F1: Russell diz que não deveria haver regras para impedir colisões como Verstappen x Hamilton

Britânico da Williams reforçou que toque entre rivais pelo título foi incidente de corrida; Ricciardo compartilha da mesma opinião

F1: Russell diz que não deveria haver regras para impedir colisões como Verstappen x Hamilton

George Russell acredita que não há regras que possam ser introduzidas na Fórmula 1 para impedir a repetição do "incidente de corrida" entre Lewis Hamilton e Max Verstappen no GP da Grã-Bretanha. Os rivais pelo título colidiram na curva Copse, de alta velocidade, enquanto lutavam pela liderança na primeira volta.

O holandês sofreu um impacto de 51G e o britânico recebeu uma penalidade de 10 segundos por ter sido considerado predominantemente culpado, mas se recuperou para vencer a prova e reduzir a diferença no mundial de pilotos. A Red Bull solicitou o direito de revisar o caso, pois acreditava que o heptacampeão merecia uma pena mais severa. Uma audiência está marcada para esta quinta-feira (29) na Hungria.

Leia também:

O lance dividiu a opinião dos fãs nas últimas duas semanas e levou a questionamentos se algo pode ser feito para deixar mais claro qual piloto tem direito à curva em tais disputas. O relatório dos comissários emitindo a punição de Hamilton disse que ele era predominantemente - mas não totalmente - culpado por causar o acidente.

Apesar disso, Russell, da Williams e diretor da Associação de Pilotos, sentiu que foi "absolutamente um incidente de corrida", tornando difícil impor qualquer coisa que pudesse deixar mais fácil colocar a culpa em alguém.

"Não há nenhum tipo de regra nesse aspecto, eu diria, que possa dizer quem está certo ou quem está errado, porque é apenas uma das duas", disse quando questionado pela Autosport/Motorsport.com sobre suas opiniões a respeito do acidente.

"Às vezes não existe certo ou errado. É apenas de corrida", afirmou. "Lewis é um dos pilotos mais limpos e justos que existem, sempre. Não houve nada de malicioso na tentativa, porque ele tinha uma oportunidade clara. Obviamente, as consequências foram enormes e estou muito feliz em ver que Max estava relativamente bem após a batida. Esses incidentes são difíceis de julgar."

“Não acho que seja necessário haver algo mais claro nesse cenário específico, porque foi, para mim, apenas um lance normal", reiterou.

A opinião de Russell foi compartilhada por Daniel Ricciardo, da McLaren, que pensa que não deveria estar "escrito no papel" como lidar com essas situações: "Nós sabemos apenas através dos anos de corrida e da experiência que temos, principalmente nesses carros. Tem um ponto que você não vê, há pontos cegos onde estão os bólidos, um quarto do caminho pra dentro. Estamos cientes de que a chance de alguém estar lá provavelmente é muito alta, então sempre deixaremos espaço."

"Assistindo o onboard de Max, havia uma lacuna por dentro. Eu acho que é claro que eles estão correndo forte, mas eu realmente não vi nada fora de linha com o incidente em si. Obviamente, a consequência foi realmente o grande ponto de discussão, mas acho que, no fundo, todos nós sabemos da etiqueta de corrida e quando não devemos apertar demais", concluiu.

Palavras dos pilotos por Alex Kalinauckas e Jonathan Noble

F1 2021: O ‘pós-guerra’ na Hungria: tudo sobre o GP em Budapeste com Rico Penteado | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Como Verstappen se encaixa entre rivais históricos de Hamilton?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 - Verstappen detona celebrações "desrespeitosas" da Mercedes: "Mostra quem eles são"
Artigo anterior

F1 - Verstappen detona celebrações "desrespeitosas" da Mercedes: "Mostra quem eles são"

Próximo artigo

F1: Apesar de telefonema, Verstappen mantém crítica a Hamilton, que rebate

F1: Apesar de telefonema, Verstappen mantém crítica a Hamilton, que rebate
Carregar comentários