Análise

F1: Por que Pérez deve ficar atento com de Vries?

Mexicano tem contrato com a Red Bull até o fim da temporada 2024, mas o piloto pode encontrar uma ameaça com a chegada do holandês na AlphaTauri

Sergio Perez, Red Bull Racing

Uma regra tácita no mundo da Fórmula 1 é que um piloto é tão bom quanto sua última corrida. Se isso se aplica a Sergio Pérez, seu timing é realmente muito bom, já que ele conquistou um segundo lugar no GP Japão e antes disso conseguiu uma grande vitória em Singapura.

Leia também:

 

Estes são dois resultados muito importantes para o piloto mexicano, que chegou em um momento difícil depois de ser amplamente superado por seu companheiro de equipe, Max Verstappen, e ter conquistado apenas dois pódios em oito corridas em meio a um período em que não conseguiu se sentir confortável ao volante do RB18 após mudanças feitas no carro durante a temporada.

Precisamente durante esse período de queda de Pérez, houve um piloto que teve uma oportunidade inesperada na F1 e a pegou com as duas mãos. É, claro, Nyck de Vries , que foi convocado com urgência para substituir Alexander Albon em Monza.

O holandês brilhou ao se qualificar em 13º no sábado – que no domingo resultou em um oitavo lugar no grid devido a várias penalidades – e na corrida recebeu a bandeirada em nono lugar, igualando o melhor resultado da Williams na temporada. Se a lógica de que um piloto é tão bom quanto sua última corrida for seguida, o valor de De Vries estava no ar.

Vale esclarecer que De Vries já estava na dança de nomes no mercado de pilotos de 2023 que Fernando Alonso virou de cabeça para baixo ao assinar com a Aston Martin, mas seu resultado na Itália – que coincidiu com a recusa da FIA em dar uma super licença a Colton Herta para chegar ao AlphaTauri- acelerou muito as chances de De Vries com a equipe Faenza, o que acabou confirmando na manhã do último sábado no Japão.

Que pergaminhos De Vries traz para a Fórmula 1?

Nyck de Vries celebra su campeonato en la Fórmula E con Mercedes-Benz EQ

Nyck de Vries celebra su campeonato en la Fórmula E con Mercedes-Benz EQ

Photo by: Andrew Ferraro / Motorsport Images

De Vries, que completará 28 anos em fevereiro de 2023, teve uma carreira de sucesso desde o início, sendo campeão mundial de kart em 2010 e 2011 antes de dar o salto para os monolugares.

Os títulos não paravam de chegar para o piloto nascido em Sneek, no norte da Holanda, com campeonatos em 2014 na Fórmula Renault 2.0 Eurocup e na Fórmula Renault 2.0 Alpes, ficando em terceiro no ano seguinte na Fórmula Renault 3.5 .

De Vries deu o salto para a GP3 - hoje Fórmula 3 - em 2016 com o ART Grand Prix, conquistando duas vitórias no caminho para terminar em sexto na classificação e, em vez de continuar na categoria, optou por dar o salto para a Fórmula 2 , marcando uma vitória em Mônaco em uma temporada de estreia que incluiu uma mudança de equipe (começou com Rapax e terminou com Racing Engineering) e terminou em sétimo na classificação.

Em 2018 ele mudou para a Prema Racing e conquistou três vitórias para terminar em quarto na tabela, abrindo caminho para o golpe em 2019 quando, novamente com o ART Grand Prix, conquistou o título com quatro vitórias e oito pódios. Nesse mesmo ano entrou no Campeonato do Mundo de Endurance da FIA com a Racing Team Nederland, com quem participou duas vezes nas 24 Horas de Le Mans.

Depois veio sua etapa na Fórmula E, onde foi campeão na temporada 2020-21 com a equipe oficial da Mercedes, confirmando que teve sucesso em todas as categorias em que competiu até agora e em uma série muito diferente como a de os carros elétricos. Com todo esse histórico e sua corrida em Monza,  Franz Tost, chefe da AlphaTauri, teve facilidade em explicar no último fim de semana em uma entrevista coletiva por que eles foram procurar o holandês.

"Porque ele é rápido. Conheço a história dele. Eu o vi no kart, ele venceu, acho que foi em 2010 e 2011, e aí ele fez muito sucesso. Em todas as categorias que ele correu. Venceu na GP3, venceu na Fórmula 2 e também venceu na Fórmula E e, portanto, acho que ele é um piloto muito capaz e merece estar na Fórmula 1, e queremos muito tê-lo em nosso carro", disse.

De Vries mira a vaga de Sergio Pérez na Red Bull

Nyck de Vries

Nyck de Vries

Photo by: Motorsport.com / Japan

Claro que é muito cedo para saber se em algum momento De Vries será levado em conta pela Red Bull para sua equipe principal, mas não há dúvidas de que esse será o objetivo do holandês, simplesmente porque ele é um piloto de corridas, um vencedor comprovado que vai querer ter sua chance em um carro de F1 top. E estando sob o guarda-chuva da Red Bull, esse lugar fica na garagem que Verstappen e Pérez ocupam hoje.

Também é verdade que o mexicano conquistou seu lugar na Red Bull com base no esforço, nos resultados e em ser um jogador de equipe claro todas as vezes que foi chamado para cumprir esse papel, pelo qual Milton Keynes é muito grato e demonstrou isso dando ele um contrato por duas temporadas, até o final de 2024, o que sem dúvida gera tranquilidade em "Checo".

De qualquer forma, sabe-se que na F1 os resultados imperam - sim, mais uma vez, um piloto é tão bom quanto sua última corrida - e essa lógica talvez seja ainda mais dura na Red Bull. KvyatPierre Gasly e Albon. Além disso, Christian Horner foi encarregado de esclarecer que o vínculo com Pérez poderia terminar mais cedo no caso de não haver conformidade com seu desempenho.

“Obviamente, quando tomamos essa opção com Sergio (Perez) nos próximos dois anos, ele bloqueou a vaga, a menos que absolutamente não entregue, por qualquer motivo, em 2023 ou início de 2024, por exemplo”, disse Horner em junho passado.

O próprio De Vries, para quem a F1 chegará a uma idade em que muitos pilotos já estão na categoria há anos, sabe que não tem tempo de sobra e certamente buscará se exibir no início de 2023 para atrair a atenção da Red Bull, fazendo com que Pérez não consiga realmente relaxar, ou tenha períodos difíceis como este ano, porque o holandês estará lá disposto a dar o salto.

Agora, a chave para neutralizar qualquer tipo de especulação que possa começar a surgir no próximo ano estará inteiramente nas mãos de Pérez e seu talento comprovado. Se o mexicano se comportar como ele fex tantas vezes na F1, e em particular com a Red Bull – este ano ele mostra uma eficácia de mais de 50% das corridas terminadas no pódio e é o segundo no campeonato apesar de sua etapa difícil entre Canadá e Itália -, então nada que De Vries possa fazer na AlphaTauri questionará o lugar que "Checo" conquistou tão bem na Red Bull.

Podio: segundo lugar Sergio Pérez, Red Bull Racing

Podio: segundo lugar Sergio Pérez, Red Bull Racing

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Os riscos que a Red Bull corre em função da quebra do teto de gastos

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast: feitos da RBR podem ser 'manchados' por violação do teto de gastos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Os bastidores da polêmica da Red Bull com a FIA pelo teto de gastos
Próximo artigo F1: Haas ruma para duelo Giovinazzi vs Schumacher para 2023; saiba

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil