F1: Fangio ganhava primeiro título há 70 anos; saiba mais sobre bastidores de carro 'escondido' na guerra

Em 28 de outubro de 1951 argentino conquistava primeiro título mundial, o ponto de partida de uma carreira lendária. Ao mesmo tempo, foi o crepúsculo da Alfa Romeo

F1: Fangio ganhava primeiro título há 70 anos; saiba mais sobre bastidores de carro 'escondido' na guerra

Houve um tempo em que a Alfa Romeo estava muito mais na Fórmula 1 do que uma bela pintura ou um nome acrescentado ao da Sauber para torná-la uma equipe. A marca com o Quadrifoglio, um emblema lendário que personifica estilo e graça, permanecerá para sempre como a primeira superpotência do Mundial.

Primeiro, porque o Alfa 158 é o carro que venceu o primeiro GP da era moderna, em 13 de maio de 1950 em Silverstone. Além disso, e acima de tudo, porque detém um recorde ainda hoje incomparável e que provavelmente ainda tem um futuro brilhante pela frente: o da invencibilidade absoluta ao longo de uma temporada.

Leia também:

Nenhum período de dominação posteriormente abalou essa superioridade: nem a McLaren no final dos anos 1980, nem a Ferrari no início dos anos 2000, nem a Mercedes no início da era híbrida. É verdade que a campanha do primeiro Mundial há 71 anos teve apenas seis corridas, mas os livros de história são um pragmatismo inflexível. As 500 milhas de Indianápolis estavam no calendário na época, elevando o número de corridas para sete, na realidade, mas nem a Alfa Romeo nem seus rivais europeus apareceram.

O 'Alfetta'

O Alfa 158, apelidado de Alfetta, foi desde o início um pequeno monstro com potencial comprovado, levando Juan Manuel Fangio ao primeiro de seus cinco títulos mundiais. Para contar a origem da primeira coroação do argentino, por muito tempo - e às vezes ainda - considerado o maior piloto de F1 de todos os tempos, é claro que é a história do primeiro Alfetta que precisamos nos debruçar.

Juan Manuel Fangio au volant de l'Alfa 158 en 1950.

Juan Manuel Fangio au volant de l'Alfa 158 en 1950.

O Alfa 158 teve uma carreira de 13 anos, reconhecidamente adiado pela Segunda Guerra Mundial. Foi fruto da imaginação de Gioachino Colombo. Vitorioso desde sua primeira aparição em Livorno, em agosto de 1938, ele já prometia antes da guerra um duelo extraordinário contra o Mercedes W165. Mas o grande conflito mundial estourou.

Diz-se que durante a guerra, os Alfettas foram armazenados com segurança em uma fazenda perto de Milão. Quando a paz voltou à Europa, a Mercedes estava fora do jogo, assim como a Auto Union. Então, quando o Mundial de Fórmula 1 foi criado, o 158 tinha tudo para ser a arma letal. Porém, era preciso fortalecer a fera diante da ameaça que a competição começava a representar. Assim, Gioachino Colombo conseguiu inflar o bloco com oito cilindros em linha que, no início, produzia 195 cavalos, para chegar à impressionante cifra de 420 cavalos em 1951.

Essa busca por potência, no entanto, veio às custas de peso. Assim, após o primeiro título conquistado por Giuseppe Farina em 1950 com o 158, a versão 159 ganharia volume: chassi reforçado, tambores de freio de alumínio maiores etc. Quanto ao tanque, ele quase dobrou em relação ao seu tamanho original. Esta ‘carroceria’ compensou, no entanto, a velocidade máxima do Alfetta indo de 236 para 309 km/h entre 1939 e o início da década de 1950.

Fangio resiste à Ferrari

O primeiro triunfo de Fangio com a Alfa Romeo foi épico. O fabricante italiano havia dominado o retorno dos Grandes Prêmios no final da década de 1940 e parecia ter pouco a provar. No entanto, a temporada de 1951 seria uma história diferente. Porque um certo Enzo Ferrari decidiu criar o seu próprio império e afundar o rolo compressor que estava a enfrentar.

Le triomphe de Fangio au Grand Prix de France, à Reims, avec l'Alfa 159 en 1951.

Le triomphe de Fangio au Grand Prix de France, à Reims, avec l'Alfa 159 en 1951.

Fangio venceu em Bremgarten e Reims; o campeão cessante, Farina, venceu o GP da Bélgica. Foi José Froilán González quem quebrou a invencibilidade da Alfa Romeo ao assinar a primeira vitória da Ferrari em Silverstone. Seu companheiro de equipe Alberto Ascari fez o mesmo nas duas corridas seguintes, em Nürburgring e depois em Monza.

Apesar da ascensão anunciada da Ferrari, a Alfa Romeo e Fangio resistiram. O argentino liderava o campeonato com dois pontos à frente de Ascari antes do último GP da Espanha, em Pedralbes. O piloto da Ferrari conquistou a pole position lá e liderou a corrida, antes de perder tudo. A Scuderia havia escolhido pneus de 16 polegadas e pneus Alfa Romeo de 18 polegadas: uma decisão que faria a diferença, permitindo que Fangio vencesse e, assim, coroasse sua primeira coroa mundial.

“Tenho boas recordações dos anos que passei com a Alfa Romeo, em 1950 e 1951”, disse Fangio, que morreu em 1995. “Sentimentalmente, o Alfetta 159 era talvez o meu carro preferido. Porque isso me deu a chance de ganhar meu primeiro título mundial. Houve algumas corridas maravilhosas entre a Alfa e a Ferrari. Eu tinha muito respeito e carinho por Alberto Ascari, que liderou a Ferrari por tantos anos. Ele, e depois Stirling Moss, foram sem dúvida os dois rivais que mais temia."

O triunfo de 1951 foi o primeiro de Fangio e o último da Alfa Romeo, cujo domínio foi tão intenso como breve na história da categoria. A marca italiana, por falta de dinheiro e motivação para construir um novo carro, deu meia-volta. O piloto argentino continuou sua carreira na Mercedes, Ferrari e Maserati, garantindo mais quatro títulos para estabelecer uma referência apenas superada nos anos 2000 por Michael Schumacher.

RUBENS BARRICHELLO NA BAND: Rubinho será comentarista convidado no GP de São Paulo de F1; saiba mais

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #141 – É o fim da linha para Mercedes e Hamilton após GP dos EUA?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Ocon diz que ondulações em Austin estavam 'no limite' e cobra mudanças para 2022
Artigo anterior

F1: Ocon diz que ondulações em Austin estavam 'no limite' e cobra mudanças para 2022

Próximo artigo

Grosjean fará novo transplante de pele na mão esquerda

Grosjean fará novo transplante de pele na mão esquerda
Carregar comentários