F1: Wolff renova contrato com a Mercedes; confira detalhes

Acordo da permanência de Toto Wolff foi firmado entre ele, o proprietário da INEOS e o CEO da Mercedes-Benz

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes-AMG

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes-AMG

Steve Etherington / Motorsport Images

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, alegou que está totalmente comprometido em liderar a equipe na Fórmula 1 por mais três anos, com um novo contrato que exclui qualquer cláusula de desempenho.

Em uma entrevista exclusiva ao The Daily Telegraph, Wolff revelou que recentemente concordou com seus colegas acionistas um novo acordo para permanecer no comando da equipe até, pelo menos, o final de 2026.

Leia também:

As três partes envolvidas, Wolff, o proprietário da INEOS, Jim Ratcliffe, e o CEO da Mercedes-Benz, Ola Kallenius, concordaram que o melhor caminho a seguir é garantir que a administração da equipe de F1 seja estável, já que ela pretende voltar à liderança da categoria.

Falando sobre a situação, Wolff, que possui 33% da equipe, disse: "Acho que a coisa mais importante entre nós três é que confiamos uns nos outros. No final das contas, como acionista, eu quero o melhor retorno sobre o investimento. E o melhor retorno sobre o investimento é vencer."

"Não vou tentar me agarrar a uma posição em que acho que alguém vai se sair melhor do que eu. Eu me certifico de que tenho pessoas por perto que podem me dizer o contrário. No final, nós três decidimos: 'Vamos fazer isso de novo'".

A falta de sucesso da Mercedes na última temporada, em que obteve apenas uma vitória, enquanto a rival Red Bull conquistou novamente os dois campeonatos, provocou comentários de que Wolff poderia estar sob pressão para manter seu emprego se não houvesse uma reviravolta na sorte da equipe.

George Russell, Mercedes F1 W14

Foto de: Jake Grant / Motorsport Images

George Russell, Mercedes F1 W14

Mas ele insiste que seu futuro não terá nada a ver com o que a equipe entregar na pista, porque não há cláusula de desempenho no contrato. "Nunca tive uma cláusula de desempenho", disse ele. "Ou vocês confiam uns nos outros ou não confiam. E estamos alinhados como acionistas."

Wolff acha que o maior risco para ele é realmente encontrar motivação para continuar se o sucesso fosse fácil, em vez de ficar frustrado e ir embora se as coisas não melhorassem.

"Faço parte dessa equipe em várias funções", acrescentou. "Sou um co-acionista. Faço parte do conselho. Essas são coisas que não mudarão, seja qual for a função executiva ou não executiva que eu tenha. Mas me sinto bem."

"Para mim, o risco é sempre mais de esgotamento do que de exaustão. E é por isso que aceito os desafios que temos hoje, mesmo que às vezes eles pareçam muito, muito difíceis de gerenciar."

Motorsport Business #9 – ANDRÉ DUEK: Vida de corridas e negócios, e o valor de empreender nas pistas

Podcast #264 – O que Gil de Ferran deixa para o automobilismo?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Mercedes e Alpine confirmam datas de lançamento dos carros de 2024
Próximo artigo Ex-diretor da Alpine, Permane deve voltar à F1 na "nova AlphaTauri"

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil