F1: Red Bull alega que gasto orçamentário excessivo trouxe "benefício zero"

Equipe ainda destacou estar 'chocada' com alegações vindas de outros times de que teriam trapaceado

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing

O chefe da Red Bull na Fórmula 1Christian Horner, diz que a suposta violação do teto orçamentário deu "zero benefício" na pista e revelou que a equipe está 'chocada' com as alegações de trapaça enquanto tentam um 'encerramento' do assunto com a FIA.

Leia também:

A Red Bull está atualmente conversando com a FIA sobre um possível Acordo de Violação depois que o órgão regulador da F1 revelou na semana passada que a equipe estava violando o limite de custo de US$ 145 milhões para 2021.

A equipe negou veementemente que tenha excedido o limite orçamentário, mas seus rivais foram claros em seus pedidos para que ações estritas fossem tomadas, devido ao impacto potencial que um gasto excessivo poderia ter nos resultados na pista.

Falando na coletiva de imprensa da FIA neste sábado, Horner reagiu a uma sugestão de que o suposto gasto excessivo teria contribuído para seu sucesso em 2021 e este ano, dizendo que se devia à interpretação dos custos relevantes.

“Estamos em discussão com a FIA sobre quais são esses custos e quais são as possíveis circunstâncias atenuantes”, disse Horner.

“Não tivemos nenhum benefício de uma perspectiva de desenvolvimento ou de uma perspectiva operacional para 2021 ou 2022 pela maneira como operamos dentro do limite. Nossa submissão foi significativamente abaixo do limite."

“Esperávamos que certas coisas fossem potencialmente desafiadas ou esclarecidas, assim como o processo em um novo conjunto de regulamentos. Mas com base em terceiros profissionais de contabilidade externos, a interpretação dessas regras, de um documento de 52 páginas para policiar isso, ficou muito claro do nosso lado."

“Então, absolutamente e categoricamente não sentimos que tivemos alguma vantagem em 2021 ou 2022 ou 23 ou 24, ou algumas equipes estão falando sobre 26, é totalmente fictício”.

Zak Brown, CEO, McLaren Racing

Zak Brown, CEO, McLaren Racing

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Horner saiu 'disparando' durante a coletiva de imprensa contra chefes de equipes rivais que fizeram alegações contra a Red Bull, incluindo o chefe da McLaren, Zak Brown, que escreveu uma carta na semana passada dizendo que qualquer gasto excessivo de uma equipe “constitui trapaça”.

O chefe da Red Bull disse que a carta foi “tremendamente decepcionante” e “absolutamente chocante” para outra equipe fazer uma alegação de trapaça sem todas as informações.

“Estamos sendo julgados por acusações públicas desde Singapura”, disse Horner, que observou uma “retórica de trapaças” e “a retórica de que tivemos esse enorme benefício”.

“Os números que foram divulgados na mídia estão longe da realidade”, disse. “O dano que causa à marca, aos nossos parceiros, aos nossos pilotos, à nossa força de trabalho, em uma época em que a saúde mental é predominante, estamos vendo problemas significativos em nossa força de trabalho.

“Estamos recebendo relatos de crianças que estão sendo intimidadas em playgrounds que são filhos de funcionários por meio de alegações fictícias de outras equipes, o que não está certo. “Você não pode sair por aí fazendo esse tipo de alegação sem nenhum fato ou substância. Estamos absolutamente chocados com o comportamento de alguns de nossos concorrentes”.

Horner conversou com o presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, na sexta-feira, em Austin, sobre o assunto, e disse que espera obter uma solução rápida. Mas ele alertou que poderia continuar por muitos meses se o processo se arrastasse além de um possível Acordo de Violação. Se a FIA e a Red Bull não chegarem a um acordo, isso será encaminhado ao Painel de Adjudicação de Limite de Custo da F1.

“Estamos nesse processo e nos últimos 10 dias, indo e vindo com a FIA”, disse. "Esperava que fosse resolvido antes deste fim de semana, espero que possa ser resolvido durante este fim de semana. Caso isso não aconteça, o próximo processo vai para o painel de administração do limite de custos e, além disso, há o Tribunal Internacional de Apelação."

“Então, isso pode prolongar por mais seis, nove meses, o que não é nossa intenção. Queremos o encerramento em 2022. Acho que tivemos algumas discussões saudáveis e produtivas com a FIA. Estou esperançoso de poder chegar a uma conclusão em um futuro próximo.”

 

 

 

 

 

 

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Williams confirma Sargeant para 2023, desde que americano consiga pontos da superlicença
Próximo artigo F1: Chefes de equipe se encontram com Brad Pitt e Domenicali revela quando filme sobre categoria será filmado

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil