F1: Hamilton reforça que Mercedes ainda está "muito longe" de Red Bull e Ferrari

Equipe alemã teve mais um desempenho fraco no ano ao conquistar como melhor resultado apenas um quinto lugar no GP da Arábia Saudita, com Russell

Carregar reprodutor de áudio

Lewis Hamilton diz que a Mercedes continua "ainda longe" de Ferrari e Red Bull - equipes líderes da Fórmula 1 na nova era e sente que precisa de "mais aderência e potência" para ser competitivo. O heptacampeão sofreu com sua modesta posição inicial de 15º para manter o sexto lugar na parte do meio do GP da Arábia Saudita, mas não conseguiu parar no período do safety car virtual quando o pitlane foi fechado devido a Alpine de Fernando Alonso e McLaren de Daniel Ricciardo parando na pista.

Assim que ele foi ao pit, ele voltou à ação em 12º e com pneus médios novos conseguiu subir de volta ao décimo posto na bandeira quadriculada. No entanto, ele acredita que faltou o ritmo necessário para progredir ainda mais, até para desafiar os líderes.

Leia também:

Apesar de uma série de experimentos de configuração durante o fim de semana em Jeddah e culpado por seu fraco desempenho na classificação, Hamilton admitiu que a Mercedes permanece sem o ritmo necessário para enfrentar Ferrari e Red Bull em termos de aderência e velocidade máxima.

"Neste momento não estamos lutando pelo degrau mais alto, ainda estamos longe dos caras que estão à frente e temos muito trabalho a fazer. Parece muito longe", disse ele. "Precisamos de mais aderência e de mais potência."

"O resultado final não foi ótimo, mas a corrida estava indo bem, me senti relativamente ok com o pneu duro. Eu estava acompanhando George [Russell] e acho que fiz alguns tempos e ritmo decentes, considerando a idade dos pneus duros e a estratégia no final."

"Não sei se foi a estratégia ou o safety car virtual, perdemos muito, então acho que continuaremos trabalhando duro e lutando porque é tudo o que podemos fazer."

George Russell, Mercedes W13, Kevin Magnussen, Haas VF-22, Lewis Hamilton, Mercedes W13

George Russell, Mercedes W13, Kevin Magnussen, Haas VF-22, Lewis Hamilton, Mercedes W13

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Embora Hamilton tenha dito que não sofreu com o porpoising durante o GP da Arábia Saudita, devido ao uso de uma configuração e altura de condução mais adequadas com seu W13, ele ainda crê que a Mercedes não tinha velocidade total por não ter conseguido pegar a Haas de Kevin Magnussen no final da corrida.

"Ainda estamos realmente em baixa velocidade", disse ele. "Não sei se é necessário apenas uma correção ou várias coisas, não sei quanto arrasto temos em comparação aos outros, mas parece muito."

Russell compartilhou a visão de Hamilton sobre o progresso da equipe, tendo ficado à frente de Esteban Ocon na terceira volta, em quinto lugar, antes de enfrentar uma corrida solitária atrás dos quatro primeiros.

"Acho que maximizamos o equilíbrio, apenas sabemos o que está faltando e isso é downforce no final das contas", comentou o jovem britânico. "Empurrando ao máximo, fiquei muito satisfeito com o desempenho do meu lado pessoal, muito bem gerenciado."

"Fiz o meu melhor para acompanhar as Red Bulls, especialmente após o reinício, fiz de tudo para ficar dentro da zona de DRS. Estamos um segundo atrás deles em geral."

"Temos trabalho a fazer, então precisamos voltar e revisar os dados, mas todos sabem o que precisamos melhorar."

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast - PÓDIO: Verstappen engole Leclerc no final e coloca fogo no campeonato

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
RETA FINAL: Verstappen e Leclerc entrarão em guerra? O drama de Hamilton e da Mercedes
Artigo anterior

RETA FINAL: Verstappen e Leclerc entrarão em guerra? O drama de Hamilton e da Mercedes

Próximo artigo

F1: Wolff garante que pilotos não foram forçados a correr na Arábia Saudita

F1: Wolff garante que pilotos não foram forçados a correr na Arábia Saudita