F1 planeja introdução de aerodinâmica ativa para deixar corridas mais atrativas em 2026

Categoria pretende reduzir número de ultrapassagens facilitadas e aumentar batalhas nas pistas

George Russell, Mercedes W13, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18

A Fórmula 1 está procurando usar a aerodinâmica ativa sob os regulamentos técnicos de 2026 para compensar a perda de downforce que os carros sofrem quando estão um atrás do outro para melhorar a atratividade das corridas num futuro próximo.

Leia também:

A categoria revisou seu conjunto de regras técnicas para a temporada de 2022 em uma tentativa de reduzir a quantidade de downforce perdida quando os carros estavam se 'caçando', permitindo que eles se aproximassem e tentassem mais ultrapassagens. As mudanças foram amplamente elogiadas pelos pilotos, enquanto a Pirelli relatou que o número de ultrapassagens aumentou de 599 na temporada de 2021 para 785 no ano passado.

Mas a atenção já está voltada para as próximas grandes mudanças nas regras técnicas, previstas para 2026, quando a F1 também apresentar sua próxima geração de unidades de potência. A aerodinâmica ativa está sendo avaliada como uma forma de melhorar a eficiência dos carros, mas também pode ser usada para influenciar a competição na pista e impedir vitórias desenfreadas.

Falando na Autosport International na semana passada, o diretor técnico da Fórmula 1, Pat Symonds, disse que o desempenho dos carros de 2026 seria “ainda melhor do que os carros de 22”.O DRS deve continuar fazendo parte do pacote de regras, mas Symonds explicou como a aerodinâmica ativa pode ser usada para aumentar o downforce e compensar a quantidade perdida quando o carro segue de perto o que está à frente.

“Não vamos perder o DRS, porque há aerodinâmica totalmente ativa no carro de 26”, disse Symonds. “DRS é redução de arrasto. O que sempre achei que deveríamos fazer é aumentar o downforce. Por que o que o carro atrás faz? Sim, ele perde um pouco de arrasto, mas o que realmente o segura é o fato de perder força aerodinâmica.

“Nossa ideia agora é aumentar o downforce de volta para onde deveria estar se o carro da frente não estivesse lá.”

Verstappen used Jeddah's long DRS zones to pass Leclerc for the Saudi GP win last season

Verstappen used Jeddah's long DRS zones to pass Leclerc for the Saudi GP win last season

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

O objetivo seria permitir batalhas ainda mais próximas na pista, que Symonds disse ser o foco, em vez de garantir que haja uma ultrapassagem de forma facilitada.

“Todo mundo fala em ultrapassagem, mas para nós, a ultrapassagem é o fim da batalha”, disse Symonds. “É a batalha que é interessante, é a imprevisibilidade - 'ele vai passar?' E eu sei que muitas pessoas criticam o DRS, e esse é o problema do DRS, ele pode facilitar muito uma ultrapassagem."

“Por outro lado, quando você não o tem, como na corrida de Imola, quando a FIA estava muito relutante em ativar o DRS, você tem algumas provas chatas. É uma questão de acertar.”

As equipes devem ter uma primeira olhada nos regulamentos de chassis planejados para 2026 em uma reunião no final deste mês. Embora Symonds tenha dito que o carro de 2026 seria “bastante convencional”, ele revelou que a equipe técnica começou com uma tela em branco que o viu explorar uma série de caminhos radicais.

“Quando estudamos o projeto de 26, tínhamos outra folha de papel em branco e investigamos todo tipo de coisa”, disse ele. “Na verdade, voltamos a um carro de efeito solo com contorno para ter uma ideia de onde estava o limite. Nós olhamos para carros de fãs, todos os tipos de coisas estranhas. Mas o carro de 26 será bastante convencional, porque é assim que queremos que seja.”

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #213 – Briga por 11ª equipe escancara crise entre FIA e F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE: Renovação de Leclerc é passo estratégico para Vasseur
Próximo artigo F1: Nova Ferrari pode ser até um segundo mais rápida que F1-75 de 2022

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil