F1: FIA opta por não permitir uso do DRS na curva inclinada de Zandvoort

Por ser o primeiro evento, Federação prezou pela segurança apesar dos dados indicarem que é seguro usar DRS na curva

F1: FIA opta por não permitir uso do DRS na curva inclinada de Zandvoort
Carregar reprodutor de áudio

Os pilotos da Fórmula 1 deverão ter uma vida ainda mais complicada em busca de ultrapassagens durante o GP da Holanda. A FIA decidiu que o DRS não será usado na última curva do circuito, que vem chamando a atenção por sua inclinação.

Os chefes da F1 haviam proposto originalmente a ideia de uma curva inclinada como a última da pista para oferecer um período maior de aceleração, em contraste ao que a configuração original oferecia.

Leia também:

Com os pontos de ultrapassagem sendo muito limitados no estreito circuito, a impressão que ficava era que esse design pelo menos daria chances para alguma ação. Simulações de computador mostraram que a inclinação acrescentaria mais 340 metros de ação, junto com os 678 da reta principal na sequência.

A inclinação feita foi extrema, com uma angulação de 32%, o equivalente a 18 graus, para dar aos pilotos carga suficiente para acelerar com o DRS acionado. Porém, para a primeira edição do GP da Holanda em 36 anos, a FIA optou por pensar pela segurança, permitindo que a asa móvel seja acionada apenas após a curva.

Jan Lammers, diretor do circuito, disse na quarta: "Essa é a decisão da FIA. Eles querem ver como as coisas serão neste ano, e querem coletar dados na vida real. Eles não querem correr risco e isso é compreensível, já que é a primeira edição em 36 anos".

Craig Wilson, diretor de performance dos veículos na F1 e que chefia também um departamento que testa os circuitos, foi chave para tornar realidade a proposta de inclinação da curva. No ano passado ele falou sobre as checagens realizadas para permitir que o DRS fosse usado no local.

Com a primeira ideia de uma curva inclinada vinda do ex-diretor de provas da F1 Charlie Whiting, a equipe de Wilson surgiu com um conceito que era possível de ser trabalhado.

"Voltou um comentário dizendo: 'É possível fazer inclinado?'", disse Wilson. "Eu pensei sobre isso e disse, ok, deixa comigo, vamos trabalhar para ver qual nível de inclinação seria necessário, se é possível abrir o DRS ali".

"Analisamos, usamos nosso simulador e dissemos que sim, precisando desse tipo de inclinação para tornar possível. Fiz uma análise com dois métodos distintos, em termos de estabilidade do carro e perda aerodinâmica, e parecia possível".

"Aí foi um caso de 'é possível fazer isso fisicamente?'. Então conversamos com a FIA, explicamos qual era a nossa ideia e se eles permitam. Eles analisaram tudo. Como processo, estávamos juntando todas as pessoas certas para surgir com uma solução única".

F1 em Spa: HIPOCRISIA dos PONTOS, MOTIVOS para a NÃO-corrida, PISTOLADA de pilotos, TAPETÃO e causos

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #128 - GP da Bélgica foi o maior fiasco da história da F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 discutirá mudanças no regulamento em outubro após "farsa" da Bélgica
Artigo anterior

F1 discutirá mudanças no regulamento em outubro após "farsa" da Bélgica

Próximo artigo

Gasly diz que F1 deve abordar problema de spray após má visibilidade em Spa

Gasly diz que F1 deve abordar problema de spray após má visibilidade em Spa