ANÁLISE F1 - Ferrari: Problema técnico ou humano?

A Scuderia foi para a Hungria em busca da pole e obteve um sétimo e um oitavo lugares em uma pista que deveria ser favorável ao SF-23

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Zak Mauger / Motorsport Images

É um problema técnico ou humano? A Ferrari deve se fazer algumas perguntas após o GP da Hungria de Fórmula 1. Charles Leclerc em sétimo e Carlos Sainz em oitavo. A Scuderia fez uma segunda apresentação ruim depois de Silverstone e se a pista inglesa não era muito adequada para o SF-23, o Hungaroring deveria ser o palco ideal para o desafiante de 2023. 

Leia também:

Em resumo, mais um 'furo na água' em uma temporada feita de tanto sofrimento e tão pouca satisfação. No entanto, as simulações que prepararam a viagem para a Hungria pareciam positivas, mas entre o mundo virtual e a realidade da equipe italiana há, evidentemente, muitos sonhos que não correspondem à dura verdade.

Frederic Vasseur, Team Principal Ferrari

Frederic Vasseur, diretor da equipe Ferrari

Foto de: Alexander Trienitz / Motorsport Images

Desta vez, Fred Vasseur pareceu menos conciliador do que de costume: "Se não fomos bem, significa que não fomos bem." Mas o diretor da equipe, que age com o pragmatismo típico dos franceses, precisa encontrar uma resposta para nossa pergunta inicial: se o problema é o SF-23, então não faz sentido gastar dinheiro e energia para desenvolvê-lo, dedicando todos os recursos ao carro de 2024.

Mas se, como sugere Vasseur, o carro tem um desempenho que não se concretiza, isso significa que são os homens que estão errados e não entendem como colocar um monoposto na pista que permita que os pilotos deem o melhor de si.

E, então, você tem que colocar a mão na estrutura para evitar que os problemas de hoje sejam os mesmos de amanhã. Em Budapeste, vimos novamente um erro no pit stop, o primeiro de 2023: devido a um problema com a pistola na traseira esquerda, a parada custou a Charles Leclerc 9s7, aos quais foram adicionados os 5s de penalidade que o monegasco recebeu por excesso de velocidade na entrada da reta dos boxes. Mesmo se "evaporarmos" esse episódio do contexto da corrida, encontraríamos o monegasco duas posições à frente e certamente não haveria motivo para alegria.

"Não podemos nos dar ao luxo de cometer todos esses erros se quisermos ser competitivos", diz Vasseur. "O ritmo não era mágico, mas não estava tão longe do de Lewis [Hamilton]. Mas, nessas condições, não podemos cometer nenhum erro."

Carlos Sainz è dubbioso sul potenziale della Ferrari

Carlos Sainz tem dúvidas sobre o potencial da Ferrari

Foto de: Ferrari

Vamos dar um passo atrás e voltar à classificação: como é possível que dois Alfa Romeos sem atualizações se sobressaiam em relação ao carros da escuderia italiana? Mas será que alguém na Ferrari se perguntou por que Guanyu Zhou e Valtteri Bottas terminaram em quinto e sétimo, com o SF-23 de Charles Leclerc no meio do 'sanduíche'? Estamos falando de carros com o mesmo motor 066/7, portanto comparáveis em termos de chassi, suspensão e aerodinâmica. Uma equipe de ponta contra uma equipe cliente.

E é aqui que os braços caem e ficamos sem palavras. Porque a sensação é de que o problema não é apenas aerodinâmico, como se pensa, mas também envolve o resto do monoposto, que muitas vezes é considerado competitivo. A mecânica, como prova a Alfa Romeo, contou tanto na Hungria quanto a carga aerodinâmica.  

E até mesmo os novos pneus da Pirelli, introduzidos precisamente em Silverstone para aumentar a resistência depois que os F1 atuais já haviam atingido na Austrália a carga aerodinâmica que deveriam ter no final da temporada, provavelmente precisam de uma abordagem um pouco diferente da anterior para tirar o máximo proveito deles. É possível que até mesmo a (menor) mudança regulatória possa explodir o quebra-cabeça de Maranello? É possível que uma mudança, em nossa opinião obrigatória por parte da Pirelli, nunca dê uma vantagem, mas custe algo à Scuderia?

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Foto de: Ferrari

É possível que o vento torne a SF-23 impossível de pilotar? Os pilotos têm se queixado da instabilidade aerodinâmica desde o início do ano, mas o 'remédio' certo ainda não foi encontrado, porque o diálogo entre a casa e a pista parece não ter sido ouvido. As simulações diziam que o carro poderia almejar a pole position (mas qual foi o tempo previsto por Maranello para ficar na frente?), tanto que Leclerc recorreu ao overdrive no T3, quando os pneus já estavam acabados e o pneu talvez precisasse ser gerenciado. Mas se ninguém o avisa por meio da leitura dos dados, ele se comporta como sabe, generosamente.

"Fizemos as simulações em nosso carro", disse Charles, "sabemos que fomos um pouco melhores em pistas como Hungaroring, mas não temos os dados dos outros carros e alguns deles foram ainda melhores do que nós...".

É evidente que há uma 'doença latente' no Departamento de Corridas: enquanto houver algo para fazer, tudo estará bem, mas assim que algo mudar na estrutura definida, será uma crise. Essa não é uma abordagem da F1. Portanto, é impossível pensar em voltar a vencer.

Na reunião cara a cara com Vasseur em Maranello, tivemos a sensação de que a equipe está em uma fase de transição, e é provável que contramedidas já tenham sido tomadas, mas o quadro de hoje é sombrio porque surge a fraqueza de figuras que não conseguem assumir o compromisso para o qual são chamadas. Viver com medo de cometer erros só faz com que a pessoa se proteja. E se a prioridade for salvar o emprego, as escolhas conservadoras, e não corajosas, serão a base das decisões. 

E o maior erro que se pode cometer é juntar tudo: é claro que nem tudo deve ser jogado fora; na verdade, há muita coisa boa, mas ela não aparece. Fred precisa se livrar das incrustações na maneira de pensar e agir de várias cabeças engolidas por sistemas e procedimentos: Loic Serra, diretor de desempenho da Mercedes, trará sangue novo e novas ideias para o carro de 2025, porque o francês terá de lidar com um longo período de espera que ainda não começou.

Enrico Cardile, que nesse meio tempo receberá as faixas de diretor técnico, não pode ser deixado sozinho nessa fase delicada: o projeto da Ferrari para o próximo ano está começando e precisa de reforços. Até porque a temporada de 2023 está apenas na metade. 

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #239 – O que esperar de Ricciardo em retorno à F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Ricciardo revela que conversa com Alonso o motivou a período sabático
Próximo artigo GP da Bélgica de F1: Horários e como assistir etapa de Spa com F2 e F3

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil