins,engenheira de performance, rendimento e estratégia da Force Inda

Bernardette "Bernie" Collins,engenheira de performance, rendimento e estratégia da Force Inda
8/13

Foto de: XPB Images

Ruth Buscombe, estrategista da Alfa Romeo

Ruth Buscombe, estrategista da Alfa Romeo
9/13

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Monisha Kaltenborn, diretora da Sauber entre 2010 e 2017

Monisha Kaltenborn, diretora da Sauber entre 2010 e 2017
10/13

Foto de: Andrew Hone / Motorsport Images

Claire Williams, chefe da equipe Williams

Claire Williams, chefe da equipe Williams
11/13

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Silvia Hoffer Frangipane (esquerda), chefe de comunicações da Ferrari

Silvia Hoffer Frangipane (esquerda), chefe de comunicações da Ferrari
12/13

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Tatiana Calderón, piloto de testes e embaixadora da Alfa Romeo

Tatiana Calderón, piloto de testes e embaixadora da Alfa Romeo
13/13

Foto de: Alfa Romeo

Na Fórmula 1, vários nomes estiveram ligados à categoria nos últimos anos, mas um se destaca pela sua participação ativa: Susie Wolff.

A carreira de Susie nas pistas é extensa, tendo corrido na Fórmula Renault Britânica e na DTM, onde esteve por sete anos. Enquanto ainda corrida pelo campeonato alemão, assinou com a Wiliams como piloto de desenvolvimento. Dois anos depois, tornou-se piloto de testes da equipe britânica, onde passou a ganhar mais visibilidade.

No total, ela participou de quatro finais de semana de GPs, pilotando os carros da Williams no primeiro treino livre das sextas-feiras. Sua primeira participação, no GP da Grã-Bretanha de 2014, marcou a volta de uma piloto a um final de semana de F1 após uma ausência de 22 anos, quando Giovanna Amatti não conseguiu classificar sua Brabham para o GP do Brasil de 1992.

Mas, no ano seguinte, Susie anunciou que estaria se aposentando das pistas, mas não do automobilismo. Atualmente, ela é chefe da equipe Venturi na Fórmula E, casa de Felipe Massa na categoria.

Galeria
Lista

Susie Wolff como piloto de desenvolvimento da Williams

Susie Wolff como piloto de desenvolvimento da Williams
1/12

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

Susie Wolff, Williams FW37

Susie Wolff, Williams FW37
2/12

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

Susie Wolff

Susie Wolff
3/12

Foto de: Sutton Motorsport Images

Valtteri Bottas, Felipe Massa, Susie Wolff e Alex Lynn, lançamento do FW37

Valtteri Bottas, Felipe Massa, Susie Wolff e Alex Lynn, lançamento do FW37
4/12

Foto de: Alastair Staley / Motorsport Images

Valtteri Bottas, Pastor Maldonado, Susie Wolff

Valtteri Bottas, Pastor Maldonado, Susie Wolff
5/12

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Felipe Massa, Edoardo Mortara, Susie Wolff, com a equipe Venturi

Felipe Massa, Edoardo Mortara, Susie Wolff, com a equipe Venturi
6/12

Foto de: Dom Romney / Motorsport Images

Susie Wolff e Toto Wolff

Susie Wolff e Toto Wolff
7/12

Foto de: Dan Bathie / Motorsport Images

Susie Wolff em entrevista a Nicki Shields

Susie Wolff em entrevista a Nicki Shields
8/12

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Katherine Legge, Mahindra Racing

Katherine Legge, Mahindra Racing
9/12

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

Katherine Legge, Mahindra Racing, M5 Electro

Katherine Legge, Mahindra Racing, M5 Electro
10/12

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Simona de Silvestro, Venturi Formula E

Simona de Silvestro, Venturi Formula E
11/12

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

Simona de Silvestro e Alexander Sims

Simona de Silvestro e Alexander Sims
12/12

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Na Fórmula E, as mulheres estão presentes desde o início da categoria, em 2014. Na primeira prova da história, o ePrix de Pequim, haviam duas entre os 20 pilotos que participaram da corrida: a britânica Katherine Legge e a italiana Michela Cerruti.

Mas, como o grid da F-E era muito instável em seu primeiro ano, com muitas trocas de pilotos, as duas ficaram pouco tempo por lá. Após duas etapas, Legge foi trocada pelo mexicano Salvador Durán na equipe Amlin Aguri, enquanto Cerruti saiu da equipe Trulli depois da quarta prova.

Antes do fim da primeira temporada, outra piloto se juntou à categoria: Simona de Silvestro. A suíça fez a rodada dupla de Londres e acabou sendo recontratada para disputar a temporada 2015/16 como piloto titular da equipe Andretti, chegando a pontuar duas vezes.

Desde a saída de Simona, nenhuma outra mulher correu pela categoria, mas a F-E continua incentivando a participação feminina, chegando a fazer um teste de pilotos novatos que contou com nove mulheres na pista na Arábia Saudita em 2018.

Fora das pistas, vale destacar também o feito de Leena Gade. Em 2011, a britânica fez história como a primeira mulher engenheira a vencer as 24 Horas de Le Mans, com a Audi e o trio de Marcel Fässler, Andre Lotterer e Benoît Tréluyer. No ano seguinte, ela foi nomeada a "Homem do Ano" (Man of the Year em inglês) do Campeonato Mundial de Endurance da FIA.

Jamie Chadwick at the drivers autograph session

Jamie Chadwick at the drivers autograph session

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Parte 3: O que podemos esperar para o futuro?

Ainda é muito cedo para afirmar com tanta certeza, mas, pela situação que vemos agora, estamos há alguns anos de distância de conhecer a próxima piloto da F1, que continuará o legado de Maria Teresa de Filippis e Lella Lombardi. Outras já tentaram, mas não conseguiram, como Desiré Wilson, Giovanna Amatti, Susie Wolff e Carmem Jordá.

Mas há mulheres que estão tentando chegar lá, como Tatiana Calderón, da F2, que atua também como piloto de testes da Alfa Romeo e Jamie Chadwick, que recentemente assinou com a Williams como piloto de desenvolvimento.

Jamie é atual campeã da W Series, campeonato criado para dar mais espaço às mulheres no automobilismo e que terá no grid de 2020 a brasileira Bruna Tomaselli. A categoria, que correu junto com a DTM em sua temporada inaugural, em 2019, usa o mesmo carro da Fórmula Regional Europeia, um F3. Mas sua criação dividiu opiniões à época.

No lançamento da W Series, a CEO da categoria, Catherine Bond Muir destacou a importância do campeonato como incentivador da presença das mulheres no mundo do automobilismo.

"Estamos enfrentando esse problema de frente porque precisamos aumentar o número de mulheres correndo, para que elas possam acumular experiência e conseguir evoluir para os principais campeonatos no futuro. Eu acho que há um problema estrutural no esporte a motor. As mulheres não tiveram a oportunidade ainda porque elas não tiveram a chance de conseguir os patrocínios necessários para continuar crescendo no esporte", afirmou.

Galeria
Lista

Esmee Hawkey, Jessica Hawkins, Tasmin Pepper

Esmee Hawkey, Jessica Hawkins, Tasmin Pepper
1/7

Foto de: Alexander Trienitz

Bruna Tomaselli, Programa de seleção W Series

Bruna Tomaselli, Programa de seleção W Series
2/7

Foto de: Divulgacao

Sabre Cook

Sabre Cook
3/7

Foto de: Alexander Trienitz

Sabre Cook

Sabre Cook
4/7

Foto de: Alexander Trienitz

Track action in the WSeries Tatuus F3 T-318 car

Track action in the WSeries Tatuus F3 T-318 car
5/7

Foto de: W Series

W Series testing, day 1

W Series testing, day 1
6/7

Foto de: W Series

Bruna Tomaselli, USF 2000 e W Series

Bruna Tomaselli, USF 2000 e W Series
7/7

Foto de: Divulgacao

Antes mesmo de seu anúncio oficial, Michèle Mouton já havia rebatido uma ideia similar proposta por Bernie Ecclestone. Em entrevista ao Motorsport.com à época, ela disse ser totalmente contra a ideia por defender que as mulheres são capazes de correr no mesmo nível que os homens.

"Quando você tem a possibilidade de estar no mesmo nível, isso não faz sentido. Quando você está atrás do volante, quem pode dizer se você é um homem ou uma mulher? Não vejo razões para segregar as mulheres. No fim do dia, você está correndo na mesma pista e mesmo com uma série só de mulheres, as pessoas vão comparar os tempos de volta".

Em 2006, falando ao The Guardian, a primeira mulher a pilotar um carro de F1, Maria Teresa de Filippis comentou sobre a presença das mulheres no automobilismo.

"Eu acredito que as mulheres podem competir de igual com os homens, mas sempre seremos poucas. A força física necessária não é uma característica feminina. Esses pescoços de touro por exemplo não são coisas bonitas de se ver. Mas fico surpresa de ainda não termos mais. Existe a questão do dinheiro. Muitos patrocinadores não acreditam que uma mulher pode competir de igual para igual. É uma pena, porque haveria muito interesse se tivermos uma mulher na Fórmula 1".

A atuação das mulheres no mundo do automobilismo está indo além de apenas incentivar a entrada de outras mulheres no esporte. Para a britânica Nathalie McGloin, é também uma luta para buscar espaço para as pessoas com deficiência.

McGloin, que ficou tetraplégica aos 16 anos após um acidente de carro, conheceu o automobilismo quando já usava cadeira de rodas. Quando um amigo comprou um carro similar ao seu, ele fez uma aposta com Nathalie que o carro dele era mais rápido. Para resolver a questão, eles foram a um track day e, a partir dali, ela se apaixonou com o esporte.

"Eu amo correr porque eu amo o fato de que nada importa com relação a quem está pilotando a não ser a sua posição de chegada. Deficiência, religião, raça, nada importa. O que importa é a sua capacidade", falou Nathalie em entrevista à CNN. "Quando estou correndo, eu deixo minha cadeira de rodas no pit. Quando chego ao grid vestindo o capacete, ninguém sabe que sou mulher ou que tenho uma deficiência. Sou apenas outro piloto. E é assim que as coisas devem ser".

Nathalie é uma das embaixadoras do projeto Dare to Be Different (Ouse ser Diferente), fundado por Susie Wolff e a Federação de Automobilismo do Reino Unido, que tem como objetivo introduzir meninas ao mundo do esporte a motor de todos os ângulos: de piloto e mecânicos até repórteres.

"A razão por trás da falta de visibilidade das mulheres na F1 é porque faltam mulheres na base. É um ciclo vicioso. Elas não veem mulheres no automobilismo e acabam não tendo a vontade de se envolver com o esporte. Com o projeto, nós tentamos incutir nelas o pensamento de que o esporte a motor é legal e divertido, algo que elas vão querer praticar", afirmou Nathalie em um dos vídeos divulgados pelo projeto.

O projeto não é o único a tentar lidar diretamente com esse problema. Em 2009, a Federação Internacional de Automobilismo anunciou a criação de uma comissão específica sobre mulheres no esporte a motor. Coordenada por Michèle Mouton, a comissão pretende encorajar a entrada de mulheres no esporte, não apenas como piloto, mas também nas áreas técnicas.

"Nós estamos dando o nosso máximo para ajudar, promover e encorajar uma participação feminina maior, detectar novos talentos... Na minha experiência foi uma oportunidade que me colocou nesse esporte. Eu acho que temos que nos esforçar para que as mulheres tenham a mesma chance que os homens, o mesmo equipamento. Porque não somos inferiores e nem especiais", disse Michèle ao Motorsport.com.

Veja pilotos que estão nos grids ao redor do mundo atualmente

Galeria
Lista

A brasileira Bruna Tomaselli, que em 2020 vai disputar a W Series

A brasileira Bruna Tomaselli, que em 2020 vai disputar a W Series
1/8

Foto de: Divulgacao

Amna Al Qubaisi, dos Emirados Árabes Unidos

Amna Al Qubaisi, dos Emirados Árabes Unidos
2/8

Foto de: Virgin Racing

Tatiana Calderón, colombiana que disputou a F2 em 2019

 Tatiana Calderón, colombiana que disputou a F2 em 2019
3/8

A jovem japonesa Juju Noda, que aos 13 anos de idade, vai competir na Fórmula 4 dinamarquesa em 2020

A jovem japonesa Juju Noda, que aos 13 anos de idade, vai competir na Fórmula 4 dinamarquesa em 2020
4/8

A alemã Sophia Flörsch, que em 2020 vai disputar a F3 pela primeira vez

A alemã Sophia Flörsch, que em 2020 vai disputar a F3 pela primeira vez
5/8

Foto de: FIA F3 / Suer

A britânica Sarah Moore, que em 2020 vai integrar o grid da W Series pelo segundo ano

A britânica Sarah Moore, que em 2020 vai integrar o grid da W Series pelo segundo ano
6/8

Foto de: Joe Portlock / Motorsport Images

A italiana Kiara Fontanesi, hexacampeã do Mundial de Motocross Feminino

A italiana Kiara Fontanesi, hexacampeã do Mundial de Motocross Feminino
7/8

A espanhola Ana Carrasco, campeã da temporada 2018 do Mundial Supersport 300

A espanhola Ana Carrasco, campeã da temporada 2018 do Mundial Supersport 300
8/8

Foto de: WSBK

FIA põe fim à regra que limitava mudanças de pintura em capacetes da F1

Artigo anterior

FIA põe fim à regra que limitava mudanças de pintura em capacetes da F1

Próximo artigo

F1: Por coronavírus, GP do Bahrein será realizado com portões fechados

F1: Por coronavírus, GP do Bahrein será realizado com portões fechados
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1 , IndyCar , Le Mans , WRC
Autor Guilherme Longo