Diretor de provas da F1, Masi acredita que danos na barreira eram inevitáveis na batida de Grosjean

Michael Masi explicou também o processo de reconstrução da barreira, trocando o guard-rail por blocos de concreto

Diretor de provas da F1, Masi acredita que danos na barreira eram inevitáveis na batida de Grosjean

O diretor de provas da Fórmula 1, Michael Masi, afirmou que o nível de danos ao guard-rail na batida de Romain Grosjean no GP do Bahrein foi resultado da grande quantidade de energia envolvida no acidente, sendo algo inevitável pelas condições.

Após o contato com Daniil Kvyat, Grosjean bateu com força na barreira, a 221 km/h em um ângulo agudo, desfazendo as camadas do guard-rail e permitindo que o chassi fosse parar do outro lado, com metade do carro ficando do lado de dentro da pista.

Leia também:

Masi, que supervisionou a substituição das barreiras de metal por blocos de concreto antes da relargada, concordou que o incidente deixa lições que precisam ser aprendidas.

"A quantidade de energia que vimos, após estar ali no local, olhando tudo, há um limite no que aquilo pode aguentar", disse à Sky Sports. "Mas nós, como FIA, vamos olhar para tudo, conduzir uma investigação completa do incidente para ver o que podemos aprender".

"Seja segurança do carro, equipamentos dos pilotos, itens de segurança em um circuito, tudo que pudermos tirar disso".

Perguntado se o acidente foi uma "aberração", ele disse: "Acho que sim. Essa quantidade de energia precisa ir para algum lugar. Olhem para o carro - a célula de sobrevivência cumpriu sua função, mantendo o piloto seguro e intacto. O halo também fez, mas isso são observações iniciais".

"Vamos revisar o incidente, e ver se há algo para aprender a curto prazo. Mas certamente em termos de integridade das barreiras, vamos avançar já. O reparo que fizeram foi o mais eficiente possível, e o melhor que poderia ser feito naquela situação".

"O Circuito do Bahrein e como eles realizaram tudo de maneira profissional é um caso de olhar para o que tem ao redor e ver o que seria o ideal nas circunstâncias do momento. Eu já estive em diversas situações dessas na minha carreira, e você sempre aprende sobre o que dá e não dá para fazer".

Masi explicou que a principal razão para a barreira ser substituída por blocos de concreto para a relargada é que demoraria demais para garantir a integridade de novas placas de ferro, devido à escala do impacto na barreira e na área.

"Obviamente, o objetivo inicial era controlar o incidente. Assim que isso foi resolvido, iniciamos os reparos. Fui ao local para inspecionar e falei com os engenheiros do circuito sobre o que poderia ser feito".

"É preciso considerar cada circuito, cada tipo de terreno e mais. Então aqui, pela natureza, temos um solo arenoso. Então integridade estrutural é algo que precisa ser pensado. E vários lugares tinham barreiras de concreto disponíveis".

Masi elogiou todos os envolvidos com o incidente.

"O pessoal fez um trabalho incrível. E precisamos dar crédito onde ele merece com a resposta ao incidente. Falo de fiscais, nossa equipe médica com Alan van der Merwe e o Dr. Ian Roberts e o gerenciamento da prova. Não é apenas uma peça. São todos trabalhando juntos".

Pietro Fittipaldi é confirmado pela Haas e vai correr no lugar de Grosjean no GP do Sakhir

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

PODCAST: Domínio da Mercedes tira mérito de Hamilton em suas conquistas?

 

compartilhar
comentários
Vettel critica "falha" de guard rail e fogo em carro de Grosjean
Artigo anterior

Vettel critica "falha" de guard rail e fogo em carro de Grosjean

Próximo artigo

Em coletiva 'bizarra', Pérez diz que tem opções para voltar à F1 em 2022

Em coletiva 'bizarra', Pérez diz que tem opções para voltar à F1 em 2022
Carregar comentários