F1: Red Bull foi atrás de motores da Mercedes e Ferrari depois da Honda anunciar saída da categoria

Chefe da equipe austríaca, Horner revelou que Scuderia teria sido a mais interessada

F1: Red Bull foi atrás de motores da Mercedes e Ferrari depois da Honda anunciar saída da categoria

O chefe Red Bull na Fórmula 1, Christian Horner, disse que sua equipe chegou a buscar novos fornecedores de motores depois que a Honda anunciou sua saída, e que a Ferrari teria sido a mais interessada.

A escuderia austríaca assumirá o projeto da unidade de força da Honda a partir do próximo ano e já está aumentando as suas instalações em Milton Keynes para preparar um motor totalmente novo para 2025, - algumas pessoas da divisão de motores da Mercedes foram atraídas para o novo departamento da Red Bull.

Leia também:

A decisão da Honda de sair deixou incerto o destino da Red Bull e AlphaTauri, e a escuderia austríaca não descansou durante esse período e procurou alternativas.

Falando sobre isso no podcast da F1, Beyond the Grid, Horner disse que a conversa com a Mercedes foi "muito curta" e que a mais interessada teria sido a Ferrari. 

"O movimento mais natural era procurar os fornecedores existentes. A conversa com a Mercedes foi muito curta. O Toto claramente não estava muito interessado. A Renault não tinha planos para fazer um motor para um time como nós. E talvez a mais interessada tenha sido a Ferrari", disse.

"Chegamos a fazer algumas reuniões para entender como seria esse processo, mas fazer diversas mudanças no carro para integrar motor e chassi seria muito complicado. E foi aí que pensamos: 'Ok, como resolvemos esse desafio do nosso modo?' E aí começamos a explorar esse plano em conjunto com a Honda."

Com o motor congelado entre 2022 e 2024, a equipe apenas dará seguimento ao trabalho feito pela Honda, mas o objetivo é que a Red Bull passe a desenvolver seus próprios motores a partir de 2025, quando entrará em vigor o novo regulamento técnico das unidades de potência.

"É um grande passo, um passo ousado assumir o controle do nosso próprio destino como fabricante de motores fazendo isso tudo na mesma fábrica. Isso fará de nós o único time além da Ferrari a ter tudo na mesma fábrica", disse Horner.

O dirigente britânico disse que não precisou convencer o proprietário da Red Bull, Dietrich Mateschitz, para prosseguirem com o projeto: "Creio que ele mesmo chegou a conclusão de que não tínhamos outra escolha. E o Helmut (Marko) foi um grande incentivador do projeto. Foi a escolha certa."

Segundo Helmut Marko, consultor da Red Bull, existe um teto de gastos para a divisão de motores: 1,6 milhões de euros para cada unidade (R$10 milhões)

"O gasto com os motores deve ficar abaixo dos 82 milhões de euros [R$521 milhões]. O custo de cada unidade é de 1,6 milhões de euros. Além disso, um turbocompressor custa mais que um V8 completo", disse Marko ao Auto Motor und Sport.

F1 2021: O que as POUCAS mudanças no GP da Áustria podem dar de ESPERANÇA a HAMILTON | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Sequência de corridas até férias da F1 será chave para campeonato?

 

compartilhar
comentários
Câmara Municipal de Sâo Paulo pode instaurar "CPI da Fórmula 1"; entenda
Artigo anterior

Câmara Municipal de Sâo Paulo pode instaurar "CPI da Fórmula 1"; entenda

Próximo artigo

F1: Favoritismo da Red Bull, Ferrari embalada contra McLaren e mais: veja o que está em jogo no GP da Áustria

F1: Favoritismo da Red Bull, Ferrari embalada contra McLaren e mais: veja o que está em jogo no GP da Áustria
Carregar comentários