F1: Bernie Ecclestone recebe sentença de prisão por fraude fiscal e pagará multa de quase R$ 4 bi, mas não cumprirá pena

Ex-chefão da F1 não declarou mais de 400 milhões de euros em ativos mantidos em Singapura; de todo modo, ele não cumprirá pena, por causa de acordo e idade

Bernie Ecclestone

Bernie Ecclestone

Zak Mauger / Motorsport Images

O ex-chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, recebeu nesta quinta-feira uma sentença de prisão suspensa após se declarar culpado por fraude por não ter declarado mais de 400 milhões de euros (cerca de R$2,45 bilhões) em ativos mantidos em Singapura.

Ecclestone, que foi proprietário da equipe Brabham de 1972 a 1987, liderou a categoria por mais de quatro décadas antes da F1 ser comprada em 2017 pelo atual proprietário, a Liberty Media. A partir daí, ele assumiu o cargo de "presidente emérito" e uma função consultiva.

Leia também:

Mas em julho do ano passado, a Promotoria da Coroa "autorizou a acusação de Bernard Charles Ecclestone de fraude por falsa representação, após uma investigação do HMRC (His Majesty's Revenue and Customs)".

Isso se refere a uma única acusação de fraude feita em 7 de julho de 2015. O tribunal ouviu anteriormente como Ecclestone deixou de declarar mais de 400 milhões de euros (aproximadamente R$2,45 bilhões) em fundos fiduciários mantidos em uma conta bancária em Singapura.

Nesta quinta-feira, o homem de 92 anos, que tem um patrimônio líquido estimado em 2,5 bilhões de libras (R$15,5 bilhões) mudou sua declaração para culpado ao comparecer ao Southwark Crown Court. Dessa forma, Ecclestone foi condenado a 17 meses de prisão suspensos por dois anos.

Agora está sendo relatado que Ecclestone chegou a um acordo para pagar à HM Revenue & Customs mais de 600 milhões de libras esterlinas (R$3,72 bilhões) para cobrir 18 anos fiscais. A Sky News traz o que o promotor Richard Wright KC disse: "O Sr. Ecclestone não tinha certeza absoluta de como a propriedade das contas em questão estava estruturada."

"Portanto, ele não sabia se era responsável por impostos, juros ou multas em relação aos valores que passavam pelas contas."

Bernie Ecclestone, Chairman Emiritus of Formula 1

Bernie Ecclestone, Presidente Emiritus da Fórmula 1

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

"O Sr. Ecclestone reconhece que foi errado responder às perguntas que fez, pois corria o risco de que o HMRC não continuasse a investigar seus negócios. Ele agora aceita que alguns impostos sejam devidos em relação a essas questões."

De acordo com Simon York, diretor do Serviço de Investigação de Fraudes do HMRC, a acusação contra Ecclestone "segue uma investigação criminal complexa e mundial".

"A acusação criminal está relacionada a obrigações fiscais projetadas decorrentes de mais de 400 milhões de ativos offshore que foram ocultados do HMRC. O HMRC está do lado dos contribuintes honestos e tomaremos medidas duras sempre que suspeitarmos de fraude fiscal. Nossa mensagem é clara - ninguém está fora de nosso alcance."

Ecclestone foi anteriormente submetido a um julgamento por suborno na Alemanha entre 2012 e 2014, que terminou quando ele pagou um acordo de £60 milhões sem admitir culpa. A F1 não fará comentários sobre o assunto.

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Alpine revela que pré-contrato firmado com Andretti para fornecimento de motores expirou; entenda
Próximo artigo F1: Tribunal aceita recurso de Piquet e derruba condenação por fala sobre Hamilton

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil