Entenda como os fãs poderão participar de decisões das equipes de F1

Fichas de torcedor prometem ajudar a gerar renda e aumentar a interação dos aficionados com as escuderias

Entenda como os fãs poderão participar de decisões das equipes de F1

A turbulência desencadeada pela pandemia do coronavírus interrompeu a Fórmula 1 de uma forma nunca antes vista na história do campeonato mundial.

Os bloqueios iniciais atrapalharam o calendário da temporada 2020 da categoria. Então, a ausência de espectadores nas corridas restringiu os níveis de engajamento dos fãs, enquanto a falta de vendas de ingressos impactou as receitas da F1, com as taxas de hospedagem sendo praticamente eliminadas.

Leia também:

Mas, embora a categoria máxima do automobilismo mundial tenha se recuperado ao se preparar para um calendário completo de 23 corridas este ano, os proprietários da Liberty Media e as equipes ainda estão se preparando para alguns momentos difíceis antes que os níveis de renda voltem ao normal.

Outros esportes enfrentaram desafios semelhantes, e isso levou alguns a pensar fora da caixa e buscar novas fontes de receita - bem como maneiras melhores de interagir com os fãs.

Uma das maneiras mais exclusivas de cumprir esses requisitos aconteceu no futebol, com vários clubes importantes adotando 'fichas de torcedor' digitais para ajudar a gerar renda e aumentar o envolvimento dos torcedores.

Os cripto-fichas foram adotados por alguns grandes clubes - incluindo Barcelona, Paris Saint-Germain, Roma e Atlético de Madrid - e ajudaram a levantar milhões de dólares ao longo do caminho.

E, além de os fãs poderem comprar e negociar (e ganhar dinheiro com) as fichas de torcedor nas trocas, eles abriram a porta para o envolvimento direto por meio de votos oficiais para detentores de ficas em algumas decisões do clube.

O Barcelona, por exemplo, realizou uma votação sobre a escolha da arte motivacional que seria usada no vestiário do Camp Nou, enquanto a Juventus permitiu que os torcedores escolhessem a música de celebração que seria tocada sempre que o time marcasse gol.

Outros clubes deram recompensas aos torcedores com as fichas - como poder participar de videoconferências com os principais funcionários ou ter recortes de papelão erguidos em estádios que ainda estão bloqueados para torcedores.

Com os clubes de futebol envolvidos tendo gerado uma receita total de aproximadamente R$ 160 milhões entre eles até agora e os fãs gostando do aumento da interação, era inevitável que outros esportes seguissem o exemplo - e agora a F1 está definida para ser o próximo.

Socios.com no Allianz Stadium

Socios.com no Allianz Stadium

A ideia por trás do conceito das fichas de torcedor é de Alex Dreyfus, CEO da plataforma Socios.com, onde os fãs podem comprar e votar nas decisões do clube.

“Começamos com times de futebol, depois passamos para esportes, críquete e UFC - e agora estamos indo para a Fórmula 1”, revela em entrevista ao Motorsport.com.

Dreyfus espera confirmar um acordo com pelo menos uma equipe de F1 no início deste ano, e isso pode abrir a porta para as outras.

O lançamento de uma ficha não apenas aumentará o fluxo de receita para a equipe de F1 envolvida, mas também atuará como um trampolim para um novo nível de inovação e interação dos fãs no futuro.

Por que não deixá-los ter uma palavra a dizer sobre a pintura do carro, ou o desgaste da equipe - ou quais capacetes escolher para certas corridas?

“Se a equipe quer inovar, toda semana eles vão fazer pesquisas e enquetes, vão ter experiências VIP. Posso ver as novas oportunidades”, disse. “Estou muito confiante de que pode ter muito sucesso.”

O CEO da plataforma adquiriu confiança em trabalhar para a F1 depois que perguntou aos atuais proprietários de fichas na área 'Vestiário' de seu aplicativo se os fãs estariam interessados em apoiar um projeto de equipe de F1 não identificado. A resposta foi um esmagador sim.

Dreyfus acrescentou: “No vestiário, que é essa ideia maluca que tínhamos de dar dinheiro cegamente a um time, acabamos tendo dois milhões e meio de dólares prometidos. Isso nos ajudou muito a entender.”

O modelo de negócios para fichas de fãs é bastante simples. As equipes recebem uma comissão de porcentagem de cada ficha vendida, mais uma parcela das taxas de negociação geradas a partir da compra e venda das fichas em grandes bolsas como Binance ou com a plataforma de criptografia Chiliz.

“Em 2020, como empresa, vendemos mais de R$ 160 milhões para todos os nossos parceiros”, explicou Dreyfus. “E porque mais ou menos estávamos em uma base 50/50, isso significa que os clubes geraram mais de R$ 80 milhões no total.

“Existem alguns clubes que receberam mais de R$ 26 milhões cada, o que, no mundo da Covid-19, é um bom dinheiro fresco e muito bem-vindo para eles.”

Mas a chave para a ideia da ficha de fã não é a geração de receita. No centro disso está uma maneira melhor de interagir com os fãs, que vai muito além de uma simples votação no Twitter ou Facebook.

“Não é uma ação da empresa. Gosto de chamar de compartilhamento de influência, o que significa que é a próxima geração de interação entre torcedor e clube”, disse o CEO.

“Por possuir este símbolo de equipe, é meu, eu o possuo. Posso ter um ou posso ter 2.000 e, desde que seja meu, posso votar e participar de algumas decisões do clube”.

Dreyfus explicou que a escolha da tecnologia blockchain (onde blocos de informações são armazenados em uma rede de computadores ao redor do mundo sem a necessidade de um grupo centralizado os controlando) foi um componente essencial.

“Decidimos usar o blockchain por dois motivos. Uma é porque estávamos criando um ativo digital, então você tem que provar a escassez - e esportes são tudo sobre escassez.”

“Quando você olha para isso, o esporte é exclusividade. A quantidade de ingressos é limitada. A quantidade de pessoas é limitada e todos querem fazer parte dela. Portanto, criar uma certa quantidade de fichas por equipe para criar escassez nos próximos cinco a sete anos, faz sentido.”

“E então, como torcedor, por possuir isso e poder votar em algumas decisões do clube, queríamos também garantir integridade e justiça. É por isso que toda a votação ocorre no blockchain. Ninguém pode burlar isso.”

Embora o lançamento das fichas de torcedor no futebol tenha sido um sucesso e seja um bom presságio para a F1, isso não quer dizer que tenha sido um caminho fácil para chegar lá.

Talvez um dos maiores obstáculos que ainda precisam ser superados seja um ceticismo em relação à criptomoeda do público em geral.

Mas o mercado atual de criptomoedas, com o Bitcoin atingindo um preço mais alto este ano em meio a uma onda de novos investidores institucionais como a MicroStrategy, já transformando as percepções da indústria para melhor.

Socios.com no Parc des Princes

Socios.com no Parc des Princes

Dreyfus disse que os fãs geralmente caem em dois campos quando as ofertas simbólicas aparecem. Ou eles não gostam de criptografia ou adoram a oportunidade que isso lhes dá de se aproximarem de seu time favorito.

“Meu trabalho é educar as pessoas para entender o que queremos tentar alcançar, e isso às vezes é difícil porque existe esse componente contaminado da criptografia”.

“Eles dizem, 'oh, é criptográfico, é sujo, é ruim.' Portanto, temos que educá-los.”

“Não pretendemos ser Bitcoin. Não queremos mudar o mundo ou o setor financeiro. Esse não é o meu trabalho. Meu trabalho é tentar usar blockchain e crypto para monetizar e envolver a base de fãs.”

“E os fãs eram os mesmos. Houve: 'Oh, isso é uma farsa. Eu não vou colocar R$ 107 nisso. Isso deve ser uma farsa.’ Mas então tem o outro cara que diz, 'Oh, isso é tão legal. Posso votar na música do estádio? Uau, eu nunca fiz isso antes. Você já me perguntou algo no Twitter e no Facebook, mas apenas como alguém. Agora eu como fã, sou reconhecido e ouvido. Isso não tem preço.' Portanto, precisamos equilibrar essas visões."

Com a Covid-19 e as indústrias em todo o mundo tendo que mudar seus modelos de negócios como resultado, Dreyfus vê um futuro brilhante para as fichas em todos os esportes, incluindo F1. Ele acredita que pode servir para os times envolvidos tanto quanto para os fãs.

“Meu pressentimento é que as equipes realmente terão que se converter em um produto de entretenimento e um produto de consumo”.

“Isso significa tentar gerar receita com os consumidores. e não mais exclusivamente dos direitos de transmissão e patrocinadores, que provavelmente são 80% dos negócios deles agora.”

“Se, em cinco anos, esse fluxo diminuir significativamente, isso acabará com seus negócios. Isso volta ao componente central de que as equipes têm consumidores, fãs e pessoas que gostam do que fazem, mas como podem monetizá-los?”

“Não tenho a resposta completa. Mas o que temos é apenas uma resposta. Haverá muitos outros. E é isso que estamos tentando empurrar”, concluiu.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

RENOVAÇÃO de HAMILTON: por que inglês SEGUROU negociações e os passos FORA da Mercedes que pode dar

PODCAST: Bottas reagirá na Mercedes? Como compará-lo a Barrichello, Webber e cia?

 

compartilhar
comentários
Após renovação de Hamilton, conheça o grid completo da F1 e a duração dos contratos dos pilotos

Artigo anterior

Após renovação de Hamilton, conheça o grid completo da F1 e a duração dos contratos dos pilotos

Próximo artigo

Empresário afirma que "Monaco F1 Racing Team" segue interessada em se tornar nova equipe de F1

Empresário afirma que "Monaco F1 Racing Team" segue interessada em se tornar nova equipe de F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble