Fórmula 1 GP de Singapura

F1 - Williams: "Quebra do teto de gastos é pior que trapaça na pista"

O chefe da equipe Williams, Jost Capito, diz que uma violação do limite de custos da Fórmula 1 deve ser considerada uma ofensa mais séria do que trapacear na pista

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Lance Stroll, Aston Martin AMR22, Charles Leclerc, Ferrari F1-75

Outros chefes de equipes da Fórmula 1 concordaram que qualquer violação desse tipo deve desencadear punições apropriadas da FIA. Embora ainda não tenha sido confirmado, tanto a Red Bull Racing quanto a Aston Martin passaram o limite na temporada passada, com a primeira acreditando ser um caso potencialmente mais sério de “violação material”.

Leia também:

A penalidade por tal gasto – superior a 5% do limite máximo de 2021 – pode se estender até a exclusão da equipe do Campeonato Mundial do ano passado.

Josh Capito, chefe da Williams, enfatizou que uma violação em 2021 também teria contribuído para o desenvolvimento dos carros desta temporada.

“Acho que não há como não ficar no limite de custos”, disse o alemão ao Motorsport.com.

“E se alguém não ficar no limite de custos, isso deve ter sérias implicações. Porque não ter ficado no teto de gastos no ano passado é o desenvolvimento mais provável para o carro deste ano.

“Para os carros deste ano, você tem um impacto para toda a temporada. Portanto, tem que ter um impacto esportivo nesta temporada. Não faz sentido ter qualquer penalidade financeira em cima que você gastou o dinheiro.

“Isso seria completamente contraditório para trabalhar com as regras. E para mim, é uma violação mais séria do que trapacear o carro na pista", afirmou Capito.

Capito também enfatizou que uma punição retrospectiva, por exemplo, a exclusão do campeonato do ano passado, não afetaria necessariamente os ganhos de desempenho obtidos com o desenvolvimento para 2022.

"Eu não acho que deveria ser para o ano passado, porque a maior parte do impacto é neste ano. Eu acho que seria completamente errado fazer isso no ano passado, porque os livros estão escritos, tudo está feito, o marketing já foi feito.

“Então, se esse fosse o caso, acho que ninguém mais ficaria no teto de custos, porque isso tem um impacto no passado. Tem que ter um impacto no ano real. E é por isso que eu acho que a FIA, se houver um caso, eles têm que ser bastante rápidos.

“Não tenho outra escolha, eles têm que reagir porque a maioria das equipes estava no limite de gastos. E eles não podem ser penalizados por estarem no limite de gastos. Então, tenho certeza de que eles reagirão adequadamente.”

O chefe da equipe Alpine, Otmar Szafnauer

O chefe da equipe Alpine, Otmar Szafnauer

Photo by: Carl Bingham / Motorsport Images

Outros chefes de equipe se manifestaram e concordam com o ponto de vista defendido por Capito. O chefe da Alfa Romeo, Fred Vasseur, está convencido de que qualquer transgressão financeira deve ser tratada tão seriamente quanto uma infração técnica.

“Acho que, do meu ponto de vista, o limite de custos foi crucial para a F1”, disse o francês ao Motorsport.com.

“Sei que foi uma grande conquista colocá-lo em prática. Mas agora que está em vigor, o mais importante é policiá-lo. E com certeza não há espaço para flexibilidade.

"Acho que temos que ser muito rigorosos com isso. Você pode ser desclassificado de uma corrida por 0,9 milímetros de flexão do flap frontal, como estávamos há dois anos. Se você está 300 gramas abaixo do peso, está excluído.

“E, por outro lado, se você pode gastar milhões em atualizações para X corridas, é completamente injusto. Se algo assim acontecer, com certeza a FIA terá que agir.

"Você tem que entender que às vezes com € 200.000 você pode trazer uma grande atualização. E se você ultrapassar o orçamento com isso, são alguns décimos para mais de uma corrida."

O chefe da equipe Alpine, Otmar Szafnauer, que comandou a Aston Martin no ano passado, mas saiu antes que os números finais do orçamento fossem apresentados, concordou que as equipes que gastam demais podem colher benefícios significativos.

“Qualquer gasto acima da margem é gasto em desempenho”, disse Szafnauer ao Motorsport.com.

“E uma vez que você começa a gastar em desempenho onde outros não têm a chance, porque na verdade eles se prenderam ao teto orçamentário, isso é sério. E acho que a FIA tem que punir adequadamente aqueles que passaram. Você precisa primeiro entender o tamanho da violação e, em seguida, qual é a penalidade apropriada”.

Szafnauer destacou que a Alpine fez grandes sacrifícios para se manter dentro do limite.

“A equipe aqui tomou algumas decisões importantes sobre demitir pessoas, não contratar outras pessoas, antes do início deste ano, com base nos gastos do ano passado”, disse ele.

“E isso é significativo. E uma vez que você deixa as pessoas irem, é difícil recuperá-las e atrair as mesmas pessoas.

“E uma vez que você interrompe o desenvolvimento, porque você ultrapassará o limite do orçamento, e você o interrompe para garantir que está abaixo, recebendo esse desenvolvimento e esse aprendizado em um tempo mais rápido do que os outros estão aprendendo, é quase impossível.

“Então é isso que quero dizer com temos que entender a gravidade da violação e ter ramificações apropriadas. Se, por exemplo, você ganhou fazendo mais testes em túnel de vento, talvez devesse ter uma punição apropriada, como restringir seus testes de túnel de vento no ano seguinte. É esse tipo de coisa."

O chefe da Haas, Gunther Steiner, também insistiu que as penalidades precisam ser duras, mesmo que o Campeonato Mundial de 2021 tenha sido concluído há nove meses.

"Quando tivemos que entregar nossa contabilidade, essa foi uma das coisas que foram discutidas", disse ele ao Motorsport.com. "Então, como você lida com isso, se alguém o violar, um ano depois?

“Isso iria acontecer. Mas no final, se você tirar o resultado do Campeonato Mundial do ano passado, quem se importa?

“A única coisa será o benefício financeiro que eles tiveram por estarem em uma determinada posição. Se eles forem desqualificados, todos os outros que estiverem atrás deles estarão rindo. E é aí que estamos.

“Quero dizer, se você violar, e os regulamentos dizem que a penalidade precisa ser essa, precisa ser essa, porque no final estamos falando de dinheiro", finalizou o dirigente da Haas.

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura durante nossos programas. Não perca!

Podcast #197 - Na berlinda, qual será o futuro de Ricciardo e Schumacher?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Por que uma tática de 2021 mantém Verstappen confiante em Singapura
Próximo artigo F1: Horários e previsão do tempo para o sábado do GP de Singapura

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil