Análise

F1: Como saída de Hamilton pode deixar Mercedes em apuros

Equipe fica sem opções de nome disponíveis no mercado para substituir o heptacampeão

Alex Albon, Williams Racing, George Russell, Mercedes-AMG, Yuki Tsunoda, Scuderia AlphaTauri, Lewis Hamilton, Mercedes-AMG, Lando Norris, McLaren e Oscar Piastri, McLaren

Alex Albon, Williams Racing, George Russell, Mercedes-AMG, Yuki Tsunoda, Scuderia AlphaTauri, Lewis Hamilton, Mercedes-AMG, Lando Norris, McLaren e Oscar Piastri, McLaren

Simon Galloway / Motorsport Images

A mudança bombástica de Lewis Hamilton da Mercedes para a Ferrari não só pegou o paddock da Fórmula 1 de surpresa, mas também deixa sua equipe atual em uma situação complicada.

Hamilton assinou um novo contrato de apenas dois anos com a Mercedes, para 2024 e 2025, e deixou um espaço para cláusulas de saídas usuais, caso ele mudasse de ideia. E como a equipe italiana confirmou o novo vínculo de Charles Leclerc, mas demorou a dar a Carlos Sainz uma extensão semelhante, parece que o fato de Hamilton estar na mesa fez com que a Scuderia pensasse duas vezes sobre sua futura formação de pilotos.

Leia também:

Com Leclerc e Hamilton, ambos ex-protegidos do chefe de equipe Fred Vasseur, enquanto Sainz era visto como uma contratação de Mattia Binotto, a formação de pilotos da Ferrari agora parece bem preparada para a tentativa de Maranello de superar a Red Bull. Mas isso também deixou um buraco na Mercedes em um momento muito inconveniente.

Se a mudança de Hamilton tivesse sido aprovada antes, a Mercedes poderia ter tido mais opções no mercado de pilotos. Mas a surpreendente mudança de Hamilton foi precedida por várias renovações de contrato de alto nível que tiraram peças-chave do tabuleiro.

Leclerc, que deverá ser o parceiro do sete vezes campeão mundial a partir de 2025, provavelmente teria sido um alvo importante para as flechas de prata. E com Max Verstappen firmemente preso à Red Bull, não há muitos outros nomes disponíveis em 2025.

A Mercedes teria dado uma boa olhada na dupla da McLaren, Lando Norris eOscar Piastri, mas, depois que o australiano estendeu seu contrato no ano passado, Norris também assinou recentemente um vínculo que o manterá na McLaren até 2026 e, possivelmente, depois.

Então, quem mais a Mercedes poderia contratar?

Watch: HAMILTON NA FERRARI: Rico Penteado e Felipe Motta analisam 'BOMBA' e projetam Lewis na Scuderia

Houve uma empolgação inicial nas mídias sociais com o prodígio da Mercedes, Andrea Kimi Antonelli, que está estreando na Fórmula 2 este ano, depois de ter passado rapidamente pela categoria júnior após uma única temporada vencedora de campeonato na FRECA.

Mas mesmo que haja um precedente na F1 como houve com Kimi Raikkonen e Verstappen, promover o jovem de 17 anos apenas três anos depois de estar em contato com os carros parece fantasioso e contrário à política anterior de jovens pilotos da Mercedes.

Depois de seu título na F2, George Russell foi transferido para a Williams por três temporadas para aprender o básico antes de voltar à sua equipe de origem. E mesmo que Antonelli cumpra sua promessa na F2 imediatamente, uma mudança semelhante pode ser mais benéfica para a carreira de longo prazo do jovem piloto.

Portanto, se Russell-Antonelli é visto como o futuro da Mercedes, quem poderia ser uma contratação provisória pelo menos para 2025 e 2026?

Se há um agente livre cuja cotação subiu nos últimos anos, esse agente é Alex Albon, da Williams. Agora um piloto muito mais forte do que quando foi queimado por uma promoção precoce para a Red Bull, Albon desempenhou um papel fundamental no processo de recuperação da Williams.

Ele marcou todos os 28 pontos da equipe em 2023, com exceção de um, para levar a equipe da 10ª para a sétima posição no campeonato de construtores, e tem sido elogiado por suas qualidades de liderança em ascensão.

Com 27 anos e vindo de sua temporada mais forte na F1, a combinação de velocidade e maturidade de Albon o tornaria uma contratação astuta. A amizade de longa data entre Russell e Albon deve, no papel, ajudar a Mercedes a formar uma dupla harmoniosa.

Quando perguntado pelo Motorsport.com no ano passado sobre o término de seu contrato, Albon disse: "Acho que tenho confiança em mim mesmo para me manter aberto. Sendo totalmente honesto, quero ver essa equipe e quero fazer parte de uma equipe que a leve adiante. Estou totalmente comprometido com a equipe até o final do meu contrato."

"Mas também tenho 27 anos e sinto que estou em uma boa fase da minha carreira. Se você levar mais um ano, terei 28, 29 e logo chegarei aos 30. Quero me dar a chance de lutar por vitórias e pódios. E o que se resume a isso é, naquele momento e naquele tempo, podemos fazer com que essa equipe seja essa equipe?"

Outro par de mãos seguras, com credenciais de vencedor de corridas, é a troca óbvia de Hamilton pelo piloto que ele substitui, Carlos Sainz.

Sainz trocou golpes com seu companheiro de equipe na Ferrari, Leclerc, de forma bastante equilibrada em 2023, com ambos os pilotos desfrutando de períodos dominantes antes de terminarem com uma contagem de pontos semelhante. A vitória astuta do espanhol em Singapura, que deu à Ferrari a única vitória do ano que não foi da Red Bull, também destacou sua inteligência de corrida, o que o tornaria um ativo pragmático para a Mercedes ou qualquer outra equipe.

Enquanto a poeira da sensacional manobra de Hamilton assenta, o empresário de Sainz provavelmente estará telefonando para o chefe da Mercedes, Toto Wolff, para tratar de uma troca direta. Uma terceira opção, talvez menos provável, seria reacender o relacionamento de Wolff com um de seus outros ex-protegidos. Antes de Russell ser apontado como o herdeiro de Hamilton, Esteban Ocon era o principal homem de Wolff e da Mercedes para o futuro.

E, enquanto o francês se firmava primeiro na Manor e depois na Force India/Racing Point, Ocon atuou como piloto reserva de Brackley até deixar a família Mercedes e assinar com a Renault, agora Alpine.

Não está totalmente claro o quanto Ocon ainda é valorizado em Brackley, mas com a mesma idade de Albon e com uma impressionante vitória na Hungria, Ocon oferece uma combinação semelhante de juventude e experiência que pode atrair a Mercedes, pelo menos até que Antonelli esteja pronto.

Dentre as opções de agentes livres, a contratação mais notável seria a do bicampeão mundial Fernando Alonso, que também estará sem contrato com a Aston Martin depois de mostrar que não perdeu nada de sua capacidade em uma campanha notável em 2023, com oito pódios. Substituir um campeão mundial por outro pode ser uma perspectiva fascinante para a Mercedes, mesmo porque Alonso terá 43 anos no início da temporada de 2025.

Mas o movimento bombástico de Hamilton é um lembrete claro de que os contratos da F1 muitas vezes não são tão estanques quanto parecem. Quem sabe a Mercedes ainda encontre uma maneira de atrair um grande nome e causar um choque em sua própria transferência.

As CONSEQUÊNCIAS do 'fico' de Norris: RED BULL vai atrás de QUEM agora que Lando ficará na McLaren?

Podcast #267 - Par ou ímpar: Renovados, quem você escolheria entre Norris e Leclerc?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1 - De malas prontas para Ferrari, veja números de Hamilton na Mercedes
Próximo artigo OFICIAL: Mercedes confirma saída de Hamilton no fim da F1 2024; heptacampeão vai para a Ferrari em 2025

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil