Decisão judicial mostra que Mercedes teria perdido recurso por Abu Dhabi-2021

Um evento do International GT Open em Spielberg, em setembro, o Tribunal Internacional de Apelação da FIA disse que seria errado anular o resultado; confira

The Safety Car Lewis Hamilton, Mercedes W12, Lando Norris, McLaren MCL35M, Fernando Alonso, Alpine A521, the rest of the field

The Safety Car Lewis Hamilton, Mercedes W12, Lando Norris, McLaren MCL35M, Fernando Alonso, Alpine A521, the rest of the field

Sam Bloxham / Motorsport Images

Uma decisão judicial 'obscura' sobre uma corrida de GT indicou que a Mercedes teria perdido qualquer recurso sobre a controvérsia do safety car do GP de Abu Dhabi de 2021, quando Lewis Hamilton, inglês das Flechas de Prata, perdeu a taça para Max Verstappen, holandês da Red Bull.

Após disputa semelhante sobre o uso do safety car em um evento do International GT Open em Spielberg, em setembro, o Tribunal Internacional de Apelação da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) disse que seria errado anular o resultado final por um erro do diretor de prova.

O editor recomenda:

O caso demonstra o tipo de pensamento que o tribunal teria seguido, caso a Mercedes tivesse recorrido após a corrida de Abu Dhabi. No final da Fórmula 1 em 2021, o diretor de prova Michael Masi não seguiu os protocolos estabelecidos após um período de safety car quando retomou a corrida faltando uma volta para o final. Depois de colocar pneus novos, Verstappen conseguiu passar Hamilton ao longo da última volta e vencer o campeonato mundial.

Após a corrida, a Mercedes apresentou dois protestos. O primeiro alegava que Verstappen havia ultrapassado Hamilton sob regime safety car, e o segundo que Masi não havia cumprido as regras, pois nem todos os carros retardatários tinham permissão para retornar à volta. Após longas deliberações, os dois protestos foram rejeitados. A Mercedes, então, apresentou uma notificação de intenção de recurso, dando à equipe 96 horas para tomar uma decisão final

O período que se estendeu até a entrega do prêmio de gala da FIA, onde Verstappen receberia o troféu do campeonato. Durante esse período, a FIA confirmou que criaria uma comissão para analisar completamente os eventos e a Mercedes acabou decidindo não prosseguir com o recurso.

Formula One World Champion Max Verstappen, Red Bull Racing

Campeão mundial de Fórmula 1 Max Verstappen, Red Bull Racing

Foto de: FIA

Em um comunicado, a equipe observou: "Juntamente com Lewis, deliberamos cuidadosamente sobre como reagir aos eventos no final da temporada de F1. Sempre fomos guiados pelo nosso amor por esse esporte e acreditamos que toda competição deve ser vencida por mérito. Na corrida de domingo, muitos sentiram, inclusive nós, que a maneira como as coisas se desenrolaram não foi correta".

"A razão pela qual protestamos contra o resultado da corrida no domingo foi porque as regras do safety car foram aplicadas de uma nova maneira que afetou o resultado da corrida, depois que Lewis estava em uma liderança dominante e em vias de vencer o campeonato mundial".

"Recorremos no interesse da justiça esportiva e, desde então, temos mantido um diálogo construtivo com a FIA e a F1 para criar clareza para o futuro, de modo que todos os competidores saibam as regras sob as quais estão correndo e como elas serão aplicadas."

Em relação à investigação da FIA, a equipe acrescentou: "Trabalharemos ativamente com essa comissão para construir uma F1 melhor. Responsabilizaremos a FIA por esse processo e, por isso, retiramos nossa apelação".

Red Bull Racing Team Principal Christian Horner shakes hands with second placed Lewis Hamilton, Mercedes

O diretor da equipe Red Bull Racing, Christian Horner, cumprimenta o segundo colocado Lewis Hamilton, da Mercedes

Foto de: Getty Images / Red Bull Content Pool

O caso da Austrian GT também envolveu o safety car, embora tenha se desenrolado de forma ligeiramente diferente. Após período de bandeira amarela, a relargada ocorreu na ordem errada e, depois da bandeira quadriculada, a Team Motopark apresentou um protesto, pedindo que o resultado fosse alterado ou anulado. Esse protesto, como em Abu Dhabi, foi rejeitado pelos comissários de prova.

A equipe então recorreu e esse recurso foi posteriormente ouvido pelo tribunal da federação espanhola. Os juízes tiveram uma opinião oposta à dos comissários e cancelaram o resultado quase um mês após a realização do evento.

Posteriormente, outra equipe, a Optimum Motorsport, contestou essa decisão levando o caso ao Tribunal Internacional de Recursos. A questão foi julgada no início do mês passado e o resultado completo e a explicação foram divulgados esta semana.

Essencialmente, o tribunal apoiou o julgamento original dos comissários e cancelou a decisão do tribunal espanhol, restabelecendo os resultados da corrida como foi declarado na noite de domingo. Como resultado, os pilotos da Optimum McLaren, Sam De Haan e Charlie Fagg, foram declarados campeões em vez dos pilotos da Eastalent Racing Audi, Christopher Haase e Simon Reicher.

De Haan and Fagg won the GT Open title after a ruling in court

De Haan e Fagg ganharam o título do GT Open depois de uma decisão no tribunal

Foto de: GT Sport

O tribunal internacional de apelação da FIA observou que o "diretor da prova cometeu uma violação dos regulamentos", mas em uma extensa explicação que fez referência a casos anteriores e a todos os regulamentos aplicáveis, declarou que "o tribunal decide, portanto, que nem os comissários de pista nem o NCA [o tribunal nacional espanhol] tinham o poder de cancelar a corrida". 

Observou que há uma cláusula nos regulamentos que lhe permite alterar ou cancelar o resultado de uma corrida, mas também enfatizou que esse poder "deve ser usado em circunstâncias muito restritivas", acrescentando que "o princípio da 'justiça esportiva' ancorado no Artigo 1.1.1 do Código [Esportivo Internacional], que descreve esse princípio como 'fundamental', deve ser central na decisão do tribunal".

Significativamente, a corte internacional acrescentou que "se ele usar seu poder específico para anular ou alterar a classificação, após a violação cometida pelo diretor da prova, ele tentaria retificar uma situação injusta criando outra situação injusta".

O tribunal internacional concluiu que "com base no equilíbrio de interesses, o tribunal decide, portanto, que deve restabelecer a classificação da corrida e não deve usar seu poder específico para anular ou alterar a classificação".

Embora não haja garantia de que o tribunal internacional teria chegado a conclusão semelhante após Abu Dhabi - o que teria confirmado que os comissários de bordo da FIA estavam corretos ao deixar o resultado como estava no domingo - o caso da GT dá boa indicação de como eles abordariam o caso. Ele também sugere que qualquer recurso futuro, caso circunstâncias semelhantes ocorram novamente em um evento de F1, não será bem-sucedido.

As CONSEQUÊNCIAS do 'fico' de Norris: RED BULL vai atrás de QUEM agora que Lando ficará na McLaren?

Podcast #267 - Par ou ímpar: Renovados, quem você escolheria entre Norris e Leclerc?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Haas revela primeiras imagens do carro da temporada 2024
Próximo artigo Andretti rebate 'não' da F1 e detona menção a email não respondido

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil