F1: Diretor da Racing Point admite que equipe ainda está aprendendo com carro

compartilhar
comentários
F1: Diretor da Racing Point admite que equipe ainda está aprendendo com carro
Por:

Andy Green afirmou que a equipe inglesa apenas mostrou “vislumbres” do potencial completo de desempenho do carro

O diretor técnico da Racing Point, Andy Green, afirmou que o equipamento para Silverstone apenas pôde mostrar “vislumbres” do verdadeiro desempenho do RP20, enquanto tenta atingir o potencial completo do carro para a temporada de 2020 da Fórmula 1. 

A Racing Point é geralmente colocada como a terceira equipe mais rápida do grid atrás da Mercedes e da Red Bull, com potencial para ser a segunda. Esse foi o caso na Hungria, onde Lance Stroll e Sergio Pérez começaram a corrida em terceiro e em quarto, respectivamente. 

Leia também:

A equipe, no entanto, não mostrou resultados fortes com esse ritmo e atualmente ocupa a quinta posição no Mundial de Construtores, atrás também da McLaren e da Ferrari.

O GP da Grã-Bretanha foi comprometido pela ausência de Pérez por conta da Covid-19 e a necessidade de conseguir velocidade para seu substituto, Nico Hulkenberg, o que significou que a equipe teve que abandonar seu programa habitual de testes na sexta-feira.

No final das contas, um problema com o parafuso da embreagem fez com que o piloto alemão não pudesse começar a corrida, enquanto Stroll – que foi o mais rápido do dia na sexta-feira e largou na sexta colocação – terminou apenas em nono no domingo.

“Eu diria que, por muitas razões diferentes, nós admitiríamos que as coisas não foram para o nosso lado e cometemos alguns erros nas primeiras corridas”, disse Green, quando questionado pelo Motorsport.com.

“E estamos com um desempenho abaixo do esperado [em Silverstone], mas novamente, por algo que acho que está fora do nosso controle, no que diz respeito à perda de um piloto e tendo que mudar nosso final de semana".

“Não é algo que você pode realmente apontar o dedo. E apenas muitas, muitas pequenas coisas não foram do nosso jeito. Vimos vislumbres do que o carro é capaz de fazer e entendemos que é muito difícil para mantê-lo no seu auge”.

Green indicou que o time ainda tem muito a aprender sobre o RP20, após mudar seu conceito aerodinâmico durante o inverno. “Estamos aprendendo muito todos os dias”, disse Green.

“Um novo conceito funciona de um jeito completamente diferente do que o carro do ano passado. E tivemos apenas alguns dias em Barcelona em fevereiro, quando estava frio, para tentar entendê-lo. Então ainda estamos aprendendo”.

O chefe de equipe, Otmar Szafnauer, concordou que a equipe está com um desempenho abaixo do esperado e apontou que a intervenção do safety car em Silverstone significou que Stroll não foi capaz de colher as recompensas de passar pelo Q2 com pneus médios, o que significava que ele teria corrido por mais tempo na pista do que seus rivais.

"Acho que Andy Green está certo e às vezes é circunstância", disse Szafnauer quando questionado pelo Motorsport.com. “Eu penso que Lance fez um ótimo trabalho ao entrar no Q3 com a opção de pneu onde deveríamos ter uma vantagem.”

RETA FINAL:Sorte de Hamilton, azar de Verstappen e crise da Ferrari c/Gianluca Petecof e Pipo Derani

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil e os ambientes de F1 favoritos de Reginaldo Leme

 

Análise técnica: confira o que Mercedes, Ferrari, Racing Point e Red Bull mostraram em Silverstone

Artigo anterior

Análise técnica: confira o que Mercedes, Ferrari, Racing Point e Red Bull mostraram em Silverstone

Próximo artigo

Confira os horários do GP de 70º aniversário da F1, na Inglaterra

Confira os horários do GP de 70º aniversário da F1, na Inglaterra
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Racing Point
Autor Adam Cooper