F1: Erros da Mercedes em Mônaco deixam lições para Baku e além; veja

Equipe alemã perdeu a liderança de ambos campeonatos mundiais após final de semana complicado em Monte Carlo

F1: Erros da Mercedes em Mônaco deixam lições para Baku e além; veja

O fim de semana do GP de Mônaco de Fórmula 1 foi complicado para Mercedes, e a perda da liderança em ambos os campeonatos mundiais tornou tudo ainda pior. No entanto, os erros cometidos pela equipe alemã deixam lições para Baku e além.

O sétimo lugar de Lewis Hamilton foi acompanhado por um questionamento da estratégia da equipe por parte do heptacampeão, que perdeu posições para Sebastian Vettel e Sergio Pérez na sequência do pit stop.

Em seguida, houve o problema com a parada de Valtteri Bottas, que foi forçado a abandonar a corrida depois do time alemão não conseguir retirar a roda dianteira direita do carro do finlandês.

A Mercedes teve que esperar até que o carro de Bottas estivesse de volta à fábrica na manhã de terça-feira (25), quase dois dias depois, para fazer a remoção.

Leia também:

Não ter conseguido chegar totalmente ao topo da afinação e aquecimento dos pneus fez com que Hamilton não obtivesse bom resultado na sessão classificatória, na manhã de sábado. E, na corrida, foram as preocupações com os pneus que deixaram a equipe de Toto Wolff em um 'beco sem saída' estratégico e empurraram o britânico para uma parada precoce - que não compensou.

Talvez seja fácil sugerir que sob pressão da Red Bull - com a Ferrari se juntando à festa em Mônaco -, a equipe está cometendo mais erros do que o normal.

A corrida de Hamilton em Ímola, de onde só conseguiu terminar em segundo lugar devido ao safety car acionado pela batida entre Bottas e George Russell, foi um deles.

Um problema no sensor custou a Valtteri tempo em Portugal, e o finlandês sofreu várias vezes em outros GPs com problemas de aquecimento dos pneus.

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Sam Bagnall / Motorsport Images

Não foi uma temporada perfeita, mas também não foi cheia de desastres. A equipe se recuperou rapidamente de um teste de pré-temporada ruim no Bahrein, e teve vários acertos nas estratégias de Hamilton, ajudada pelo brilhantismo do piloto ao volante.

Apesar dos problemas específicos em Mônaco, o time alemão ainda acreditava que Bottas estava na briga pela pole antes que a bandeira vermelha fosse acionada no Q3. E enquanto muitas outras coisas deram errado em Monte Carlo, Hamilton conseguiu conquistar o ponto extra de volta mais rápida.

O resultado final é que nenhuma combinação equipe/piloto pode ter uma campanha perfeita quando há 23 chances de errar.

Mercedes e Hamilton não podem alegar ter feito isso no passado, mesmo nos anos em que conquistaram o título com facilidade. 

"Sempre estivemos em desvantagem, parece ser uma espécie de pista de corrida amaldiçoada para nós", disse Toto Wolff em Mônaco.

“É um pouco como Singapura. Quando você começa atrás, você não tem aderência e nem confiança no carro, é muito difícil se recuperar."

“Foi um pouco mais fácil para Valtteri, que tinha o ritmo, mas no geral é um fim de semana para esquecer. Na verdade, pelo contrário, não vamos esquecer, porque amanhã vamos colocar o dedo onde dói mais e tente aprender."

A equipe tem enfrentado corridas difíceis regularmente, por isso sabe como reagir e lidar com elas.

"Infelizmente, todos nós já passamos por um fim de semana de corridas como este", disse o diretor técnico James Allison.

"E sabemos que a única coisa a fazer é se recompor e descobrir por que realmente fomos lentos - lidar com isso e voltar e fazer tudo de novo na próxima corrida, e esperançosamente, de novo e de novo, até que saibamos como lidar com uma bagunça como hoje."

Lewis Hamilton, Mercedes W12, Sebastian Vettel, Aston Martin AMR21

Lewis Hamilton, Mercedes W12, Sebastian Vettel, Aston Martin AMR21

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

O estrategista chefe da Mercedes, James Vowles, admitiu que quando você está correndo no limite - e sendo pressionado por um rival forte como a Red Bull - as coisas podem dar errado.

"Eu acho que é uma observação justa que uma corrida por temporada acaba sendo muito ruim", disse Vowles. 

“Acho que para mim isso é apenas uma indicação de que somos uma equipe lutadora campeã mundial, ultrapassando todos os limites."

"Não importa se é o desempenho do carro ou paradas nos boxes ou resistência humana ou os pilotos fazendo tudo o que podem, arriscando por cada ponto que está disponível para eles. Quando você estiver lá, você cometerá erros."

Como Wolff e Allison indicaram, o segredo de tais erros é aprender com eles - e não repeti-los.

O velho slogan "vencer como equipe, perder como equipe" pode parecer um clichê, mas funciona para a escuderia alemã, onde não há medo de questionar e apontar erros após finais de semana como Mônaco.

É uma cultura que o dirigente austríaco incutiu com sucesso ao longo dos anos e que incentiva a abertura e a honestidade nos questionamentos.

"Vou começar com o nosso núcleo e nosso espírito dentro desta equipe", disse Vowles. “E é o mesmo de se levantar diante das adversidades, aquele que aceita que faltas e falhas vão acontecer."

"O que realmente é importante é como a equipe se firma depois disso. Como você separa os detalhes e aprende com eles e, mais importante, se torna mais forte no próximo evento e daí em diante."

"Essa cultura sustenta esta equipe e o que aconteceu neste fim de semana em Mônaco só servirá para fortalecer isso. Já esta manhã [segunda-feira], todos estão fazendo o possível para entender cada dado de desempenho e confiabilidade e de pit stop, de forma a avançar como entidade e como grupo."

Valtteri Bottas, Mercedes W12, has a pit stop issue that to retirement

Valtteri Bottas, Mercedes W12, has a pit stop issue that to retirement

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Vowles enfatizou que sempre há lições a serem aprendidas e melhorias a serem buscadas, mesmo após finais de semana aparentemente bem-sucedidos.

"O que importa não são os erros que você comete, é a ação corretiva que acontece depois e é como a equipe se une depois disso", explicou.

“Vamos tratar esta corrida como faremos em todas as outras. Dividimos tudo em detalhes, nos separamos em vários grupos na fábrica para entender o que poderíamos ter feito melhor."

"Mesmo em Barcelona havia itens, por exemplo, que poderíamos melhorar e não é diferente em Mônaco, há apenas mais deles. E é como você corrige e avança com todos os pequenos detalhes que, em última análise, correspondem a como o carro será  e como a equipe estará no restante da temporada."

Deixando de lado as questões do pits top, o time precisa descobrir o que poderia ter feito melhor em termos de configuração e uso de pneus em Mônaco. 

"Se você olhar para o desempenho de nossa equipe nesta pista nas últimas temporada, você verá que nos anos em que vencemos campeonatos com certa facilidade, mesmo assim, lutamos aqui", observou Allison.

"E embora estejamos em um caminho que resultou em um carro forte com a qual você pode atacar a maioria das pistas, esta [Mônaco] foi um calcanhar de Aquiles."

“E, ironicamente, um carro cuja melhor arma tem sido o uso de seus pneus circuito após circuito após circuito, nesta pista lutamos um pouco com isso."

"No domingo, embora estarmos bem no início do stint, no final do primeiro stint, onde a maior parte da ação crucial acontece nesta pista, onde não há muitas oportunidades de ultrapassagem, ficamos todos sem ideias com um pneu que morreu um pouco antes dos nossos rivais."

"É entender o que deixamos de fazer por várias temporadas, e precisamos descobrir, desde os primeiros princípios, o que estamos errando neste caminho e o que estamos fazendo ano após ano que simplesmente não está certo por aqui."

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

O complicado fim de semana de Mônaco foi agravado por uma excelente corrida para Max Verstappen e Red Bull, e a mudança resultante na liderança de ambos os campeonatos mundiais.

Essa oscilação vai encorajar a Mercedes a revidar com mais força em Baku e além.

"Tínhamos 29 pontos para a Red Bull e agora estamos um atrás", disse Wolff. "Portanto, não é o mais bonito dos quadros, e Lewis também está quatro pontos atrás."

"Mas está claro que as coisas vão até o fim e espero que esses sete pontos façam a diferença. Vamos apenas aprender, seguir em frente e conquistar novamente", concluiu.

Helio Castroneves: LENDA em INDIANÁPOLIS 'dá carona' em pista MÍTICA e ENSINA os seus SEGREDOS

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast- Quais os episódios fora da F1 que mais marcaram nossas vidas?

 

 

compartilhar
comentários
F1: Verstappen fala de 'sogro' Nelson Piquet e se compara a Hamilton

Artigo anterior

F1: Verstappen fala de 'sogro' Nelson Piquet e se compara a Hamilton

Próximo artigo

F1: Russell quer futuro definido até a pausa de verão

F1: Russell quer futuro definido até a pausa de verão
Carregar comentários