Fórmula 1
07 ago
Corrida em
05 Horas
:
28 Minutos
:
29 Segundos
04 set
Próximo evento em
25 dias
R
GP da Toscana
11 set
Próximo evento em
32 dias
R
GP de Singapura
17 set
Canceled
R
GP da Rússia
25 set
Próximo evento em
46 dias
R
GP do Japão
08 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
23 out
Canceled
R
GP do México
30 out
Canceled
R
GP do Brasil
13 nov
Canceled
R
GP de Abu Dhabi
27 nov
Próximo evento em
109 dias

McLaren: F1 corre risco de se tornar "campeonato de cópias" após decisão sobre Racing Point

compartilhar
comentários
McLaren: F1 corre risco de se tornar "campeonato de cópias" após decisão sobre Racing Point
Por:
, Editor
17 de jul de 2020 12:35

O chefe da equipe afirmou que espera com atenção a decisão sobre o protesto contra a Mercedes rosa da Racing Point

O grande assunto do momento na Fórmula 1 é o protesto da Renault contra a Racing Point, alegando que a equipe britânica copiou o carro de 2019 da Mercedes, o que representa uma quebra no regulamento. Para o chefe da McLaren, a decisão da FIA nesse caso pode abrir uma perspectiva perigosa para a categoria.

A Renault alega que a rival copiou os dutos de freio da Mercedes de 2019, o que representaria uma quebra no regulamento por uso de propriedade intelectual de outra equipe.

Leia também:

A Racing Point, desde o início, assumiu que o RP20 teve como base a Mercedes W10 de 2019, levando ao apelido de "Mercedes rosa", mas sempre defendeu que tudo foi feito dentro do regulamento.

A FIA deve divulgar sua decisão sobre o caso no intervalo entre o GP da Hungria e o GP da Grã-Bretanha, no início de agosto.

O chefe da McLaren, Andreas Seidl, frequentemente se refere à Racing Point como "a Mercedes do ano passado", mas, anteriormente, disse que não achava que existia base para um protesto. Na sexta, Seidl disse que ficaria "surpreso" se o carro da Racing Point fosse julgado ilegal, devido ao fato da equipe nunca ter escondido a inspiração.

Porém, ele sentiu que o caso lidaria com uma questão maior sobre o status de equipes independentes e construtoras, temendo que isso possa criar um precedente para o futuro do esporte.

"O protesto é outro elemento chave para termos algumas explicações, por parte da FIA e da F1 sobre o que eles querem que a F1 seja no futuro", disse. "Eles querem que a F1 acabe sendo um campeonato de cópias? Em um campeonato com duas ou três montadoras?".

"Nós definitivamente achamos que é o caminho errado para a F1, e não é um modelo sustentável para nós".

Seidl disse que, apesar da FIA estar buscando apenas similaridades entre o design dos dutos de freio da Mercedes de 2019 e da Racing Point de 2020, há implicações maiores sobre o trabalho das equipes nos carros.

"A F1 sempre foi uma competição entre 10 construtores, onde o carro é resultado de conhecimento, potência, engenharia, que você forma dentro de sua própria equipe ao longo dos anos".

"Quando você pensa em compartilhar partes de suspensão por exemplo, não é apenas uma questão de compartilhar peças ou design. Uma suspensão é resultado da experiência que você constrói na equipe ao longo de muitos, muitos anos".

"Cada parte de um carro de F1 é parte de um conceito de um carro inteiro. Isso é algo que a F1 precisa decidir se quer seguir assim ou não. Nossa posição é clara, é importante termos essas respostas para também definirmos o nosso futuro como equipe".

"Mas nós claramente queremos continuar sendo uma equipe independente com nossa identidade. Então mal podemos esperar pelo resultado disso".

Irvine detona Vettel, que flerta com Racing Point; Pérez negocia com Alfa e Prost 'monitora' Alonso

PODCAST: Guerra de bastidores na F1 e entrevista exclusiva com Igor Fraga

 

Sainz: ainda é cedo para julgar força que Ferrari terá em 2021

Artigo anterior

Sainz: ainda é cedo para julgar força que Ferrari terá em 2021

Próximo artigo

SEXTA-LIVRE: O início chuvoso da F1 na Hungria e MotoGP em Jerez

SEXTA-LIVRE: O início chuvoso da F1 na Hungria e MotoGP em Jerez
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Luke Smith