Fórmula 1
R
GP de Portugal
30 abr
Próximo evento em
18 dias
06 mai
Próximo evento em
24 dias
20 mai
Próximo evento em
38 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
52 dias
10 jun
Próximo evento em
59 dias
24 jun
Próximo evento em
73 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
80 dias
29 jul
Próximo evento em
108 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
136 dias
02 set
Próximo evento em
143 dias
09 set
Próximo evento em
150 dias
23 set
Próximo evento em
164 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
171 dias
07 out
Próximo evento em
178 dias
21 out
Próximo evento em
192 dias
28 out
Próximo evento em
199 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
244 dias

F1: Príncipe da Arábia Saudita rebate críticas de que GP no país será “cortina de fumaça”; entenda

Representante da monarquia afirmou que se o intuito fosse esse, não teria aberto as fronteiras para visitantes

F1: Príncipe da Arábia Saudita rebate críticas de que GP no país será “cortina de fumaça”; entenda

O chefe de automobilismo da Arábia Saudita entende o ceticismo dos fãs sobre o seu país ser integrado ao calendário da Fórmula 1 a partir do ano que vem, mas insiste que não está tentando fazer uma “cortina de fumaça” com o esporte.

A monarquia do Oriente Médio acaba de assinar um acordo para realizar uma corrida noturna em um novo circuito de rua em Jeddah no próximo ano. Seu GP será então transferido para uma nova instalação construída em Qaddiya a partir de 2023.

Leia também:

A adição da Arábia Saudita ao calendário gerou algumas críticas, com a organização de direitos humanos Anistia Internacional divulgando um comunicado alertando a F1 sobre o país usar a F1 como forma de desviar a atenção de outros assuntos.

Felix Jakens, chefe de campanhas da Anistia Internacional do Reino Unido, disse: “A Fórmula 1 deve perceber que um GP da Arábia Saudita em 2021 seria parte dos esforços contínuos para limpar o histórico de violações aos direitos humanos do país.”

O príncipe Khalid Bin Sultan Al Faisal, presidente da federação de automobilismo da Arábia Saudita que comanda a corrida, está ciente de que alguns estão descontentes com a adesão do país ao calendário da F1.

Mas ele acha que o acréscimo da corrida faz parte de um processo que a Arábia Saudita está passando para ser mais aberta ao mundo exterior - em vez de fechar suas fronteiras e esconder o que está acontecendo.

Questionado sobre sua resposta a alguns fãs não estarem felizes com a Arábia Saudita estar no calendário da F1, ele disse: “Eu não os culpo, quando você não conhece um país, e quando você tem uma certa imagem negativa de um país.

“Lembro-me de quando meus pais me diziam que íamos para os Estados Unidos, principalmente para Nova York, fiquei com medo. Eu pensava ‘vou andar na rua e alguém vai vir e atirar em mim’, porque eu nunca estive lá.

“Então eu sei por que eles não estão animados com isso, por causa de muitos problemas com os direitos humanos e porque eles nunca estiveram na Arábia Saudita. Então é por isso que, esperançosamente com as pessoas vindo para a Arábia Saudita, vendo o país, e então voltando e relatando o que viram, isso fará com que talvez as pessoas mudem de ideia ”.

 

Photo by: General Sports Authority, Saudi Arabia

O príncipe Khalid disse que havia resistência semelhante antes de eventos de automobilismo como Dakar e Fórmula E serem hospedados lá, mas as opiniões mudaram quando as pessoas viram em “primeira mão”.

“Isso aconteceu conosco em Dakar, tivemos muitas pessoas ... cerca de três mil participantes e pilotos vieram”, disse ele.

“A maioria deles teve a mesma impressão e não ficou feliz quando foi anunciado. Mesmo com a Fórmula E, eles disseram que não queriam ir para a Arábia Saudita. Mas depois que eles vieram, e nos conheceram, eles mudaram sua perspectiva sobre a Arábia Saudita.”

Não temos nada a esconder. Se quisermos fazer uma cortina de fumaça sobre nossa imagem ou algo assim, fecharemos nosso país, porque não vamos deixar você vir, ver e se encontrar com nosso povo. ”

Com a Arábia Saudita ciente das preocupações com os direitos humanos, o príncipe Khalid disse que o assunto foi discutido com os chefes da F1. Mas ele diz que precisa haver algum entendimento sobre a Arábia Saudita ter uma cultura e história diferente de outros países.

“Definitivamente, conversamos sobre isso”, explicou ele. “E eu sei, talvez seja uma coisa que muita gente fala sobre a Arábia Saudita, mas não somos como os outros países.

“Sabemos que somos diferentes. Temos nossa cultura. Existem coisas que as pessoas podem fazer em outros lugares que não podem fazer aqui. Mas respeitamos nossas diferenças e estamos abrindo nosso país para qualquer pessoa.”

“Não temos discriminação, então todos podem vir. Se você é homem ou mulher, não há segregação. Sabemos que somos diferentes, mas respeitamos nossas diferenças. E é algo que levamos a sério.”

Ele acrescentou: “O esporte aproxima as pessoas e as une. É por isso que estamos hospedando esses eventos ”.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

F1 2020: Hamilton REVELA ‘defeito’ da Mercedes e mostra como a equipe minimizou o problema; entenda

PODCAST: Domínio da Mercedes tira mérito de Hamilton e suas conquistas?

 

compartilhar
comentários
TELEMETRIA: O que pode acontecer de diferente no GP do Bahrein com Rico Penteado

Artigo anterior

TELEMETRIA: O que pode acontecer de diferente no GP do Bahrein com Rico Penteado

Próximo artigo

Ex-engenheiro de Hamilton revela momento em que inglês percebeu importância do gerenciamento de pneus na F1

Ex-engenheiro de Hamilton revela momento em que inglês percebeu importância do gerenciamento de pneus na F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble