Fórmula 1
25 set
Treino Livre 1 em
03 Horas
:
40 Minutos
:
24 Segundos
09 out
Próximo evento em
13 dias
R
GP de Portugal
23 out
Próximo evento em
27 dias
04 dez
Próximo evento em
69 dias
R
GP de Abu Dhabi
11 dez
Próximo evento em
76 dias

F1: Mercedes explica fogo no freio de Hamilton na relargada em Mugello

compartilhar
comentários
F1: Mercedes explica fogo no freio de Hamilton na relargada em Mugello
Por:
Co-autor: Alex Kalinauckas

As condições da pista de Mugello, com características de média e alta velocidade, tiveram um papel nesse incidente

Na segunda relargada do GP da Toscana de Fórmula 1, chamou a atenção a grande quantidade de fumaça que saía dos freios dianteiros da Mercedes de Lewis Hamilton, e a equipe alemã deu mais informações sobre os motivos que levaram àquele fogo momentâneo no carro do piloto.

Por causa de suas retas longas, curvas rápidas e falta de zonas de frenagem fortes, o circuito italiano necessita de menos resfriamento dos freios que outros locais, então a Mercedes adotou um duto de freio menor que o normal para o W11.

Leia também:

Porém, isso se tornou um problema a partir do momento que o carro começou a andar mais lento, antes da segunda relargada. Hamilton tentava colocar seus freios na temperatura ideal e, quando chegou ao seu espaço no grid, era visível a fumaça e chamas nos freios.

Mas tudo acabou assim que ele começou a correr, sem causar nenhum impacto à sua performance na prova.

"Eu tinha uma diferença na temperatura dos freios dianteiros de quase duzentos graus", disse Hamilton ao Motorsport.com. "Eu estava forçando a barra para aquecer o que estava abaixo, e eles acabaram aquecendo demais. Eu tentei resfriá-los entre a última curva e a largada".

"Mas eu cheguei no grid e tinha muita fumaça saindo. Isso me deixou preocupado, porque eu vi uma chama saindo em um momento, o que não é bom. Isso queima todo o interior".

"Felizmente, a largada aconteceu relativamente rápido, aí não tive mais problemas depois disso. Mas definitivamente cheguei perto do limite".

O chefe de engenharia de corridas da Mercedes, Andrew Shovlin, explicou que, apesar de parecer algo ruim, o fogo não era motivo de preocupações.

"Não particularmente. O resfriamento do freio é relativamente fechado ali, porque não freamos muito, então você precisa fechar os dutos para manter a temperatura. E o problema é que, se eles estão trabalhando, não há muito ar entrando".

"Assim que você começar, ele apaga. A única preocupação é se você queima parte do carbono. Mas não parecia tão ruim assim, mas é melhor pecar pelo excesso. Só que, para ser honesto, não foi algo que nos deixou em pânico".

Apesar de não ter causado problemas para Hamilton, Esteban Ocon teve que abandonar com sua Renault antes da primeira relargada, após detritos do acidente da primeira volta causarem superaquecimento de seus freios.

"Quando o safety car foi acionado, ele tinha detrito preso nos dutos de freio", disse o diretor esportivo da Renault, Alan Permane. "Foi algo muito rápido, ele estava aquecendo os pneus e os freios traseiros atingiram uma temperatura altíssima, com um deles falhando, com fluido solto na traseira do carro".

"Não tinha nada que poderíamos fazer durante a bandeira vermelha, seus freios já estavam acabados".

VÍDEO: Entenda como quebras da Honda deixam Verstappen tenso na Red Bull

PODCAST: Motorsport.com debate a crise sem fim da Ferrari na temporada 2020 da F1

 

VÍDEO: Entenda como quebras da Honda deixam Verstappen tenso na Red Bull

Artigo anterior

VÍDEO: Entenda como quebras da Honda deixam Verstappen tenso na Red Bull

Próximo artigo

Vettel detona ideia de grid invertido na F1 e a compara com "loteria”

Vettel detona ideia de grid invertido na F1 e a compara com "loteria”
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP da Toscana
Pilotos Lewis Hamilton
Equipes Mercedes
Autor Adam Cooper