F1 estreia curva inclinada em Zandvoort no próximo fim de semana; saiba tudo sobre a novidade

Modificação no tradicional circuito holandês visa permitir mais ultrapassagens e será usada pela primeira vez na categoria máxima

F1 estreia curva inclinada em Zandvoort no próximo fim de semana; saiba tudo sobre a novidade
Carregar reprodutor de áudio

Os fãs da Fórmula 1 finalmente verão os carros na tão badalada curva inclinada de Zandvoort no GP da Holanda do próximo domingo (5). A mais notável de todas as mudanças que foram feitas no tradicional circuito, para trazê-lo aos padrões atuais da categoria, foi virar o trecho final em 34% - o equivalente a 18 graus.

A decisão visa ajudar nas ultrapassagens e permitir que os atuais carros de F1 passem por lá com o DRS totalmente aberto. Ao fazer isso, deve ser possível uma aceleração suficiente para para tentar dar aos motoristas uma chance de ultrapassagem na famosa Curva 1 - Tarzan.

Leia também:

Simulações de computador mostram que a curva adicionará mais 340 metros de corrida em aceleração total - o que em cima dos 678 metros de reta significa que há mais de um quilômetro de vácuo possível.

A ideia pode ter parecido inicialmente "maluca" para a F1, pelas memórias ainda frescas dos problemas do GP dos Estados Unidos de 2005 na parte "oval" de Indianápolis, mas foi viabilizada por um grupo de engenheiros trabalhando diretamente para a categoria, que realizaram simulações de computador para provar que a sugestão inicial do ex-diretor de provas Charlie Whiting poderia realmente funcionar.

Craig Wilson, chefe de desempenho de veículos da série lidera um departamento que ajuda a criar e testar projetos de circuitos, falou sobre os planos quando a proposta foi apresentada pela primeira vez. Ele disse que Zandvoort não parecia haver uma solução óbvia sobre como fazer a pista oferecer mais oportunidades de ultrapassagem.

"Quando demos uma olhada pela primeira vez, dissemos: 'OK, bem, o layout existente será um desafio para passar. As retas são muito curtas, e o circuito atual é muito confinado porque é cercado por um parque nacional. Todas as dunas de areia ao redor estão protegidas, então não podemos apenas estender a reta."

"Passamos por muitas iterações pensando em como mudar as últimas curvas para efetivamente aumentar ou obter mais tempo na distância de aceleração total. Provavelmente passamos por cerca de 14 ou 15 soluções diferentes. Não consegui uma para trabalhar de forma satisfatória. "

Enquanto a equipe do circuito continuava pensando sobre a melhor forma de fazer isso, a sugestão inicial de Whiting de ter a curva inclinada foi mencionada a Wilson pelos chefes de Zandvoort.

"Uma discussão foi se poderíamos fazer mudanças na elevação. Eu pensei sobre isso e foi: 'ok, deixe comigo, deixe-me descobrir qual nível seria necessário em vez de abrir o DRS após a última curva, poderíamos fazer isso através dela?"

"Nós passamos por esses pontos, usamos a simulação, depois voltamos e dissemos 'tudo bem, você precisa de pelo menos esta inclinação para poder fazer isso. Eu avaliei com dois métodos diferentes, em termos de estabilidade e a perda aerodinâmica, e parece que pode funcionar."

"Então foi um caso de: 'ok, podemos pôr em prática? Os caras de Zandvoort falaram com algumas pessoas, voltaram e disseram: 'Sim, podemos, achamos que podemos fazer e estaríamos muito interessados.' Então, conversamos com a FIA para ver o que mais estava envolvido."

"Como um processo, reunimos todas as pessoas certas e fomos capazes de realmente encontrar uma solução - e única para essa situação."

Photo of Circuit Zandvoort

Photo of Circuit Zandvoort

Photo by: Essay Produkties - Chris Schotanus

A modificação no circuito holandês é um exemplo de todo o trabalho que Wilson e a F1 fazem para ajudar a projetar pistas melhores para o futuro - e ele diz que sem seu trabalho de simulação, as mudanças ambiciosas provavelmente não teriam se tornado realidade.

"Seria muito difícil para nós pensar que seria possível fazer Zandvoort funcionar se não tivéssemos feito este esforço e ajudado a direcionar algumas das mudanças", comentou. "Apesar de trabalharmos em muitos outros conceitos, não conseguimos fazer nada mais funcionar, mas isso [a elevação] foi eficiente e muito agradável."

No entanto, embora o chefe de desempenho esteja maravilhado com a forma como o projeto passou de uma ideia para realidade, ele entende perfeitamente que, mesmo com carros capazes de fazer a curva com o DRS aberto, ultrapassar ainda não será fácil.

"Ainda espero que seja uma pista muito difícil de ganhar posições, mas estou confiante que estas mudanças a tornam mais fácil do que teria sido originalmente", concluiu.

F1 em Spa: HIPOCRISIA dos PONTOS, MOTIVOS para a NÃO-corrida, PISTOLADA de pilotos, TAPETÃO e causos

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

TELEMETRIA: Quem vai se dar bem na segunda metade da temporada de 2020 da F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Podcast #128 - GP da Bélgica foi o maior fiasco da história da F1?
Artigo anterior

Podcast #128 - GP da Bélgica foi o maior fiasco da história da F1?

Próximo artigo

F1 discutirá mudanças no regulamento em outubro após "farsa" da Bélgica

F1 discutirá mudanças no regulamento em outubro após "farsa" da Bélgica