Fórmula 1
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado

Ferrari perdeu impulso após derrota no Bahrein, diz Wolff

compartilhar
comentários
Ferrari perdeu impulso após derrota no Bahrein, diz Wolff
Por:
Traduzido por: Erick Gabriel
8 de jul de 2019 13:18

Chefe da Mercedes acha que rival perdeu "impulso" importante em sua campanha, quando Charles Leclerc perdeu uma prova que estava ao seu controle no Bahrein por um problema no motor

A Ferrari chegou à temporada de 2019 como favorita, depois de mostrar um bom ritmo nos testes de pré-temporada, mas ainda não venceu após nove corridas.

Após derrota na Austrália, a escuderia parecia que estava pronta para se recuperar em grande estilo no Bahrein, quando tinha o carro mais rápido, e Charles Leclerc apareceu a caminho de uma vitória inédita.

No entanto, a pouco mais de 10 voltas do final, Leclerc sofreu um problema mecânico e seu ritmo caiu, deixando o caminho livre para Lewis Hamilton conquistar a vitória.

Leia também:

Refletindo sobre a campanha e o domínio da Mercedes, Wolff acha que a derrota no Bahrein se mostrou especialmente cara para a Ferrari, que também viu outras oportunidades escaparem de seus dedos.

"Acho que, de alguma forma, o ímpeto que a Ferrari tinha no Bahrein foi perdido porque eles tinham o carro mais rápido e deveriam ter vencido a corrida com Leclerc", disse Wolff ao Motorsport.com em entrevista exclusiva.

"Charles era o cara mais rápido em Baku, antes de bater na classificação, e Sebastian estava na liderança em Montreal antes da punição. Poderia facilmente ter sido muito diferente, com base apenas no desempenho puro."

Wolff também insiste que suas preocupações na pré-temporada sobre o desempenho da Ferrari eram genuínas, e que não havia blefe de sua equipe.

Embora a situação de Mercedes no primeiro teste parecesse pior que a realidade, porque a equipe só estava correndo com um carro completo, Wolff diz que as preocupações cresceram no segundo teste, quando a versão definitiva do W10 não trabalhou como esperado.

"Eu estava preocupado", admitiu. "Eu não estava preocupado no primeiro teste, porque no primeiro teste nós vimos uma Ferrari muito impressionante, mas eu sabia que traríamos um pacote de atualizações que mudaria completamente o carro. E colocamos na pista na segunda-feira e isso não se correlacionou. O segundo dia também.”

"Achávamos que tínhamos um problema real. Mas tudo mudou no terceiro dia, quando o carro de alguma forma se uniu. E no quarto dia, quando estávamos igualando o tempo da Ferrari, foi a primeira vez nos oito dias de testes que tivemos a sensação de que existia um caminho que parecia sensato."

Últimas novidades: freios

A melhora da Ferrari vista no GP da Áustria, apesar da derrota para a Red Bull de Max Verstappen, se deve a uma evolução no sistema de freios, mostrada pelo mago do design, Giorgio Piola. Confira a evolução.

 

Galeria
Lista

Ferrari SF90: freios no GP do Canadá

Ferrari SF90: freios no GP do Canadá
1/3

Foto de: Giorgio Piola

Para o Canadá, uma das pistas mais desafiadoras para o sistema de freios, a Brembo trouxe um disco de carbono com sete furos de resfriamento em uma formação em forma de chevron na superfície externa (totalizando mais de 1.400 furos). Esta solução foi acoplada a uma montagem que foi caracterizado por aberturas retangulares longas e estreitas próximas ao disco. Na França, onde as zonas de frenagem foram menos problemáticas, um disco com seis furos de resfriamento na formação chevron fez sua estreia e foi caracterizado por uma superfície recortada na parte central - um projeto que temos visto Mercedes usar há vários anos .

Ferrari SF90: freios no GP da França

Ferrari SF90: freios no GP da França
2/3

Foto de: Giorgio Piola

Portanto, em Paul Ricard, a economia máxima de peso foi solicitada. A natureza de alta velocidade do circuito também foi levada em consideração, já que o duto usado para canalizar ar frio para os calibradores também foi reposicionado, permitindo que o sistema esfriasse bem. Enquanto isso, a montagem era caracterizado por buracos redondos assimétricos dispostos em ziguezague em duas linhas.

Ferrari SF90: freios no GP da Áustria

Ferrari SF90: freios no GP da Áustria
3/3

Foto de: Giorgio Piola

A equipe buscou um compromisso entre essas duas soluções na Áustria, já que o disco tem seis furos na superfície de resfriamento, com uma seção recortada central que é cerca da metade da vista na França. Curiosamente, a montagem é a mesma que a do Canadá, devido à exigência de maior rigidez e fluxo de ar para esfriar os freios em altitude, com o anel Red Bull a cerca de 700 metros acima do nível do mar.

Próximo artigo
Seguir outros carros está tão ruim como sempre foi, diz Hulkenberg

Artigo anterior

Seguir outros carros está tão ruim como sempre foi, diz Hulkenberg

Próximo artigo

Stroll admite que eliminações no Q1 são "um pé no saco"

Stroll admite que eliminações no Q1 são "um pé no saco"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari Compre Agora , Mercedes Compre Agora
Autor Jonathan Noble