Conteúdo especial

F1: O outro 'expulso' da McLaren que espera seguir o caminho de Pérez para um lugar no topo

Depois de ser abandonado pela McLaren no início de sua carreira na F1, Sergio Pérez lutou para voltar a ter um lugar com uma equipe líder

Watch: Programa debate as últimas da F1

Daniel Ricciardo não é o único piloto que passou por momentos difíceis como membro da McLaren. Dois outros pilotos que estão no grid da Fórmula 1 passaram um ano como parte do 'império de Woking' e ambos quase perderam suas reputações. No entanto, eles se recuperaram para se tornarem competidores respeitados – e um deles se recuperou não uma, mas duas vezes, provando que atitude e determinação podem funcionar.

Algumas performances impressionantes ao longo de dois anos na Sauber persuadiram Martin Whitmarsh, então chefe de equipe da McLaren, a contratar Sergio Pérez para a temporada de 2013. Pérez substituiu Lewis Hamilton e se juntou a outro campeão mundial, Jenson Button.

Leia também:

Mas não foi um bom momento do ponto de vista da engenharia: o MP4-28 incorporou novas idéias que se provaram excessivamente ambiciosas e Pérez se viu em um carro com o qual até Button teve dificuldade. Pela primeira vez desde 1980, nenhum dos pilotos da McLaren conseguiu um pódio.

Checo fez um trabalho razoável: ele ficou atrás do companheiro de equipe em 10 classificações em uma temporada de 19 corridas, então foi quase meio a meio com Button em uma única volta, marcando 49 pontos contra 73 do britânico. Foi um esforço decente, mas não o suficiente para salvar o emprego de Pérez quando o presidente da McLaren, Ron Dennis, encenou um golpe na diretoria e derrubou Whitmarsh.

Ron procurou o treinador de pilotos da McLaren, Aki Hintsa, para pedir sua opinião sobre o piloto júnior da equipe, Kevin Magnussen. Hintsa tinha visto vários jovens chegando à McLaren ao longo dos anos com sonhos para o futuro e muitas vezes eles estavam tão envolvidos com a magnificência da equipe que “palavras ficavam em suas gargantas”.

Mas, como Oskari Saari elabora em seu livro The Core – Better Life, Better Performance, “o piloto dinamarquês que entrou no escritório de Hintsa não se incomodou. Ele nem sorriu. Ele estava nervoso, mas não por causa do tamanho da operação. Hintsa gostou da atitude e determinação do jovem e recomendou que Magnussen fosse aceito no programa júnior da McLaren.”

Magnussen se desenvolveu rapidamente, tanto física quanto mentalmente, durante um período de três anos, e Hintsa ficou feliz em recomendá-lo para o degrau mais alto depois que Kevin correu na Fórmula Renault 3.5 Series. “Magnussen recebeu um contrato e Pérez se foi…”.

Kevin entrou no início de uma nova era na F1: o início da tecnologia híbrida. Sua temporada começou bem, já que Magnussen terminou em terceiro lugar em Melbourne, o que virou segundo depois que Daniel Ricciardo foi desclassificado por uma violação de fluxo de combustível, sendo Jenson o terceiro. Foi um começo impressionante para a carreira de Kevin, mas continua sendo o ponto alto até agora: no resto da temporada foi descoberta uma falta de downforce na parte dianteira do carro, em função da altura do bico, e assim veio a dificuldade de gerenciar o fluxo de ar.

Magnussen fez uma estreia impressionante na F1 no GP da Austrália de 2014 com um pódio, mas continua sendo seu único pódio na F1

Magnussen fez uma estreia impressionante na F1 no GP da Austrália de 2014 com um pódio, mas continua sendo seu único pódio na F1

Photo by: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Como Pérez, Magnussen foi superado 10 vezes por Button nas classificações: o placar foi de 10-9. Magnussen marcou 55 pontos, enquanto Button 126. Inicialmente, parecia que Button iria se aposentar no final da temporada, enquanto Fernando Alonso estaria de volta para a equipe. Mas, de repente, Kevin recebeu o aviso de que ele estava fora dos planos da McLaren e que a equipe iria ter dois pilotos campeões mundiais no ano seguinte.

Foi um momento difícil para o dinamarquês. Era tarde demais para encontrar um lugar em outra equipe e, embora ele tivesse uma saída como reserva da McLaren, Magnussen passou o resto da temporada à margem.

Felizmente, em 2016, Kevin conseguiu outro contrato. Infelizmente, foi com uma equipe apenas 'se arrastando para fora do atoleiro': a Renault havia comprado a sofrida Lotus em Enstone e o primeiro ano foi simplesmente sobre sobrevivência. Ele marcou apenas sete pontos, mas trabalhou bem com o novato Jolyon Palmer e havia respeito entre eles.

Um ano depois, Magnussen estava desenvolvendo um relacionamento totalmente novo com Romain Grosjean na Haas. Rápido, mas às vezes errático, Grosjean esteve com a equipe desde o início, mas Kevin logo se estabeleceu como um piloto sólido. O feedback de especialistas na época confirmou que Magnussen nem sempre teve o ritmo mais rápido, mas sua consistência e determinação foram extremamente valiosas para a equipe.

Magnussen foi para a Haas e lá ficou até o final de 2020, quando, de repente, tudo acabou. A F1 parecia ter passado por ele e era hora de construir uma nova reputação nos Estados Unidos. No entanto, no início desta temporada, como resultado do ataque da Rússia à Ucrânia, Kevin recebeu o chamado para voltar

Kevin recebeu o chamado para voltar e criou puro deleite na Haas quando se classificou em sétimo no Bahrein e terminou em quinto, marcando os primeiros pontos da equipe desde outubro de 2020. A equipe de engenharia ficou muito feliz em tê-lo de volta.

Enquanto isso, o outro ex-rejeitado da McLaren, Pérez, passou sete anos na Force India/Racing Point. De repente, uma vitória no final de 2020 ajudou a impulsioná-lo para a Red Bull e a chance de vencer corridas regularmente surgiu pela primeira vez em sua carreira.

Agora que Magnussen está de volta, talvez ele possa seguir um caminho semelhante, já que alguns dos veteranos vão deixar o esporte nos próximos anos. Pérez mostrou que a experiência e o esforço contínuo podem funcionar. Magnussen pode muito bem fazer o mesmo.

Magnussen pode seguir o caminho de Perez para um maior sucesso na F1?

Magnussen pode seguir o caminho de Perez para um maior sucesso na F1?

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Podcast #195 - Fantasma de Abu Dhabi assombra Monza: o que mudar na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Patrocinador de Verstappen sob suspeita de lavagem de dinheiro
Próximo artigo RETA FINAL: Alonso X Hamilton, Red Bull 'gordinha' e mercado de 2023

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil