ANÁLISE: O que será de Sainz após ser trocado por Hamilton na Ferrari?

Entenda quais as opções de espanhol após ver sua vaga ser ocupada pelo heptacampeão mundial

Carlos Sainz, Ferrari

Carlos Sainz, Ferrari

Ferrari

A revelação de que Lewis Hamilton trocará a Mercedes pela Ferrari, que anunciou um novo contrato plurianual para Charles Leclerc na última quinta-feira, significa necessariamente que não há espaço para Carlos Sainz, titular da Scuderia, para além do término de seu atual contrato de 2024 na Fórmula 1.

Leia também:

Sainz deixou claro que deseja que seu futuro esteja garantido antes do início da nova temporada para que ele possa entrar com a cabeça limpa. O espanhol – contratado pelo ex-chefe da Ferrari, Mattia Binotto – pensou que isso significaria na aceitação dos termos ​​com o novo chefe da equipe na F1, Fred Vasseur.

Duas vezes vencedor de corridas, ele se destacou de forma convincente ao lado de Leclerc ao longo de seus três anos como companheiro de equipe. Como tal, Sainz estava em uma posição forte para negociar um aumento salarial e pelo menos uma extensão de dois anos para levar sua permanência na Ferrari até o novo ciclo de regras a partir de 2026.

Mas as negociações se arrastaram. Falando em dezembro, Vasseur classificou isso como um ano agitado: “Tenho que admitir que a última parte da temporada foi um grande caos para todos. Foi muito exigente. Tivemos reuniões e iniciamos a discussão, mas estamos atrasados em relação ao plano inicial.”

Desde então, descobriu-se que Vasseur e o presidente da Ferrari, John Elkann, estavam alinhando outra opção de grande sucesso.

Vasseur celebrates Sainz's 2024 GP win while linking arms with the Spaniard's 2025 replacement

Vasseur celebrates Sainz's 2024 GP win while linking arms with the Spaniard's 2025 replacement

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

No verão passado, Hamilton concordou em estender sua permanência na Mercedes por mais dois anos, até o final de 2025. Essas negociações contratuais também foram prolongadas. Agora parece que o acordo era, na verdade, por um período fixo de um ano, com opção de mais uma temporada.

A equipe de Hamilton incluiu uma cláusula de saída, que parece ter sido exercida em meio à abordagem da Ferrari.

Isso deixa Sainz livre rumo a 2025, quando, tal como está, nada menos que 13 assentos estarão em disputa. Mas as chances de mudança para Haas, VCARB, Williams e Alpine provavelmente estarão entre as opções menos atraentes no momento.

Em vez disso, essas são as possíveis vagas que Sainz e seu agente poderiam considerar com mais firmeza.

Mercedes

Watch: HAMILTON NA FERRARI: Rico Penteado e Felipe Motta analisam 'BOMBA' e projetam Lewis na Scuderia

A mudança impactante de Hamilton agora deixa a Mercedes com um assento disponível para 2025 e além. Esta vaga permitiria que Sainz trocasse um assento de fabricante por outro. E, tendo provado que se sai bem ao lado de Leclerc, Sainz acreditará que pode se encaixar e se comparar igualmente bem com o potencial futuro companheiro de equipe, George Russell.

À medida que a equipe e o piloto avaliam suas opções, as primeiras corridas de 2024 darão uma imagem mais clara do destino da recuperação da Mercedes. Com James Allison retornando para um papel mais prático como diretor técnico, e o W15 marcando um novo conceito de design de carro, haverá muita atenção sobre se o oito vezes campeão de construtores corrigiu sua queda nos efeitos solo para colocar o pressão sobre a Red Bull ou está realmente preso na lama.

Sainz pode apelar para a Mercedes como uma contratação de médio prazo. Seu piloto júnior, Andrea Kimi Antonelli, está provando ser um talento formidável, tendo conquistado os títulos alemão e italiano de Fórmula 4 no mesmo ano, antes de selar o título do Campeonato Europeu de Fórmula Regional na temporada passada. Em 2024, ele ascenderá à FIA F2 com a Prema Racing.

Mas ainda há o risco de Toto Wolff colocá-lo em uma equipe de meio de grid – como foi o acordo com Russell na Williams – para refinar seu ofício de primeira linha, e Sainz seria um substituto pragmático.

No entanto, a mudança de Hamilton para a Ferrari sublinha que os contratos dos pilotos de F1 são maleáveis. Qualquer um pode se mudar pelo preço certo. Como tal, os novos acordos plurianuais que a Ferrari fechou com Leclerc e a McLaren com Lando Norris (notadamente, nenhum especificou a duração exata do contrato) não impedem inteiramente a Mercedes de fazer uma abordagem para que um ou outro se torne o herdeiro de Hamilton.

Red Bull

Sainz certamente também avaliará a ligação com Max Verstappen mais uma vez, dada a forma atual da Red Bull. Sergio Pérez está sem contrato no final do ano e, tendo em conta as suas prolongadas dificuldades, é difícil imaginar que a equipe prolongue essa relação. Em tese, há espaço.

A touch of the familiar - would Sainz consider a Red Bull homecoming alongside Verstappen?

A touch of the familiar - would Sainz consider a Red Bull homecoming alongside Verstappen?

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

O primeiro problema de Sainz é Daniel Ricciardo. O australiano está efetivamente esperando nos bastidores na renomeada VCARB. Ele provavelmente substituirá Pérez em 2025 ou antes, caso o mexicano fracasse nas corridas de abertura e faça o machado da Red Bull balançar mais uma vez no meio da temporada.

Desde que foi descartado pela McLaren para se reunir com a Red Bull em 2023 como terceiro piloto, Ricciardo satisfez todos os critérios. Ele teve um bom desempenho em testes privados e durante sessões de simulador e, ao lado de quebrar um osso na mão em Zandvoort para provocar um período de afastamento, impressionou ao retornar à ação da linha de frente da AlphaTauri.

Apesar de Sainz estar chegando ao mercado, Ricciardo continua sendo o favorito para ocupar o lugar de Pérez em 2025 ou se a Red Bull decidir trocar mais cedo.

A segunda questão para Sainz é qual seria o estado de sua relação de trabalho com Verstappen na segunda vez. O atual tricampeão Verstappen, contratado pela Red Bull até o final de 2028, provavelmente terá poucas dúvidas sobre quem é seu futuro companheiro de equipe, acreditando que pode vencer quem quer que entre pela porta. Mas é importante destacar que ele mantém um relacionamento amigável com Ricciardo. O mesmo não se diz de sua passagem ao lado de Sainz.

Durante as temporadas 2015-2016 como companheiros de Toro Rosso, o relacionamento deveria ter sido turbulento. O consultor de automobilismo da Red Bull, Helmut Marko, chamou isso de “tóxico”, embora isso se devesse mais à dupla que lutava por uma promoção à equipe de ponta. A dinâmica é mais suave agora, já que ambos traçaram seus próprios caminhos na F1 e amadureceram ao longo dos anos. Mas pode continuar a ser uma consideração para Sainz.

Aston Martin

Se os contratos dos pilotos valem o papel em que estão escritos, aparentemente um retorno à McLaren está fora de questão para Sainz. Norris e Oscar Piastri estão trancados a sete chaves, tendo fechado novos acordos nos últimos meses. A Aston Martin, que também investiu fortemente na modernização da sua infra-estrutura e na contratação de pessoal técnico de alto nível, representaria, portanto, uma outra opção.

Durante 2023, entende-se que os executivos da Aston sondaram a disponibilidade e o interesse de Norris e Leclerc. Teoricamente, seria para substituir Fernando Alonso, cujo contrato expira no final do ano. No entanto, a equipe deseja prolongar sua estadia em Silverstone.

Sainz's career moves have oddly mirrored Alonso's. Is Aston Martin the next step?

Sainz's career moves have oddly mirrored Alonso's. Is Aston Martin the next step?

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Havia uma escola alternativa. Dado que Lawrence Stroll quer ganhar campeonatos, e a equipe recentemente assumiu investimentos externos e precisa satisfazer novas partes interessadas, um dia poderá ser necessário um substituto mais competitivo para Lance Stroll. O canadense efetivamente tem um contrato pelo tempo que quiser. Mas se Norris ou Leclerc tivessem manifestado interesse claro, talvez tivesse sido uma oportunidade boa demais para Stroll 'pai' recusar.

Audi

Sainz também pode considerar mais uma aposta. Ambos os pilotos da Sauber estão sem contrato no final desta temporada. Valtteri Bottas disse ao Motorsport.com que qualquer extensão posterior será um indicativo de que ele garantiu uma vaga para 2026, quando a equipe se transformar adequadamente na Audi. Sainz poderia, portanto, avançar para 2025, passar uma temporada se aclimatando com a equipe e dar sua contribuição para iniciar a operação da equipe de corrida e desenvolver o carro.

Alternativamente, ele poderia arriscar e optar por um ano sabático para voltar revitalizado em 2026, quando os novos regulamentos de trem de força e chassi fizerem sua estreia.

A chegada da Audi à F1 não apenas apresenta a Sainz a oportunidade de representar um grande fabricante alemão, mas também a perspectiva de ser um eixo em torno do qual uma equipe pode construir. Sainz completará 30 anos este ano, então é razoável esperar mais sete ou oito anos na F1. Se a Audi for pragmática, comprometida e investir bem, será tempo suficiente para chegar à frente do grid.

As CONSEQUÊNCIAS do 'fico' de Norris: RED BULL vai atrás de QUEM agora que Lando ficará na McLaren?

Podcast #267 - Par ou ímpar: Renovados, quem você escolheria entre Norris e Leclerc?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Sainz se manifesta sobre saída da Ferrari: "Meu futuro será anunciado no tempo certo"
Próximo artigo F1: Quais são os riscos na mudança de Hamilton para a Ferrari?

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil