F1: Pirelli rebate frustração de Hamilton com aspecto dos pneus

Heptacampeão destacou que os compostos de 2025 apresentam uma janela de aderência muito curta

Lewis Hamilton, Mercedes W15
A Pirelli não concorda com a avaliação de Lewis Hamilton de que os pneus atuais da Fórmula 1 são os mais duros de todos os tempos. Hamilton sugeriu, após o GP de Miami no mês passado, que nunca tinha visto os pneus da F1 terem uma janela de operação tão "minúscula" quanto a atual.
Leia também:
"Honestamente, é provavelmente a coisa mais frustrante", disse o sete vezes campeão mundial. "Você olha para trás, para o dia em que tinha uma janela de trabalho muito maior para trabalhar. Você podia otimizar o equilíbrio e ter uma boa aderência durante toda a volta. Esse é, sem dúvida, o meu menos favorito."
Mas a Pirelli acredita que a importância do pico de aderência dos pneus não se deve ao fato de suas características serem diferentes, mas sim ao fato de que o grid da F1 está agora tão próximo que cada detalhe conta mais.
No passado, quando havia vários décimos de segundo de diferença no tempo de volta entre os carros, entrar e sair um pouco da janela do pneu não era realmente crítico para o desempenho.
Questionado sobre o ponto de vista de Hamilton em relação ao pico de desempenho, o engenheiro-chefe de F1 da Pirelli, Simone Berra, disse: "Todo pneu tem um pico em algum momento e a janela de operação é sempre apenas uma definição. Consideramos uma certa porcentagem de perda de aderência para definir a janela."
"Acho que até mesmo no passado era a mesma coisa. Mas provavelmente era menos crítico porque o nível de detalhes que temos no momento é bastante significativo. É por isso que agora tudo é destacado e importante. No passado, de 15 a 20 anos atrás, você tinha carros ou pilotos divididos por meio segundo ou sete décimos de segundo, então não era tão estreito."

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

"Mas a luta agora é completamente diferente e até mesmo um décimo de segundo faz uma grande diferença."
Berra também acha que a situação de pico dos pneus também varia de carro para carro e também pode ser diferente entre os compostos.
"Sabemos muito bem que, especialmente o C4 e, em alguns casos, obviamente, com a alta temperatura do C5, pode haver um pico de desempenho. Algumas equipes são menos capazes do que outras de extrair o pico de desempenho. Parte disso é o pneu,
sim, sinceramente."
"Mas parte disso é também a suspensão e como o carro está explorando o desempenho do composto. Portanto, são os dois fatores."

O que é o pico de aderência?

A Pirelli explicou recentemente como define a faixa de trabalho do pneu como a área de temperatura que está dentro de 3% do pico de aderência possível.
Com as margens apertadas na F1 atualmente, tornou-se óbvio que quanto mais próximo os pilotos conseguirem colocar seus pneus do pico absoluto, melhor será.
Como o chefe de automobilismo e F1 da Pirelli, Mario Isola, explicou em relação ao gráfico abaixo: "Se olharmos para um gráfico, a aderência do pneu está nas coordenadas verticais e a temperatura está na horizontal."
 
"No frio, qualquer composto desenvolvido para o automobilismo tem pouca aderência. Em vez disso, a aderência aumenta à medida que a temperatura sobe. Há uma curva que sobe até atingir um pico e, depois disso, haverá uma queda significativa na aderência devido ao excesso de alimentação."
Descobrir onde esse pico de aderência é atingido permite que as equipes entendam qual é a faixa de trabalho do pneu.
Isola acrescentou: "Uma vez atingido o pico de aderência, no ponto mais alto da curva, o gráfico normalmente nos mostra uma área de 3% que definimos como a 'faixa de trabalho'. Há então uma curva entre dois pontos que tentamos tornar mais plana e, acima de tudo, a mais ampla possível."

Nosso objetivo é oferecer aos pilotos um pneu com um platô amplo, para garantir uma janela de operação maior."

Alpine 'CHUTA' Ocon! Max JÁ DÁ DESCULPAS pré-Canadá? Newey... CHUVA em Montreal | Márquez na Ducati!

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Verstappen e RBR ameaçados em 2024?

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Ainda sem vaga em 2025, Lawson 'ameaça' deixar a RB
Próximo artigo F1: Red Bull confirma renovação com Pérez por mais duas temporadas

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil