Análise
Fórmula 1 GP dos Estados Unidos

F1: Haas ruma para duelo Giovinazzi vs Schumacher para 2023; saiba

GP disputado no Circuito das Américas, em Austin, Texas, pode ser determinante para a definição da dupla do time dos Estados Unidos no ano que vem; entenda

Antonio Giovinazzi, Haas VF-22, leaves the garage

Em meio às especulações do mercado de pilotos para a temporada 2023 da Fórmula 1, a Haas deve ter uma disputa entre o italiano Antonio Giovinazzi e o alemão Mick Schumacher pela vaga ao lado do dinamarquês Kevin Magnussen no ano que vem.

Com isso, quem perde força pelo assento no time norte-americano é o germânico Nico Hulkenberg, anteriormente considerado o favorito ao cockpit da equipe dos Estados Unidos. No país, aliás, Giovinazzi e Schumacher devem travar um duelo particular.

O editor recomenda:

Isso porque o italiano disputará o primeiro treino livre para o GP disputado em Austin, Texas, no lugar de Magnussen, de modo que terá um 'confronto direto' contra Schumacher, atual companheiro do dinamarquês.

Apesar de ser o atual dono do assento na Haas, o jovem alemão tem perdido apoio da Ferrari, parceira técnica e fornecedora das unidades de potência do time norte-americano, e tem sua titularidade ameaçada para o ano que vem.

Neste contexto, Giovinazzi ganha força nos bastidores -- reserva da Haas, o brasileiro Pietro Fittipaldi também é cogitado, mas 'corre por fora' pelo fato de o chefe da equipe, Gunther Steiner, ter dito que prefere um piloto experiente para a vaga.

Giovinazzi já treinou pela Haas no GP da Itália, a pedido da Ferrari, e terá uma nova oportunidade no Circuito das Américas. Já Hulkenberg, veterano que estreou na F1 pela Williams em 2010, faria questão de um salário razoável e tenta atrair os patrocinadores alemães de Schumacher.

Contra Schumacher, pesa sua inconsistência frente a Magnussen, ao passo que Hulkenberg impressionou em seus últimos GPs na F1, nos quais substituiu ocasionalmente os pilotos da Aston Martin: Sebastian Vettel, também germânico, e o canadense Lance Stroll.

De qualquer forma, Mick teria o 'mando de campo' como vantagem, segundo a Haas, por já estar na equipe. Já Giovinazzi, apoiado pela Ferrari também por ser italiano, tem a influência positiva da escuderia de Maranello, que emprestou Simone Resta à Haas, na qual o dirigente é diretor técnico.

Os riscos que a Red Bull corre em função da quebra do teto de gastos

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast: feitos da RBR podem ser 'manchados' por violação do teto de gastos?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Por que Pérez deve ficar atento com de Vries?
Próximo artigo F1: Leclerc acredita que penalidade em disputa com Pérez foi "coisa certa a fazer" por parte da FIA

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil